Archive for the ‘Técnicas de Pintura’ Category

 

Hey there Reader.

 

It’s been a good while since I’ve written a proper painting tutorial in order to share with you guys here on the blog.

 

I believe that in order to improve our painting skills we should strive to leave our comfort zone whenever possible and there’s this technique I had wanted to try for a long time called “Salt Weathering” which, to sum up, consists of using your every day kitchen salt to as a mask when painting, but that, thus far, I hadn’t found an opportunity to try.

 

The nice thing about this technique is that it produces irregular patches which can be really useful to simulate paint wearing off from surfaces. Given that I wanted to go with a weathered look for my Outpost Kit (reviewed here the other day) I decided it was time to give the technique a try.

 

(more…)

 

 

Hello there.

 

One of the painting techniques which have, in my humble opinion, revolutionized wargaming in recent years is the so called “Dipping”. It is a revolution in the sense that it allowed people who have no artistic skills to produce above average results with little or no effort at all.

 

The Dipping technique consists, in a nutshell, in applying basecoat colors to a model and then immersing it in a staining liquid, typically a wood stain, and then removing the excess liquid. This would produce nice overall shading on the base colors applied and, to a smaller degree, some measure of highlighting thus making miniature painting a not so daunting prospect to people not inclined to devoting a lot of time to painting their models or to those who feel they lack the skills to producing nice tabletop miniatures to their armies.

 

Here are some examples of the results obtained with the technique (pictures gathered from the web):

 

 

 

 

And what I consider a superb use of the technique:

 

 

Originally some brands of wood stain were used in this technique, but their use was quickly replaced by gaming brands that started producing their own version of the stuff aimed at us gamers like “The Army Painter” and its “Quick Shade” line. Games-Workshop itself has its own version of the stuff in their current line of washes (which replaced their wonderful inks to my despair) which behave a lot like the staining liquids (when applied straight out of the pot in one or two layers) and have become know in the painting community as “Liquid Skill”.

 

To effectivelly dip a miniature you need to apply all your base colours to the miniature in a nice solid and uniform coating. It’s also important to do so as neatly as possible as making corrections after dipping the miniatur will be very difficult. With your base colors applied and dry you can then proceed to the dip itself. You’ll immerse the miniature completelly in the product can covering it. After that you must remove the excess, which is normally done by shaking it (there’s people who use rotary tools for that), but you can also use a paintbrush for that. After that you’ll need to leave your miniature to dry for at least 24 hours in a dust free environment. After that a simple coat of matt varnish and it should be ready for gameplay.

 

There’s a couple videos on the internet showing that process, of which I reproduce the one made by “The Army Painter” to showcase their product:

 

 

I have used Dipping with some success on my Saim-Hann Eldar but I went one step further with them. I started by applying a basecoat of a dark red, followed by a drybrush of a lighter red. This was followed by an application of Quick Shade – Medium Tone (the names have since changed but I believe medium tone would be today’s strong tone) with a brush and left to dry overnight. I preferred to apply the product using a brush instead of dipping the models into the can because I felt I had more control over the staining liquid with the brush and also to avoid wasting to much of it.

 

I found out the final result was a bit too dark for my taste so I reapplied a red highlight after the dip, mainly to prominent edges and some armor plates, which produced a clearer look than your average dipped miniature. I should add that I only applied the staining liquid to the parts painted in red and bone colors keeping all the white parts clean of it as I found the color of the stain “dirtied up” the white and I didn’t like the final look of it.

 

Here’s a couple shots of them in action showing the final paintjob:

 

 

 

 

 

One drawback of the dipping technique I experienced was the quick destruction of my paintbrushes. The product itself, be it the Polyurethane Wood Stain found in DIY stores or the Quick Shade aimed at us gamers, is quite viscous and it clogs ups the brush’s bristles. I found it very hard to clean it off the brushes after applying the staining liquid and ended up discarding quite a few of them, so if you feel inclined to give this technique a go either use cheap paintbrushes or dip your models in the can.

 

One other thing I should mention, and this is merely speculation based on my observations, is that I found the “Quick Shade” has made the miniatures brittle. I have other plastic armies and I’ve never had to perform this many repairs on any of them. It seems some parts of these guys snap too easily and I wonder if “Quick Shade” has had anything to do with it or not.

 

I also found out today there’s another product out there for those interested in quick, overall good looking results: A spray dip.

 

 

A company named “Modelmates” is selling the stuff as a “Weathering Spray” but judging from the video in which they present their product and how it behaved when applied to the miniatures I believe it acts a lot like the dipping stuff I used. One advantage is that, according to the aforementioned company, the product is water soluble allowing for some measure of correction after you apply it which is great when compared to the other dipping methods in which you have no way of correcting a mistake after the staining liquid is applied.

 

Feeling tempted to experiment with it.

 

See you guys soon!

 

+++

 

Salve Leitor.

 

Gostaria de abordar hoje uma técnica de pintura de miniaturas que a meu ver revolucionou a forma de pintar modelos para jogos de estratégia (wargames). A técnica é popularmente conhecida como “Dipping”.

 

“Revolucionária” pode parecer um termo meio forte para alguns já que os resultados obtidos com a técnica empalicedem quando comparados com as miniaturas produzidas hoje em dia pelos grandes mestres do hobby, porém, insisto em usá-lo, e agora recomendá-lo aqui no blog, já que essa técnica permite que qualquer um, até mesmo quem nunca pintou uma miniatura na vida, produza em pouquíssimo tempo um exército completamente pintado e com qualidade acima da média.

 

Alguns exemplos de miniaturas pintadas com essa técnica:

 

 

 

 

E o que considero um resultado fantástico obtido com essa técnica:

 

 

O nome vem do inglês onde o verbo “Dip” quer dizer mergulhar e é justamente no que consiste a técnica: mergulhar a miniatura numa tintura que por sua vez vai adicionar sombras e, em menor medida, luzes à miniatura. “Mágica?” pode pensar você. Não o resultado final é uma característica das propriedades do produto empregado na técnica.

 

Quando a técnica surgiu originalmente empregavam-se em sua execução os chamados “Wood Stains” que nada mais são que um verniz a base de poliuretano com corante, empregado na finalização e tintura de madeira. A técnica em si consiste em pintar a miniatura empregando tão somente as cores base, aplicadas de maneira sólida e uniforme sobre a peça, sem que se executasse qualquer sombra ou luz (highlight) sobre ela. Essa peça é então imersa nesse liquido e retirando-se o excesso após a imersão. Feito isso a miniatura deve ser guardada para secar por um período de pelo menos vinte e quatro horas em um local livre de poeira, e após a secagem basta aplicar uma camada de verniz fosco para a peça estar pronta para uso em jogo.

 

Aqui temos um video de um dos fabricantes demosntrando o uso do produto para a técnica do “Dipping” (existem diversos outros videos disponiveis na internet pra quem se interessar em estudar mais sobre a técnica):

 

 

Tem-se assim, de forma bastante rápida e sem muita dificuldade, uma forma de produzir miniaturas com boa qualidade sem, no entanto demandar do jogador extrema dedicação, estudo, ou sequer qualquer habilidade artística. De olho nisso várias empresas colocaram no mercado suas versões de produtos para “Dipping” sendo que a mais proeminente hoje em dia é a “The Army Painter” com sua linha “Quick Shade”.

 

Eu empreguei com sucesso a técnica com sucesso na pintura dos meus Eldar de Saim-Hann e sei de pelo menos outros dois casos de sucesso com a técnica no Brasil: A Deathwing do Ultramarcos e os Orks do Phantasma.

 

A Deathwing do Marcos, já pintada com essa técnica, vista aqui em ação no Spoon of Gork:

 

 

Aqui os Orks do Phantasma:

 

 

 

 

O modo que empreguei a técnica nos meus Eldar difere um pouco da proposta original. Eles foram pintados com um tom base de vermelho escuro (Scab Red) e em seguida receberam um generoso drybrush de uma tonalidade mais clara (possivelmente Red Gore) como um primeiro highlight. Sobre essa base foi aplicado com pincel o “Quick Shade – Medium Tone” (o nome mudou, mas acredito que equivalha hoje em dia ao “strong tone”) e após a aplicação os modelos foram deixados para secar por um dia. Quando secos achei que as peças haviam ficado escuras demais e acabei aplicando por cima da camada de “Quick Shade” um novo highlight de vermelho claro (Blood Red) de forma a suavizar um pouco as sombras acrescidas pelo produto. O “Quick Shade” foi aplicado também sobre as partes metálicas e de cor de osso das miniaturas, porém, não foi empregado sobre as partes brancas porque num teste achei que o produto sujava demais o branco.

 

Algumas fotos ilustrando o resultado final nos meus Eldar. Todos os modelos mostrados receberam o Quick Shade:

 

 

 

 

Acho importante tecer duas considerações sobre o uso do produto. A primeira delas é que, como já apontei, optei em aplicar o produto com pincel ao invés de mergulhar a miniatura diretamente na lata, como preconiza a técnica e ilustra o vídeo do fabricante. Eu fiz isso porque percebi que aplicando o produto com o pincel eu tinha mais controle sobre a aplicação, evitando assim que o produto acumulasse em locais indesejados, porém, essa decisão teve um alto custo em pincéis. O liquido em si é bastante viscoso e praticamente impossível de retirar dos pincéis após sua aplicação motivo pelo qual sugiro o uso de pincéis mais baratos se você resolver tentar a técnica da mesma forma empregada por mim.

 

Outra consideração e baseada em minhas observações após a aplicação do produto. Eu tenho outros armies pintados, mas esse army Eldar foi o único onde empreguei a técnica do Dipping e o produto “Quick Shade”. Algo que tenho notado é que as miniaturas desse army ficaram mais frágeis. Já tive re efetuar diversos reparos nas peças para consertar armas e pernas que se quebraram e tenho a impressão que o produto reagiu de alguma maneira com o plástico tornando-o mais quebradiço. Reitero que essa é uma observação minha de como as minis se portam após pintadas levando como critério de comparação única e tão somente  minhas outras miniaturas, mas, acho interessante levantar esse ponto para deixar todos atentos e ouvir opiniões de outros que tenham empregado o produto.

 

Por fim gostaria de apontar que encontrei hoje uma evolução da ténica através de um novo produto. Uma companhia inglesa chamada “Modelmates” está comercializando um spray vendido como “Weathering Spray” e que, segundo a descrição do mesmo, faz com que as miniaturas pareçam sujas, envelhecidas e usadas após a aplicação.

 

 

Após conferir o vídeo com a aplicação do produto tenho a impressão que o spray age como um “staining liquid” em spray, produzindo os mesmos resultados que se obtém ao empregar-se a técnica do “Dipping” da maneira tradicional. Uma vantagem desse produto em spray é que, uma vez mais segundo a empresa que o produz, ele é solúvel em água permitindo que se trabalhe o produto e efetuem-se correções após a aplicação o que não é possível com os produtos tradicionalmente empregados na técnica.

 

Fiquei com vontade de experimentar.

 

Até a próxima pessoal!

 

 

Vou reproduzir aqui um artigo de minha autoria já publicado originalmente no fórum brasileiro de warhammer (vou falar mais sobre esse jogo no futuro) …. o objetivo do arquivo é compilar dados sobre termos e técnicas de pintura para aqueles interessados em aprender e (ou) aprimorar a pintura de miniaturas.

Sem mais delongas vamos ao artigo:

Salve Pessoal!

Uma das coisas que tenho percebido na seção de pinturas e conversões do fórum Warhammerbrasil é que alguns temas são recorrentes, perguntas como “O que é primer?” e “O que eu uso para fazê-lo?” aparecem sempre que uma nova leva de usuários chega até o fórum. É compreensível que os novos usuários do fórum e iniciantes no hobby fiquem intrigados com o jargão utilizado quando discutimos a pintura de miniaturas e perguntem sobre os termos utilizados aqui (afinal de contas “Após um wash de chestnut ink, dê um drybrush de bestial brown seguido por outro de comando cáqui” não é mesmo fácil de entender se você não é do meio!). O grande problema é que perguntas como essas já foram respondidas à exaustão pelos membros mais antigos do fórum, porém, por um motivo ou outro, as pessoas acham bem mais simples perguntar de novo ao invés de dar uma busca nos tópicos antigos, ou as vezes os tópicos são deletados por falta de espaço o que acaba criando novos tópicos sobre assuntos repetidos e consumindo tempo dos usuários que acabam lendo e respondendo sempre a mesma coisa pra não deixar a galera mais nova na mão.

Para tentar evitar que esses tópicos continuem aparecendo de tempos em tempos decidi redigir uma pequena compilação sobre os termos mais utilizados aqui e uma pequena explanação de como fazer cada uma das técnicas, tentarei também apontar o caminho para aqueles usuários que desejem se aprofundar mais no tema, lembrando desde já que a pintura de miniaturas e a qualidade destas é resultado direto da prática. É impossível aprender a pintar miniaturas somente com leitura e perguntas. Há que se colocar a mão na massa e pintar alguma coisa. Já dizia algum filósofo famoso de outrora que a prática leva à perfeição.

Antes de começar a pintar existe uma etapa frequentemente negligenciada por muitos (incluindo este que vos fala) que é a preparação da miniatura para receber a pintura. A primeira etapa dessa preparação é a limpeza da peça, fazendo uso de uma lixa (lixa de unhas por exemplo) e de uma lâmina (estilete ou faca de modelismo) para remover as linhas do molde da miniatura (MOLD LINES) e eventuais rebarbas. Lembre-se de ao usar uma faca ou estilete sempre cortar na direção oposta ao seu corpo. Além disso, é interessante lavar as peças com água morna e algum detergente para eliminar qualquer resíduo de gordura na peça, gordura esta que pode ser dos produtos usados para evitar que a miniatura fique grudada no molde (miniaturas de resina e plástico principalmente) ou do próprio manuseio da peça antes da pintura.

PINAGEM (ou PINNING): Uma das coisas que também deve ser feita nessa fase de montagem da miniatura é a pinagem de determinadas peças.
A maioria das miniaturas que conheço vem com alguma parte solta para ser colada, na maioria das vezes somente a cola agüenta o tranco e segura a parte sozinha, porém algumas vezes as partes que vem em separado são muito pesadas e (ou) tem um ponto de encaixe complicado sendo necessário pinar a peça no lugar.
Pinar qualquer parte de uma miniatura nada mais é do que colocar um pino ligando a peça em separado a miniatura em si facilitando assim a sustentação e a colagem. Para fazê-lo você precisará de uma furadeira de mão (PIN VICE) ou de uma micro-retifica e brocas pequenas, além de alguns clipes de papel para utilizar como pinos (lembre-se de sempre, SEMPRE usar óculos protetores quando utilizar uma micro retifica, estilete, furadeira de mão ou lixa).
Fazendo uso da broca faça um furo na miniatura e outro na parte a ser encaixada certificando-se do encaixe entre as peças antes de colá-las. Corte um pedaço do clipe de papel que encaixe dentro dos furos (o pino deve ser grande o bastante pra preencher os dois furos) e cole o pino no lugar. Depois que a cola secar e o pino estiver firme, passe cola na outra metade do pino e encaixe a parte na peça. O resultado final é muito mais duradouro e mais resistente a quedas e solavancos em geral.
Uma dica legal para se assegurar de que o encaixe do pino será perfeito é antes de fazer um dos furos, e depois de já ter encaixado o pino em uma das partes, passar tinta na ponta do pino e colocar sobre a peça simulando o encaixe. A tinta do pino marcará o lugar exato a ser perfurado evitando que o buraco de encaixe fique fora do lugar.

COLA: Já que estamos falando de montagem de miniaturas acho importante tecer breve comentário acerca das colas mais usadas no hobby. Obviamente a cola mais difundida e que pode ser usada pra quase tudo no hobby (e obviamente para montar as miniaturas) é a cola a base de cianoacrilato, a boa e velha Superbonder (quase tudo porque ela não cola isopor!) e outras Bonder da vida. Além dela temos as colas para plástico que só servem para miniaturas plásticas (a vantagem delas é que ela derrete o plástico fundindo as partes coladas!) e a cola PVC (PVC glue) tão mencionada lá fora que nada mais é que a nossa cola branca (aquela da escola!) usada para a confecção de bases e cenários.

GREEN STUFF: Frequentemente ao montar a miniatura acabam ficando uns vãos entre o braço e corpo, entre uma perna e o corpo, enfim entre a miniatura e as partes em separado, para remediar esse problema é comum lançar mão de diversas massas para esculpir, entre as quais se destaca o Green Stuff da Games Workshop.
O Green Stuff é o nome comercial da substancia conhecida como Kneadite, que é re-embalada e vendida com o nome comercial dado pela GW, o diferencial do Green Stuff em relação as demais massas é que ela é mais plástica que as demais se prestando melhor não só para preencher os vãos entre as peças como para esculpir pequenos detalhes ou até mesmo peças inteiras.
Na falta de Green Stuff podemos usar as massas epóxi encontradas facilmente no Brasil, das quais destaco o Durepoxi (DUREPOXI) por ser o mais comum (porém ruim de trabalhar por ser mais “esfarelento” e granulado) e o Poxi Bonder da Loctite que é melhor que o primeiro por ser um pouco mais plástico.

*Atualização: Hoje a GW comercializa mais uma versão do GREEN STUFF, o LIQUID GREEN STUFF, ou seja, o Green Stuff original mas agora em forma liquida que pode ser aplicado com o pincél e atende melhor à função de preencher pequenas cavidades entre as peças das miniaturas.

Superada a etapa de montagem é chegado o momento de um dos campeões de perguntas aqui no fórum: O PRIMER

PRIMER: “Dar um primer” na miniatura nada mais é do que aplicar uma camada de tinta na miniatura antes de começar o processo de pintura. O termo utilizado vem do Inglês e que dizer em uma tradução livre “preparar” a miniatura para receber a tinta. O fundamento do primer é que algumas tintas não aderem tão bem ao metal ou ao plástico e essa camada inicial de tinta ajuda as camadas posteriores a aderirem na peça. Em tempo, o primer também influencia o resultado final da pintura, mas falarei disso daqui a pouco.
O que usar para o primer é outra pergunta recorrente, a maioria do pessoal do fórum usa tinta em spray encontrada em qualquer boa casa de produtos de pintura e (ou) materiais para construção, eu também já encontrei sprays de primer nacional (chamado primer mesmo e normalmente nas cores cinza e verde acinzentado) que também pode ser utilizado, eu particularmente tenho utilizado a muito tempo o da marca COLORGIN chamado DECORspray (ou Colorgin DECOR) que tem dado excelentes resultados.
Por fim há o tópico sobre qual cor usar, a grande maioria usa o primer preto ou branco (FOSCO… sempre use tinta FOSCA para o primer!) e essa escolha influencia diretamente o resultado final da pintura. se você esta pintando uma peça predominantemente metálica (como os necrons) ou deseja uma miniatura mais escura use o primer preto, agora se você está pintando uma peça com cores mais claras e vibrantes (vermelho e amarelo são bons exemplos) ou deseja um resultado final mais claro use o primer branco. Cumpre ressaltar aqui que você não está obrigado a usar tão somente preto e branco como primer, digamos que você está pintando um army de Dark Angels, nada impede que você use um primer já na cor verde escuro e depois pinte os detalhes com outras cores.
Importante observar que ao dar a camada de primer na miniatura você estará usando uma lata de tinta spray para pintar uma miniatura de alguns centímetros de altura, logo se você não observar a distancia mínima para aplicar o spray o resultado final será uma miniatura sem qualquer detalhe totalmente estragada pelo excesso de tinta a maioria das latas de spray diz que você deve aplicar a tinta a uma distancia de 25cm porém aplique a cerca de trinta ou quarenta cm para se assegurar. Muita gente sempre resolve aplicar mais de perto para economizar no primer (aplicando a cerca de 30 cm você precisará de diversas aplicações de tinta para obter um resultado uniforme!), porém a grande maioria se arrepende depois (experimente!).
Por fim a lembrança de que para o primer você sempre deve usar o spray FOSCO. A tinta não adere ao spray brilhante… Também não aconselho o uso de tintas automotivas (embora alguns usem) uma vez que é praticamente IMPOSSIVEL retirá-la depois se você resolve repintar a mini e esse tipo de tinta tende a apresentar os mesmos problemas das tintas brilhantes (não aderência de outras tintas além do obscurecimento de alguns detalhes).

Superada a questão do PRIMER vem a pintura das miniaturas em si existem diversas técnicas e formas de se pintar, é importante frisar aqui que nenhuma delas é certa ou errada e cabe a VOCÊ, através da pratica, escolher aquelas que mais se prestam ao que você deseja fazer, algumas das técnicas também são difíceis de dominar e somente com MUITA prática é possível obter resultados legais como alguns que vemos na internet (a menos que você seja uma espécie de Beethoven da pintura!).
A primeira coisa que devemos fazer é escolher os instrumentos que usaremos para trabalhar, notadamente PINCÉIS e TINTAS.

PINCÉIS: Ninguém pinta uma miniatura que fique “apresentável” usando aqueles pincéis que vem nos conjuntos de aquarela para crianças, ou aqueles pincéis que vem embutidos nos esmaltes de unha (eu já usei esses!) prepare-se para gastar um pouco com os seus pincéis!
Para a pintura das miniaturas é aconselhável que se adquiram ao menos três pincéis nos tamanhos “0”; “00” e “000”, a marca dos pincéis não é tão fundamental, mas se você que pincéis que durem e não deformem com facilidade é melhor comprar os de marcas renomadas como Tigre e Winsor & Newton (eu tenho usado os dessa ultima marca).

Prefira também os pincéis feitos de pelos naturais ao invés daqueles que tenham pelos sintéticos. Eles costumam se prestar melhor para pintura de miniaturas.

Para algumas técnicas (DRYBRUSH por exemplo) é aconselhável a compra de pincéis “descartáveis”, ou seja, pincéis mais baratos, uma vez que essas técnicas desgastam muito o pincel.
Para que os pincéis tenham longa vida útil são indispensáveis alguns cuidados com as cerdas, o primeiro eles é nunca mergulhar o pincel no pote de tinta e sim somente a ponta, a razão para isso é que a tinta tende a se acumular na base das cerdas e com o passar do tempo seu pincel ficara “empedrado”! Outra coisa fundamental é não deixar os pincéis mergulhados no copo de água com as cerdas para baixo uma vez que isso acabará destruindo as cerdas deixando o pobre pincel imprestável.

TINTAS: Assim como os pincéis preparare-se para gastar uma boa grana aqui também (ninguém disse que esse era um hobby barato!) já que ter uma boa variedade de tintas de boa qualidade é fundamental para os resultados que você vai ter.
Existem basicamente dois tipos de tinta: a óleo e a acrílica, embora existam pessoas que pintem miniaturas com tintas a óleo as acrílicas são muito melhores para os iniciantes, assim quando me referir a tinta nesse artigo estou falando sempre de tintas acrílicas OK?
Gosto de distinguir as tintas entre nacionais e importadas uma vez que as tintas nacionais têm menor quantidade de pigmento necessitando de mais camadas de tinta para que se obtenha um resultado uniforme na pintura.
Entre as tintas importadas temos inúmeras opções, porém a meu ver duas linhas se destacam: VALLEJO pela sua enorme gama de cores e a linha de tintas da GAMES WORKSHOP (GW) pela facilidade de ser encontrada, porém não se iluda, essas tintas são caras e você terá que importá-las ou achar quem o faça para você, porém se você dispõem dos meios (leia-se $$$$) aconselho usar somente essas tintas uma vez que o resultado final é infinitamente melhor que o das tintas nacionais.
Entre as tintas nacionais também temos certa variedade, porém, dentre as marcas que experimentei, as que tiveram melhores resultados foram as das marcas ACRILEX e CORFIX (linha DECORFIX). Essas tintas são prontamente encontradas em casas que vendam tintas e produtos para artesanato sendo possível também adquiri-las pela internet.
É aconselhável que se invista em tintas pensando no seu army, ou seja, compre aquelas tintas que você efetivamente vai usar (não acho que roxo tenha muito uso para um cara que vai fazer um army de Blood Angels certo?) além das chamadas cores básicas (Azul; Amarelo e Vermelho) através das quais podem se obter as demais cores por meio da mistura entre elas.
Há que se mencionar também a importância de se diluir a tinta antes da aplicação, 1:1 é o ideal (uma parte de água para uma parte de tinta), e que diversas camadas finas de tinta aplicadas sucessivamente produzem resultado infinitamente melhor que uma camada grossa de tinta (que também acaba encobrindo detalhes). A proporção de água para diluir a tinta pode aumentar ou diminuir dependendo do resultado que se deseja obter. Uma vez mais não existe certo ou errado, mas sim o que dá certo pra você!

Para finalizar essa parte acho interessante relembrar que a qualidade do trabalho depende muito dos instrumentos utilizados, por isso entendo que fazer economia na hora de adquirir pincéis e tintas acaba causando grande frustração depois quando não se obtêm o resultado desejado. Pense nisso antes de adquirir seu material de pintura.

Além da pintura propriamente dita existem algumas técnicas de pintura que enriquecem o trabalho final, todas essas técnicas são basicamente formas de se “enganar” os olhos e criar efeitos de sombra e luz na miniatura, entre as inúmeras técnicas existentes destacam-se as seguintes: DRYBRUSH (pincel seco); WASH (aguada) e os HIGHLIGHTS.

WASH ou Aguada: A primeira das técnicas busca criar a ilusão de sombras nas miniaturas através de um “banho” de tinta mais escura e mais diluída (a tinta deve estar quase translúcida para se fazer uma aguada).
As miniaturas são muito pequenas para que a luz produza nelas efeitos de luz e sombra como, por exemplo, em uma cortina, onde veremos que as dobras da cortina aparentam ser mais escuras que as partes altas, quando na realidade não o são.
Para emular esse efeito nas miniaturas utilizamos uma tinta mais diluída (mais aguada… daí o nome em português) em uma tonalidade mais escura. Ao aplicar essa tinta sobre a miniatura, o fato dela estar mais diluída fará com que ela escorra para as reentrâncias da peça depositando ali os pigmentos e criando a ilusão de sombra na peça.
Tente vislumbrar o seguinte exemplo: digamos que você pintou a capa de seu mago na cor azul (magos celestiais ficam bem de azul), se você observar verá que fica tudo azul, mesmo as reentrâncias da capa (como dissemos a mini é muito pequena para que a luminosidade natural crie nela efeitos de luz e sombras), para obter o efeito das sombras você poderia usar um wash de azul marinho. Diluindo a tinta o azul marinho de depositaria nas reentrâncias e voíla. Esta pronta a sua capa.
O único problema dos WASHES é que eles tendem escurecer um pouco a cor inicial (a maioria dos pigmentos se deposita nas reentrâncias, porém alguma coisa fica nas partes mais altas) sendo necessário algumas vezes retocar as partes mais altas com a cor original.
A Games Workshop produz uma linha de tintas chamadas INKS, que são mais fluidas e contém bastante pigmento, fantásticas para usar a técnica da aguada… Uma alternativa nacional são os nanquins encontrados em boas papelarias.
Ao usar nanquim é importante se assegurar que o mesmo não seja solúvel em água caso contrario quando você for pincelar novamente sobre ele (mesmo após seco) ele borrará (misturando cola branca ao nanquim aparentemente esse problema desaparece, porém não testei essa teoria).

*Atualização: A Games Workshop não produz mais sua linha de Inks embora ainda seja possivel encontrá-las com algum esforço através da internet. Essa linha foi substituída pela nova linha de Washes que se porta de maneira diferente das Inks originalmente mencionadas.

DRYBRUSH ou pincel seco: Assim como a técnica da aguada (wash) serve para criar a ilusão de uma área sombreada, a técnica do drybrush se presta para criar uma área iluminada na miniatura, ou seja, para delinear as áreas em que a luminosidade estaria atingindo a miniatura (assim como os highlights, porém como são técnicas um tanto diversas eu as abordarei em momentos distintos).
Muitos consideram o pincel seco uma técnica “porca” e que estaria caindo em desuso, essas opiniões tem fundamento no fato de que o drybrush pode ser mesmo considerado uma técnica mais “primitiva” para se criar o efeito de luz e pelo fato da técnica ser um pouco “messy” (bagunçada por falta de melhor tradução!).
Para se fazer o drybrush procede-se da seguinte maneira: após colocar a tinta no pincel você deve retirar o excesso de tinta passando o pincel sobre uma folha de papel toalha, guardanapo, ou pano até que não saia mais tinta no papel. Não precisa se preocupar porque ainda tem tinta no seu pincel!
Após retirar o excesso de tinta, aplique pinceladas rápidas sobre a superfície da miniatura… os pigmentos que continuam no pincel vão aderir sobre as partes mais altas deixando as reentrâncias mais escuras, porém o drybrush deve ser gradual, somente com diversas aplicações você alcança um resultado legal… Outra dica ao pincelar é imaginar um estrela de oito pontas (uma rosa dos ventos… ou pros chaos players por ai uma chaos star!) e pincelar no sentido das setas para cima e para baixo.
Se você fez do jeito certo vai ver que você fez o highlight não só onde queria, mas “sujou” um pouco a peça em locais onde não estava querendo a cor que pincelou. Daí o porque muita gente ache o drybrush pouco refinado ou em outras palavras uma técnica “porca”, mas remediar isso é fácil. Faça o drybrush antes e depois retoque com preto onde a tinta sujou!
Uma dica sobre a técnica é que para que ela produza resultados legais é importante que a tinta esteja grossa (densa) se a sua está um pouco aguada deixe-a secar um pouquinho em sua paleta antes de começar o pincel seco.
Cabe a lembrança de que o pincel seco é uma técnica que se presta melhor para a pintura de superfícies texturizadas como os mantos de pele dos space wolfs, ou a pele de alguns animais ou mesmo as escamas de dragões. Em peças com grandes superfícies lisas o drybrush não apresenta resultados tão bons embora possa ser utilizado sem maiores grilos!

WEATHERING: O drybrush também apresenta excelentes resultados para fazer o “WEATHERING” em diversos modelos (tanques por exemplo). Para quem não conhece o termo weathering quer dizer em uma tradução livre “envelhecer” a miniatura, é uma técnica para representar o uso daquele modelo, e o drybrush é a técnica ideal para representar lama seca e acumulada na barra de capas, botas e tanques. Para conseguir esse resultado bastam alguns drybrushes de marrom nas partes que ficariam mais expostas a sujeira nos modelos indo do marrom mais escuro até o mais claro.

OVERBRUSH: Outra técnica merecedora de menção neste artigo é a chamada “Overbrushing” que é bastante assemelhada ao drybrush.
Para realizar o overbrush você coloca a tinta no pincel e retira o excesso no papel como fez no drybrush, porém não precisa tirara toda a tinta como para o pincel seco, tire apenas o excesso, após passe o pincel lentamente sobre a superfície texturizada (ao contrário do drybrush onde temos pinceladas rápidas), como no drybrush você perceberá que a tinta vai aderir somente as partes mais altas.

HIGHLIGHTS: Como já disse alhures fazer um highlight na sua miniatura é simular a luz atingindo as partes mais altas da miniatura, ou melhor, onde a luminosidade incide criando a ilusão de uma tonalidade mais clara (“High” = Alto e “Light” = Luz).
O drybrush como já mencionado é uma das formas de se criar um highlight, porém, acredito que ele realmente produz melhor resultado em superfícies texturizadas, porém em superfícies lisas e planas (como as armaduras de space marines) existem outras formas de se representar a incidência de luz.
Edge highliting: a primeira das formas de se fazer highlights é o chamado edge highlight, que traduzindo seria algo como “iluminar as beiradas”, essa técnica consiste em aplicar uma fina linha de tonalidade mais clara nas bordas da área pintada, em um ultramarine (pra quem não conhece os ultramarines são space marines pintados de azul), por exemplo, aplicaríamos uma camada básica de azul (ultramarines blue usando as cores GW) e depois de finalizado aplicaríamos um azul mais claro (lightning blue usando as cores GW) nas bordas das ombreiras e nos ângulos das placas da armadura.
Cabe a lembrança de que o edge highlighting não representa de forma realista a incidência de luz na peça uma vez que não obedece a orientação de uma fonte de luz, porém é uma das formas mais básicas de se adicionar highlights a peça e torná-la mais interessante.
Outra dica que mercê ser mencionada é a seguinte: para facilitar o trabalho na hora de fazer o edge highlight utilize a lateral do pincel para pintura o que facilita bastante o processo. Você coloca a tinta no pincel normalmente porém na horta de pintar corra a lateral do pincel na beirada ao invés de pintar com a ponta do mesmo. É claro que essa dica se presta a pintar as beiradas salientes, ou melhor, os ângulos do modelo, como as beiradas de um tanque por exemplo.
Layering: O Layering é o segundo passo nas técnicas de highlight e como o nome indica (layering vem de layer que em inglês que dizer camada) consiste em sobrepor camadas de tinta sucessivas indo da tonalidade mais escura para a mais clara.
O segredo da técnica é deixar sempre uma beirada da camada inferior aparecendo o que dará a ilusão de gradação de cores.
Infelizmente o Layering é uma técnica que não sobrevive a um escrutínio mais próximo se prestando mais para pinturas “table top” (miniaturas pintadas com qualidade para jogo e não competições).

FEATHERING: Supra sumo do highlight, o feathering é uma espécie de Layering avançado, onde a aplicação sucessiva de cores é realizada utilizando-se a tinta bem mais diluída (na proporção de 4:1, água/tinta, ou mais) o que produz um resultado final onde não é possível perceber os limites entre as cores escuras e claras.
O Feathering produz os melhores resultados para representar a incidência de luminosidade nas miniaturas, porém essa é uma técnica avançada e de difícil domínio porém imprescindível (verdadeiro pré-requisito) para técnicas de pintura recente como NON METALIC METAL (NMM – consiste em pintar metal sem usar cores metálicas) e Sky-Earth NMM (outra variação de NMM que consiste em representar na miniatura metais bastante reflexivos – cromados por exemplo – sem utilizar tintas metálicas).

BLACK LINING: Outra técnica bem legal e que valoriza a peça pra caramba é a chamada Black Lining, que serve pra delimitar as áreas pintadas na miniatura.
A técnica consiste basicamente em se pintar uma linha preta fina na junção entre as partes da miniatura (entre a mão e a manga da camisa, ou entre o pescoço e a camisa, ou mesmo entre a calça e a bota, são bons exemplos de onde se aplicar a técnica).
Para pintar a linha preta (daí o Black Lining!) pode-se usar um pincel bem fino (o que demanda bom controle do pincel e firmeza nas mãos) ou uma caneta dessas usadas por arquitetos (uma muito boa que me foi indicada recentemente é a da marca Mícron – Valeu Mortis!).

BASES: Não adianta nada caprichar na pintura de uma super miniatura e colar ela em cima de uma base preto… Ou pior de uma base sem pintura! Para saber mais sobre bases clique AQUI.

Falando de bases acho interessante tecer comentários sobre algums produtos utilizados para enreiquecer as bases e valorizar a pintura final:

STATIC GRASS ou grama estática: É uma grama artificial comercializada não só pela Games Workshop como por outras grandes empresas de produtos de modelismo como a Woodland Scenics.
A grama estática da GW é vendida em uma só cor (que alguns modelistas acham “artificial”), porém existem diversas variedades no mercado em cores que simulam diversas estações do ano.
Para aplicar a grama estática basta aplicar cola onde vc que a grama e jogar um pouquinho da grama por cima.
Uma dica é fazê-lo próximo ou em cima da televisão (dentro de uma caixinha obviamente) porque a eletricidade estática do aparelho de TV faria a grama ficar mais levantada.

FLOCK: Material encontrado com mais facilidade no Brasil em lojas especializadas em modelismo (ferromodelismo e produtos de arquitetura), é uma espécie de serragem bem fina já tingida que pode ser utilizada para fazer bases em tempo recorde, basta pincelar cola branca na base mergulhar no potinho de flock e pronto.

CLUMP FOLIAGE: Outro material importado mas que produz resultados fantásticos para representar vegetação em bases (pode ser usado para fazer folhagem de árvores também) o clump foliage se assemelha a uma esponjinha que já vem tingido em diversos tons de verde, basta colar um pedacinho na base com cola branca mesmo para representar vegetação maior que a simples grama.
A melhor que conheço é a da Woodland Scenics (www.woodlandscenics.com).

VERNIZ: A menos que você tenha a disposição de sempre retocar os arranhões na suas miniaturas (porque acredite, se você joga com elas cedo ou tarde elas vão se arranhar em outra mini ou na mesa de jogo) é sempre recomendável que você envernize suas peças para dar maior durabilidade e proteger sua pintura.
No que tange ao verniz temos basicamente duas escolhas brilhante e fosco sendo que a absurda maioria tende a usar verniz fosco (convenhamos que nada brilha no mundo real sem uma boa dose de polimento!), existem diversas marcas no mercado porém aquela que sempre rendeu melhores resultados ao menos para mim foram os vernizes da marca ACRILEX de nome ACRILFIX.
Cumpre lembrar que o verniz também é em spray e deve ser aplicado observando-se a distancia regulamentar de pelo menos trinta centímetros (30 cm) da miniatura, outra dica é NUNCA aplicar o verniz quando o tempo estiver frio; nublado e (ou) chuvoso sob pena de arruinar todo o seu trabalho… Por algum motivo quando o tempo está de uma das maneiras mencionadas o verniz fica todo esbranquiçado e acaba estragando a peça (imagine que alguém BEEM gripado espirrou sobre a miniatura… esse é basicamente o resultado do verniz aplicado nas condições climáticas mencionadas!). Se você leu isso aqui e aplicou o verniz sem observar essas dicas só lhe resta chorar.

FLUIDO DE FREIO: Frequentemente aparecem por aqui também pessoas desesperadas querendo obter informações para basicamente consertar as asneiras que fez ao pintar sua miniatura… a pergunta de sempre é “Como faço para tirar tinta de uma miniatura já pintada?”.
Existem diversos produtos disponíveis no mercado para retirada de tinta, porém todos eles são abrasivos poderosos e devem ser manuseados com cuidado e de preferência com o uso de luvas. Lembre-se você está sendo avisado!
Pois bem, como mencionado existem diversos produtos para retirar-se tinta, conhecidos como abrasivos ou solventes, porém dada a natureza das miniaturas (algumas são feitas de plástico) um dos produtos mais utilizados por modelistas para tirar tinta de miniaturas já pintadas é o fluido de freio (independente de marca!).
Basta colocar o fluido em um vasilhame e colocar as miniaturas imersas no fluido, deixando-as lá por um ou dois dias, após esse período a tinta deve sair fácil com o auxilio de uma escova, porém algumas tintas aderem mais do que outras (lembram-se dos sprays automotivos?) demandando assim mais tempo de imersão no fluido.

*Atualização: Diversos colegas de hobby tem apontado alternativas ao Fluido de Freio para remoção de tinta de miniaturas. Uma delas é o produto Pinho Sol, comercializado como desinfetante.

Acho que isso cobre o básico no que tange a pintura de miniaturas e responde também as perguntas mais freqüentes que costumam aparecer por aqui.

A pintura de miniaturas e modelos, ou pintura de “bonequinhos” como alguns se referem a ela, é um hobby bastante gratificante, porém só produz resultados com a prática constante, pintando sempre e com certa regularidade seguramente suas técnicas irão melhorar e como conseqüência sua satisfação com o hobby.

Outra coisa legal é que o hobby se beneficia muito com a internet e existem diversos recursos a disposição do internauta/modelista que se dispõe a ler, perguntar e aprender.

Para saber mais aconselho o seguinte:

HOW TO PAINT CITADEL MINIATURES: Livro da GW que ensina, passo a passo, diversas das técnicas de pintura mencionadas neste artigo e possui alguns passo a passo específicos para diversos armies que a companhia produz.

Na web indico os seguintes sites:

PAINTING CLINIC:  Site bacana com diversos tutoriais acerca dos mais diversos temas.

COOL MINI OR NOT:  Site fundamental para qualquer hobbista que curta miniatures de qualidade (algumas nem tanto) e que tem diversos artigos interessantes.

WARHAMMER BRASIL: Site do fórum brasileiro que conta com parte dedicada exclusivamente a pintura de miniaturas e modelismo em geral.

SETTI:  contraparte portuguesa do fórum brasileiro.

Pra finalizar gostaria de lembrar que o hobby de jogos de estratégia tem como parte fundamental a pintura dos exércitos, se você não se dedica a pintura está perdendo parte importante do hobby… pelo menos não deixe suas miniaturas no metal frio… diversas pessoas oferecem serviços de pintura na web… é só procurar que elas estão por ai!

Abraços a todos e boa pintura!