Archive for December, 2011

Hello there.

If you’re a regular reader here at the “The Painting Frog” blog you might have noticed I’m talking a lot about tournaments specially the “Da Fork of Mork III. I understand that by doing so I’m running the risk of sounding tedious with a recurring topic, but I do so consciously as I believe there’s a lot to be gleaned from such an event, especially if you’re entertaining the idea of taking part in one sometime soon.

I happen to have a very particular approach to my wargames as I see each game I play as an unfolding narrative, a story being written as the game is played turn by turn. Playing like that, no matter the outcome of the game, I still have a good time in the end. Tournaments, by their own nature, have a completely different focus as the main objective there is competing against other players and winning. In fact I believe “Winning” should be the right mindset for anyone considering a participation in a tournament. What’s the point in doing so if you’re not going to try your best? And you’re only going to try your best if you have victory as a goal. In the end, winning or losing on a tournament depends on a lot of other factors but trying your best beforehand is a huge part of being successful.

Having said that, I’d like to demystify the process of building an army list and painting the models of a competitive army as I believe anyone can do so if one tries hard enough and studies a little while doing so. To do so I’ve emailed the winners of the “Best General”, “Overall Champion” and “Best Painted Army” (1st and 2nd places) awarded at “Da Fork of Mork III” and I now share their answers with you on this post and on the 2 follow up articles on the subject.

Our first interviewee is the winner of the “Best General” prize, Otávio “Tavitin”. Otávio is a recent addition to the Brazilian wargaming community (and a member of the “Tropas Polares” Club in Curitiba) who has been having a lot of success in his participations in tournaments (If I’m not mistaken this was his second victory since he started taking part in organized competitive gaming – And so far he has only taken part in two!) with his dreaded Dark Eldar. His focus lies undeniably on the tactical aspect of the game and I believe his results do show his dedication to this aspect of the game.

Without further ado the interview:

+++

The Painting Frog: First I’d like to congratulate you for winning the “Best General” prize at the Fork of Mork III tournament. What are your considerations about the event? Were there any negative aspects to it? What could be improved in future editions? What would you like to see in a 4th FoM?

Otávio “Tavitin”: Thank you. The tournament was very interesting, I’ve met new people and different players from what I’m used to. I also found the gaming tables wonderful and, if I could, I’d play on the tables presented at the 3rd FoM every Saturday! The negative aspect of the event, which reflects my personal preference, was having the artistic part of the hobby and competitivity together in a single event. I am a competitive gamer and that drives me towards the strategic aspect of the hobby in opposition to painting and converting miniatures. I am, and will always be, leaning towards having tournaments which focus on strategy and competitivity and others which focus on the artistic part of the hobby. I love converting models (or help people to do them), and would definitely take part on an artistic tournament with a miniature (or a squad of them) purely converted. In order to be improved I believe the Fork of Mork needs more participants.

The Painting Frog: You’ve won the 3rd FoM tournament in Sao Paulo after winning the “Torneio Polar” in Curitiba earlier this year. In both occasions you have used the Dark Eldar army. Do you believe that in order to win at 40K tournaments a player must use the most recently published codex? Or do you find possible to win at tournaments no matter the army being used?

Otávio “Tavitin”: In order to win at tournaments your Codex won’t matter (much). What matters is how strong your will to win is. I trained a lot with the people from my club, Tropas Polares, to whom I’m deeply thankful (and also to whom I dedicate this victory in Sao Paulo as they have not only introduced me to the hobby but also accepted me as a brother). Any new releases will take players off-balance all over the world thus creating the illusion that a recently released Codex is stronger than all those that came before it. Take the Imperial Guard as an example, still one of the strongest codexes out there (in my opinion) after 3 or 4 codexes were released after it!

 

The Painting Frog: How do you approach building an army list for a tournament? What determines the inclusion of a given unit over another? Are your lists tested prior to the tournament?

Otávio “Tavitin”: First I look at the points cap for the tournament and if it’s lower than 1500 points count me out of it. I also look at the missions taking notice if any of them subverts the rules in the Big Red Book (the rulebook), taking in consideration these changes and treating them as limits, for example the mission in FoM III where the army’s general was worth double victory points, my general only cost 50 points (a Haemonculus with no upgrades). I’ll then make a list with what I was able to create thinking about the missions.

After having an initial army I’ll take the list to the gaming tables against a variety of armies (always using the tournament’s missions and the time limit): Daemons of Chaos, Space Wolves, Grey Knights and Orks are my most frequent adversaries, and I make mental notes about the performance of each unit and the list itself, which can lead to drastic changes on it or even the abortion of the original idea (bringing me back to Army Builder to try again).

Is it fun to attend an event to fraternize, meet new people and recognize the work of the organizers? Definately! But for the player who wants to win there’s study and preparation to be done. Always trying to give your best and mainly being humble with all your adversaries while training as it’s them who will point out to you the mistakes you make and the weak links in your units.

 

The Painting Frog: In your opinion what was the difference from your army, in comparison with the ones from other players, that might have contributed for your victory?

Otávio “Tavitin”: Shooting, shooting and more shooting. A lot of shooting, too much shooting and then some. My army didn’t have any point sinks (over spending points in any given unit) and enough vehicles to increase what I call “AV Pressure”. Let’s look at it in parts:

SHOOTING – After a long time I realized the shooting mechanic is more reliable than the assault one in the 5th edition of 40K. That led me to bet all my chips and build my list focusing on the shooting phase with a little help from the movement phase and a brief moment on the assault phase (I believe I only made 3 or 4 assaults in the entire tournament).
POINT SINKS – The more you spend on a single unit or vehicle the less targets you’ll be able to threat during the course of the game and you’ll depend on luck a lot more than is desirable
AV PRESSURE – The more vehicles you put on the table, the more pressure you’ll put onto your adversary because as you start to destroy his anti-tank weaponry he’ll have to ignore a percentage of your weapons mounted on armor.

 

The Painting Frog: The list you have used at the 3rd FoM sports a number of duplicated units (Unit SPAM). What’s the reason behind using duplicated units in such a way? What do you think about the penalties applied to lists such as yours in tournaments (namely in Europe) with the adoption of army composition points?

Otávio “Tavitin”: Because it’s easier to come up with army lists that way. Honestly, when I came up with my lists I try to find purpose for each unit. I could easily modify the list I used at the FoM with completely different units that would be used in the very same way or very similar ones. The important thing in the end is not the spam of identical units but having units in the list which have the same “mission” and the same “capabilities” (because that’s how you’ll create duality in your army). For obvious reasons having identical units fulfills both criteria but it’s perfectly possible to meet those criteria (army composition points) with different units, perhaps not as well as you would with identical units but it’s definitely possible.

The Painting Frog: What’s your opinion about the importance of painting an army in order to accrue points and compete in the “Overall Champion” category in events such as the 3rd FoM?

Otávio “Tavitin”: I’m a general not an artist.

 

The Painting Frog: Finally what are your tips for other players that wish to become 40k tournament champions? What are your future plans for your Kabal of Dark Eldar? Any tournaments you look forward to attending?

Otávio “Tavitin”: My advice:
– Balance your Anti-tank firepower in vehicles and infantry.
– Balance your Anti-infantry firepower in vehicles and infantry.
– Don’t have any Point Sinks!!!!! (Try to create an army with units costing, at most, 150 points each, not counting their dedicated transport).
– Use reserves only if you can manipulate the dice result somehow
– Shooting is the way to win games and championships, everything else you do are mere tools which help your main phase: Shooting Phase.
– Never play with a defeatist spirit.

The future of my Dark Eldar now lies in winning more and more tournaments. I want to be number 1 and I’m not ashamed to admit that. I’m thinking about exchanging some shots with the “Gauchos” (people from the state of Rio Grande do Sul in Brazil) in January 2012 and if all goes according to plan I’ll be in the CGW’s Summer Tournament. And I won’t be alone as, as usual, my “aguardente” (sugar cane liquor) will be alongside me!

“The emperor inebriates!”

 

 
+++

 

I guess that’s all for now folks. Do come back for the second in this series of articles in which we interview the 2nd place in the “Best Painted Army” category.

See you soon.

 
+++

 
Salve Leitor.

Se você anda acompanhando o blog deve ter percebido que ando escrevendo uma série de matérias dedicadas a torneios, em especial ao Da Fork of Mork III.

Sei que corro o risco de cansar vocês com a super-exploração do assunto, mas corro esse risco voluntariamente no intuito de esmiuçar ao máximo as particularidades de um torneio e de nossa participação como jogadores neles justamente no intuito de fornecer a você Leitor que anda considerando participar de um torneio subsídios para fazê-lo com sucesso.

Devo admitir que tenho uma forma muito particular de encarar minhas partidas de jogos de estratégia já que vejo cada uma delas como uma narrativa em movimento, uma estória sendo escrita a cada turno. Com isso acabo extraindo grande satisfação de cada partida, não importando se ao final sai como vencedor ou perdedor. Torneios, pela sua própria natureza, têm um foco diferente já que o objetivo principal ali é competir, seja na pintura, seja no comando de seu exército, e assim o foco ali é ganhar. Assim cada participante deve, em minha humilde opinião, engajar-se e expender esforços no sentido de obter somente um resultado: A vitória. Ganhar ou perder em um torneio depende de vários fatores, mas acredito que cada jogador deve aportar ali com a certeza de ter produzido seu melhor, seja na concepção e execução artística do exército ou na escolha de unidades que compõe uma lista devastadora.

Dessa maneira eu gostaria de tentar desmistificar um pouco os processos por trás da construção e pintura de um army competitivo. Para tanto realizei uma pequena entrevista com os vencedores dos prêmios de “Melhor General”, “Campeão Geral” e “Melhor Army Pintado” (1º e 2º lugares) e divido com você leitor as respostas no post de hoje e nos dois posts seguintes com a continuação deste artigo.

Nosso primeiro entrevistado é o ganhador do prêmio de “Melhor General”, Otávio “Tavitin”. O Otávio é um jogador recente, membro do clube Tropas Polares de Curitiba, e tem obtido grande sucesso capitaneando um exército de Dark Eldar em torneios. Seu foco no hobby inegavelmente reside no aspecto tático dos wargames e penso que seus recentes resultados mostram seu acúmen nessa faceta do jogo.

Segue a entrevista:

 
+++

 
The Painting Frog: Em primeiro lugar parabéns por sua colocação como “Melhor General” no torneio Fork of Mork III. Quais são suas considerações acerca do evento? Houve aspectos negativos? O que poderia ser melhorado em edições futuras? O que você gostaria de ver num FoM IV?

Otávio “Tavitin”: Agradeço os parabéns. O torneio foi muito interessante, conheci pessoas novas e jogadores diferentes do que estou acostumado. As mesas eu achei maravilhosas! Por mim eu jogava nas mesas montadas no FOM-III todo sábado! O aspecto negativo, que na verdade é mais preferência pessoal, é a comunhão de Hobyismo com Competitividade. Eu sou um jogador Competitivo, o que acaba me levando mais pro aspecto estratégico do hobby do que pro aspecto de pintura e acabamento dos modelos e conversões. Eu sou e sempre serei a favor de campeonatos puramente competitivos e campeonatos puramente artísticos. Eu adoro fazer conversões (ou ajudar a fazer conversões), e com certeza participaria de um torneio artístico com um modelo (ou um esquadrão de modelos) puramente convertidos. Para ser melhorado, o Fork of Mork precisará de mais participantes.

The Painting Frog: Você venceu o FoM em São Paulo após ter vencido o Torneio Polar em Curitiba realizado anteriormente neste ano. Em ambas as ocasiões você usou o exército dos Dark Eldar. Você acredita que para vencer em torneios de Warhammer 40.000 é necessário usar os mais recentes exércitos lançados? Ou você acredita ser possível vencer não importando qual exército se utilize?

Otávio “Tavitin”: Para ganhar um evento não interessa (muito) o seu Codex, interessa a sua vontade de vencer. Eu treinei muito com o pessoal do meu Clube, a quem agradeço profundamente, minha vitória em SP é dedicada ao Pessoal do Tropas Polares que não só me introduziram no hobby como também me aceitaram como um irmão. Qualquer coisa nova acaba baqueando os jogadores no mundo inteiro, e criando a ilusão que um Codex recém lançado é mais forte que todos os anteriores. Veja o Imperial Guard, por exemplo, de longe o Codex mais forte (na minha opinião) e teve pelo menos 3 ou 4 Codexes que foram lançados depois do mesmo!

The Painting Frog: Qual a sua forma de abordar a confecção de uma lista para torneios? O que determina a inclusão ou não de determinada unidade? Suas listas são testadas antes do torneio em si?

Otávio “Tavitin”: Primeiro eu vejo a pontuação, menos que 1500 pontos estou fora. Vejo as missões propostas e se alguma delas possui alguma mecânica que contraria o Big Red Book (livro de regras), levo em consideração essas alterações diretas no manual e as trato como limites, por exemplo, a missão do General que valia o dobro de Victory Points do FOM-III, o meu general custava apenas 50 pontos (um Haemonculus sem nenhum upgrade). Depois eu faço uma lista com aquilo que eu conseguir criar pensando nas missões propostas.
Depois de ter um Army inicial, levo a lista para mesas de jogos contra exércitos variados (sempre usando as missões do próprio torneio e o tempo limite): Daemons of Chaos, Space Wolves, Grey Knights, Orks são meus oponentes mais freqüentes, e faço anotações mentais no desempenho de cada unidade e no resultado final da lista, que pode levar a drásticas mudanças ou até mesmo aborto completo da idéia inicial (fazendo-me voltar ao Army Builder piratiado e tentar outra vez!).
É legal participar de um evento para confraternizar, conhecer pessoas novas e prestigiar a organização do mesmo? Com certeza! Mas para o jogador que quer ganhar, há todo um estudo e preparação. Sempre tentando dar o melhor de si e PRINCIPALMENTE ser humilde com qualquer oponente nesta fase de treino, pois é seu oponente que vai apontar as principais falhas das suas jogadas e das suas unidades.

The Painting Frog: Em sua opinião qual foi o diferencial do seu exército em relação aos demais que possa ter contribuído para sua vitória?

Otávio “Tavitin”: Tiro, tiro e mais tiro. Muito tiro, tiro demais e mais um pouco de tiro. Meu exército não possuia nenhuma Point Sink (gasto excessivo de pontos em determinada unidade) e Veículos suficientes para aumentar o que eu chamo de “AV Pressure”. Vamos por partes:
Tiros – Depois de muito tempo eu reparei que a mecânica de Tiro é mais confiável que a mecânica de Assalto na quinta edição do 40k. Isso fez com que eu apostasse minhas fichas e construisse minha lista inteiramente em volta da Shooting Phase, com auxilio da Movement Phase e um breve momento na Assault Phase (acho que eu realizei uns 3 ou 4 assaltos no campeonato inteiro)
Point Sinks – Quanto mais você gasta em uma única unidade ou veiculo, menos alvos você consegue ameaçar no decorrer do jogo e fica mais dependente da sorte do que o desejado.
Av Pressure – Quanto mais veículos você colocar na mesa, mais sob-pressão seu oponente vai ficar, pois assim que você começar a destruir as armas Anti-Tank dele, ele terá que ignorar uma porcentagem das suas armas montadas em Armadura.

The Painting Frog: A lista apresentada no FoM possui diversas unidades duplicadas (Unit SPAM). Qual o motivo de empregar unidades repetidas dessa maneira? O que você pensa acerca da penalização de listas como essa em alguns torneios (principalmente na Europa) com a adoção dos pontos de composição de lista (unit composition points)?

Otávio “Tavitin”: Porque é mais fácil montar exércitos desta maneira. Sinceramente quando eu monto minhas listas eu procuro propósito pra cada unidade. Eu poderia facilmente modificar a lista usada no FOM-III com unidades completamente diferentes, mas que iriam ser usadas de forma idêntica ou parecida, o importante no final da lista não é Spam de unidades iguais, mas sim ter unidades que possuam a mesma ‘missão’ e mesma ‘capabilidade'(porque assim você cria Dualidade no seu exército), é claro que unidades IDENTICAS conseguem atender ambos critérios, mas é perfeitamente possível atender estes critérios com unidades diferentes, talvez não tão bem quanto unidades iguais, mas é possível.

The Painting Frog: Qual sua opinião acerca da importância da pintura de um army para fins de pontuação na premiação da categoria “Campeão Geral” adotada no FoM?

Otávio “Tavitin”: Eu sou um General e não um artista.

The Painting Frog: Por fim quais são suas dicas para outros jogadores que almejam sagrar-se campeões em torneios de 40K? Quais são os planos futuros para seus Dark Eldar? Algum torneio em vista?

Otávio “Tavitin”: Minhas dicas:
– Equilibre seu Anti-tank em veiculos e infantaria
– Equilibre seu Anti-infantry em veiculos e infantaria
– Não tenha Point Sinks!!!!! (tente criar um exército com unidades de no máximo 150 pontos cada, sem contar o veiculo dedicado)
– Use reservas somente se possuir manipulação no dado
– Tiro é a forma de ganhar jogos e campeonatos, todo o resto que você faz são apenas ferramentas que auxiliam a sua fase principal: Shooting Phase
– Nunca jogue com o espirito derrotado.

O futuro dos meus Dark Eldar agora estão em ganhar mais e mais campeonatos, quero ser o numero 1 e não me envergonho de dizer isso. Estou pensando em ir trocar tiro com os Gaúchos em janeiro de 2012, se tudo ocorrer conforme o planejado estarei no Torneio de Verão do CGW. E não estarei sozinho, como sempre minha aguardente vai me acompanhar!

“O Emperador Embriaga”
+++
E acho que é isso por hoje pessoal. Em breve a entrevista com o 2º colocado na categoria “Melhor Army Pintado”.

Até logo.
+++

 

 

Hello there.

Today’s post doen’t have an english version as I felt it would be of limited interest to my english readers out there. As I mentioned on an earlier post we’ve had the 3rd edition of the Fork of Mork tournament last december. In order to share some insights about what it takes to put such an event together I’ve put together a few questions for two of the organizers and now I share their responses with the local wargaming community.

There’s a lot more content coming soon so bear with me.

If you’d like to see a version of this interview in english drop me a line in the comments and if there’s enough interest I’ll come up with a translated version of it as well. In the meantime you could check the 4th episode of the RELOAD vlog which focuses on the Fork of Mork.

See you soon.

 

+++

 

Salve Leitor.

Devo admitir que acabei ficando bem curioso para saber mais sobre o desenrolar do Fork of Mork III (já que não consegui comparecer pessoalmente dessa vez assim como não pude participar ativamente de sua organização) e pra satisfazer essa curiosidade elaborei algumas perguntas sobre o encontro com intuito de entrevistar a dois dos organizadores dessa edição: O veterano Silvio Martins e o “Youngblood” André Streem.

Acho que a minha curiosidade deve ser compartilhada por outros tantos wargamers brasileiros que, como eu, ambicionam um dia realizar um encontro na localidade onde moram (mais sobre isso em breve) ou que gostariam de participar de um torneio como o Fork of Mork, mas, não fazem idéia de por onde, ou como, começar a se preparar para fazê-lo.

Sem mais delongas segue a entrevista com as respostas dos dois organizadores:

 

+++

 

The Painting frog: Em primeiro lugar gostaria de parabenizá-lo, e aos demais membros da organização, pela realização do 3º Fork of Mork. O consenso entre os participantes e na comunidade é de que o torneio realizado em novembro passado foi uma vez mais um retumbante sucesso. Quais são suas considerações sobre o evento?

SILVIO: O FoM começou como um evento fechado, apenas para convidados, parece um passado distante, mas foi pouco mais de 3 anos, de lá para cá ele foi se transformando e hoje é um evento consolidado dentro da comunidade de jogadores brasileiros. O FoM deste ano foi o menor em número de participantes devido a uma programação e datas que inviabilizaram a presença de outros jogadores, mas mantivemos a qualidade oferecida, coisa que não abro mão nos eventos que organizo. Tive também a felicidade de ter como co-organizadores um grupo muito comprometido com o hobby e que na verdade foi a verdadeira força motriz por trás desta edição do FoM.

A idéia, que eu acredito estarmos no caminho certo, é de criar um evento para wargamers, independente de sistemas jogados e que eles tenham um fim de semana dedicado e comprometido com o hobby. Os primeiros passos estão sendo dados e buscamos sempre melhorar a cada ano.

Hoje temos inúmeros dias de jogos, encontro de clubes e todos estes com grande ou pequena periodicidade, a idéia é que o FoM seja um encontro de todos estes grupos para celebrarmos nosso hobby, encontrarmos e jogarmos com gente diferente e trazer sempre sangue novo para o grupo.

ANDRÉ: Apesar de não termos atingido o volume de participantes esperado, estamos bem satisfeitos com o FoM III. Recebemos uma nova leva de jogadores e foi o primeiro torneio de muitos dos participantes. O FoM vem cada vez mais se consolidando como um evento diferente, seguindo os propósitos pelo qual foi idealizado: promover a diversão e ser um grande encontro de amigos. Fiquei muito satisfeito de ver belos exércitos pintados, e mais satisfeito ainda de ver todo mundo se divertindo nas partidas. Só nos dá mais empolgação pra continuar batalhando pra fazer eventos assim para a comunidade.

The Painting frog: A despeito do sucesso do torneio são notórios os percalços enfrentados por qualquer um que queira realizar um evento semelhante. Quais foram as dificuldades encontradas por vocês da equipe de organização para realização do torneio? O que deve ter em mente o organizador de eventos e torneios e quais as dicas para quem se dispuser a organizar algo parecido?

SILVIO: A primeira e maior dificuldade é com a mentalidade do jogador brasileiro, e depois é a busca por um local que agrade e que seja dentro do orçamento. A dificuldade em explicar a um leigo o que é este “jogo” é tão difícil quanto explicar a idéia por trás do FoM, que é de agregar e trazer mais próximos grupos diferentes.

É preciso ser político e ter a verdadeira vontade de reunir o pessoal, conversar de igual para igual com outros organizadores de clubes e associações etc.

Um evento não deve ter em foco ou como meta o lucro financeiro. O que deve ser medido e alcançado é pessoas, novas, antigas, não importa. Se eu monto um evento onde consigo trazer gente nova ou da antiga para jogar eu já me sinto feliz e com o sentimento de dever cumprido.

O fator financeiro também é uma questão importante e também os arranjos e acordos para o evento acontecer. Ter em mente que se gasta e há a possibilidade de prejuízo deve ser sempre lembrada. E organizar, passo a passo, todas as etapas pré e pós evento.

ANDRÉ: Primeiramente, o espaço. Principalmente numa cidade como São Paulo, em que distância e localização são fatores que podem determinar o sucesso ou fracasso total de um evento. Com o espaço do Mie Kaikan temos uma boa localização, de fácil acesso, próximo ao metrô. Depois, regramento. Encontrar missões justas e criar os cenários de forma que não prejudiquem ninguém é sempre um desafio. E por fim, a preparação das mesas, que leva muito tempo quando não se tem um banco de peças de cenário grande. É sempre bom planejar, delimitar prazos, e nunca tentar fazer tudo sozinho. Trabalho em equipe e divisão de tarefas é essencial para o sucesso do evento. Marcar painting days pra agilizar e produzir em linha é sempre uma boa ajuda. E principalmente, um organizador tem que saber que NUNCA vai conseguir agradar a todos. Reclamações sempre surgirão, seja de alguma peça de cenário, algum detalhe da missão, data… não dá pra satisfazer a todos. Tente sempre buscar o que a maioria quer, mas não se limite somente a isso.

The Painting frog: Muitos comentários de participantes e da comunidade têm elogiado as mesas e cenários apresentados no evento. Você poderia destacar algo sobre o processo de criação das mesmas? Os cenários foram confeccionados de forma a criarem conjuntos temáticos? Quais são suas dicas para alguém que queira confeccionar sua própria mesa para jogar wargames?

SILVIO: Um dos pontos fortes do FoM é sua equipe. Apesar de não ser a mesma todo ano, temos um grupo que gosta do hobby e abraçou a idéia de confraternizar e competir com amigos. No FoM discutimos idéias, ajudamos um ao outro e no final temos o resultado a olhos vistos. Neste ano foi uma coisa interessante. Tivemos uma mesa com temática Eldar desenvolvida por um dos organizadores e que teve ajuda de outros membros da equipe, eu mesmo montei alguns cenários usando kits da GW e que só vi finalizado e muito bem pintado no dia do evento.

A atividade não se limita aos dias do evento, temos emails discutindo isso desde o inicio do ano, e já estamos discutindo o próximo de 2012!

ANDRÉ: Mesas temáticas são sempre um must a qualquer torneio. Analisamos bastante as mesas de torneios gringos e vimos que a maioria não tinha um tema comum, muitas vezes era um catadão de cenários quaisquer. Definimos temas e dividimos entre os envolvidos. É sempre bacana ter mesas que saltam aos olhos, portanto, se for da vontade da equipe, vale gastar tempo e dinheiro preparando as mesas.

The Painting frog: Comparando os exércitos apresentados no FoM III com aqueles apresentados em outras edições do evento tivemos um notável crescimento no número de exércitos pintados. Salvo engano todos os exércitos participantes estavam pintados. A que você credita essa evolução? Houve bonificação em pontos de campeonato para a participação com exércitos pintados? Qual o seu entendimento acerca da obrigatoriedade da pintura do exército em alguns torneios no exterior? Em sua opinião podemos esperar algo nesse sentido por aqui?

SILVIO: Esta evolução se deu naturalmente, é fácil de entender como isso ocorre. Num evento você quer trazer suas cores, sua bandeira e mostrar o melhor de si. Nada traduz melhor isso do que um army pintado. No inicio era uma obrigação, mas depois que deixei isso de lado nas regras do evento começaram a aparecer armies pintados, convertidos etc.

O evento também não se prende a apenas jogos, temos sempre uma mesa destinada a pintura ,conversões e bate papo onde sempre passamos o que aprendemos a novatos, trocamos experiências etc.

Sobre bonificar armies pintados não mudamos praticamente nada em relação ao conjunto de regras que usamos, existe uma bonificação para entrega de listas, armies pintados, etc. como em qualquer campeonato da GW, por exemplo, mas com algumas regras da casa.

Espero nas próximas edições incentivar de algum modo ainda mais os armies pintados, minis convertidas e uso livre de minis de empresa X ou Y desde que componham um belo exército. Mas não vou obrigar alguém a pintar seu army, quero que o jogador sinta esta necessidade e que ouça o “chamado da tinta” rs*

O ponto mais importante do FoM é o envolvimento dos jogadores e a integração entre eles, obrigar qualquer coisa acaba sendo uma coisa negativa.

Nada mais estimulante do que ver as fotos dos armies pintados e querer sentar na bancada e pintar o seu!

ANDRÉ: A comunidade vem crescendo e com isso cada vez mais gente interessada em seguir o hobby, e não apenas o jogo. Fora isso, iniciativas online como o Desafio Motivacional e concursos de pintura são um ótimo incentivo pra galera deixar a preguiça e arranjar uns minutos pra pintar suas peças. Sou totalmente a favor da exigência de exércitos pintados em torneios, e temos planos de implementar tais medidas no FOM. Afinal de contas, não somos só jogadores, somos hobbystas. Os que não gostam de pintar, pagam para alguem pintar. Mas é uma forma de incentivar a pintura e de agradar aqueles que se esforçam em pintar suas peças, pois enfrentarão outras peças pintadas, e não somente a cor tediosa do plástico ou metal.

The Painting frog: Os exércitos premiados como “Melhor Exército Pintado” nesta edição realmente chamam a atenção pela qualidade na execução da pintura. Quais são os critérios adotados na avaliação desse quesito? Quais são as dicas da organização para os jogadores que desejem competir, e vencer, nessa categoria?

SILVIO: Usamos os critérios desenvolvidos e que são usados pela GW em seu guia de torneios e eventos. Temos ainda um grupo pequeno de artistas/jogadores e ainda considero muito pequena a participação ativa dos jogadores. As dicas são simples, pinte com o coração, lembre-se dos itens levados em conta pelos juízes (isso pode ser informado e conseguido na internet se, problemas) e pratique, nada melhor do que pintar sempre para um dia chegar a um nível artístico digno do que vemos lá fora.

ANDRÉ: Os critérios estão disponíveis no manual do FoM III. Vão desde pintura básica a técnicas avançadas, bases, conversões, e elementos extras, como display bases, marcadores de wreck, etc. Planejar bem a pintura, fugir do básico e se empenhar em aplicar técnicas novas são alguns ingredientes para ter pontuação boa. Investir em conversões e bases bem feitas são o essencial para se destacar. E praticar, sempre praticar muito, refina sua pintura e te dá chances de concorrer ao pódio. Temos muitos pintores bons no Brasil e é certamente um desafio grande a ser encarado.

The Painting frog: No que diz respeito ao prêmio de “Melhor General” quão acirrada foi a competição nesse ano? O campeão do torneio venceu com um exército de Dark Eldar. Na sua opinião é necessário investir sempre no mais recente exército lançado para sagrar-se um campeão? Quais as dicas para os jogadores que ambicionam disputar esse prêmio?

SILVIO: Não acredito que o último exército lançado vá receber o prêmio de Melhor General. O que o pessoal ainda não tem muita prática é de participar de um evento onde o exército que ele luta não vai ter a mesma performance que tem no seu grupo de jogo. E qualquer “surpresa” pode acontecer.

Por exemplo, se eu tenho um exército que jogo com amigos e enfrento apenas exércitos de combate a longa distância eu vou, com o tempo, montando uma lista para jogar contra este tipo de exército e estratégia. Num evento onde buscamos trazer gente de diferentes locais, com estilos distintos de se jogar, sempre vamos ter uma boa surpresa ou uma ruim…

A dica é montar um exército balanceado em que você saiba como ele joga, e aí adaptar suas jogadas de acordo com o inimigo a ser enfrentado.

ANDRÉ: Tradicionalmente a GW tem essa tendência de sempre fazer codex novos melhores do que os antigos, o que dá um certo distanciamento das regras de um exército para o outro. Certamente usar listas extremamente competitivas de exércitos mais novos é um caminho para sagrar-se vencedor, mas praticar, entender bem todas as regras e dominar suas fraquezas é essencial. Qualquer general campeão deve saber dobrar o inimigo perante qualquer situação, e principalmente, mudar sua estratégia rapidamente perante qualquer adversidade encontrada. Explodiram seu Land Raider? Bola pra frente, não se desespere. Mataram seu HQ? Acontece. De um jeito de compensar tal perda.

The Painting frog: O FoM tem por tradição premiar, além do “Melhor General” e “Melhor Exército Pintado”, o “Campeão Geral” e o jogador mais cordial (Fairplayer). Dessa maneira o FoM cobre todos os aspectos do hobby certo? Você poderia tecer alguns comentários sobre esses prêmios? Alguma dica para futuros jogadores se destacarem nesses aspectos?

SILVIO: Acho que o FoM ainda não cobre 100% dos aspectos do hobby, nossa meta é ampliar os jogos (trazer mesas de diferentes companias, como Warmachine, Flames of War, etc.) e ampliar o escopo do hobby. Mas isso são passos para um futuro próximo, hoje acredito sim que estamos conseguindo valorizar os principais aspectos do nosso hobby, de acordo com a realidade brasileira.

Os prêmios são um incentivo. Pensamos em premiar com produto, minis, etc. mas decidimos que um troféu tem um valor mais emocional que uma caixa com minis e então investimos nisso (o troféu) e deixamos os produtos para sorteios e uma festa entre os participantes. Este ano além dos troféus sorteamos alguns mimos para os que participaram (adesivos, garrafas e chaveiros vindos da sede da GW de Nottingham)

O que espero e a dica que posso deixar aos jogadores é que eles se tornem ativos e participantes dos eventos, é com eles que isso tende a crescer.

Lembrar que o FoM é um momento de reunião e de convívio, onde competimos de um modo saudável é essencial. Acredito que premiamos sempre os melhores hobbystas e o que é um bom hobbysta? Aquele que joga, pinta monta, participa e entende que o jogo serve como um catalisador de pessoas com algo em comum que é a paixão por estes universos fantásticos.

ANDRÉ: Os melhores generais são premiados para incentivar os que gostam de jogar, sejam power players ou não. Muitas pessoas se dão bem em campeonatos com listas fluffwise. Melhores exércitos pintados é um incentivo para os hobbystas demonstrarem suas habilidades e se motivarem a terminar um exército. Campeão Geral é um prêmio para destacar aquele jogador que se saiu muito bem nas duas facetas do jogo, pintando bem e tendo bom desempenho no pano verde. E por fim, o fairplayer é escolhido pelos jogadores para eleger aquele que jogou mais limpo e mais cordialmente. Dominar bem as regras, evitar bater de frente em discussões, acolher decisões dos juízes, evitar lances duvidosos, agir sempre com boa fé, manter coerência em sua pintura, investir tempo na pintura, evitar listas anti-fluff e competitividade exagerada são boas dicas para se sair bem em todas as categorias.

The Painting frog: Existem planos para um 4º Fork of Mork? Se sim, que novidades podemos esperar para o próximo evento?

SILVIO: Sim, os planos existem e já estão em andamento, e sem frescuras aqui de dizer ou não o que vai ser. (rs).

Planejamos um evento para o meio do ano, ainda sem data definida, e com a ampliação das mesas e do que é oferecido nos 2 dias de jogatina. Temos planos para ter mais torneios e mesas de demonstração e uma área maior para pintura e troca de bits.

Além disso, estamos já com uma parceria que ira fazer o evento mais interessante, (mas esta informação eu ainda devo manter nos bastidores).

ANDRÉ: O FoM IV está em discussão. Por enquanto não vamos revelar nada, mas a galera pode se animar que o FoM IV vai ser bombástico. Muitas novidades serão implementadas que ficaram de fora do FoM III e certamente iremos tentar atrair mais jogadores.

 

+++
E é isso pessoal. Espero que vocês também tenhama chado interessante saber um pouco mais do que vai na cabeça de dois dos organizadores do FoM e com isso entenda melhor como é pensado um torneio feito por  esses caras. Publico em breve mais algumas entrevistas por aqui que acho que vão ajudar muito quem está se programando pra participar de um torneio em 2012.

Abraço e até breve.

+++

 

 

Salve Leitor.

 

Eu costumo bater bastante por aqui na tecla dos torneios e frequentemente comento acerca dos torneios e, ou, eventos que tive a oportunidade de participar, mas isso tem um por que. Eu acredito piamente que a melhor coisa que qualquer wargamer pode fazer em prol de seu hobby, e de sua apreciação do mesmo, é programar-se e comprometer-se com a idéia de participar de ao menos um torneio.

 

Essa crença nasce de minhas experiências pessoais ao longo dos anos participando de torneios e encontros de jogadores em diversas cidades brasileiras. Em todas as vezes que me propus participar de um torneio, e me comprometi com essa idéia, eu sai desses eventos com a chama do hobby revigorada e acredito que qualquer cara que compartilhe comigo esse hobby vai sentir o mesmo. Primeiro por que acho que é encorajador poder encontrar, conversar, trocar idéias e jogar contra pessoas que compartilham do seu interesse nos jogos de estratégia (sem contar que é bom perceber que não se está sozinho nesse hobby que frequentemente é visto com estranheza por outras pessoas). Outro motivo é que o ambiente competitivo dos torneios, e a conseqüente preparação que isso demanda, bem como a possibilidade de enfrentar novos exércitos e táticas diferentes daquelas empregadas por adversários habituais serve como fonte de inspiração pra que cada um nós tente o seu melhor nos diversos aspectos do hobby.

 

É por isso então que vira e mexe eu continuo a compartilhar com vocês leitores minhas experiências e impressões acerca dos torneios realizados no Brasil, sempre com o intuito de incentivar os colegas de hobby a participarem de torneios. É justamente essa intenção que nos trás ao motivo do post de hoje.

 

Aconteceu em São Paulo nos dias 19 e 20 de novembro de 2011 a 3ª edição do Fork of Mork, evento aclamado uma vez mais pelos participantes e pela comunidade brasileira como um grande sucesso. O nome não deve soar estranho se você acompanha o blog há algum tempo e isso se deve ao fato de eu ter participado das duas edições anteriores do evento, bem como do evento “irmão” do FoM o Spoon of Gork (ou só SoG).

 

 

Como você deve saber a comunidade brasileira devotada aos jogos de estratégia está dispersa por todo o país e assim nem sempre é fácil encontrar outras pessoas com quem compartilhar o hobby. Dessa maneira o Fork of Mork nasceu em 2007 no vácuo deixado pelos antigos TVs e TIs (Torneios de Verão e Inverno respectivamente – organizados no Rio de Janeiro pelo Johnny e pelo Fabrício com a ajuda do pessoal do Warhammer Brasil) como fruto da vontade de um grupo de amigos em se reunir para jogar juntos o Warhammer 40.000. A primeira edição aconteceu no salão de festas do Silvio e desde então em cada encarnação subseqüente o evento continuou a crescer, sem deixar de lado o espírito de confraternização entre os adeptos do hobby não importando em qual área do mesmo esteja seu foco.

 

O que nos trás de novo ao FoM III. Realizado uma vez mais no Mie Kaikan (é o segundo realizado lá), pertinho do metrô da Vila Mariana o que facilita e muito o acesso de interessados e participantes, a 3ª edição do evento acabou tendo por foco uma vez mais o Warhammer 40.000, apesar do projeto inicial do evento prever um torneio de Warhammer Fantasy concomitante ao de 40K este, em virtude da pouca adesão da parcela da comunidade devotada a esse jogo, infelizmente acabou sendo cancelado.

 

Muito embora tenham sido oferecidas 28 vagas o torneio de 40K contou tão somente com 10 inscritos que puderam ao longo de dois dias e cinco rodadas disputar o troféu de “Melhor General” que acabou conquistado pelo Otávio “Tavitin” e seus Dark Eldar (que repetiu a performance do torneio individual no “Torneio Polar” realizado pelo clube Tropas Polares de Curitiba) tendo o segundo e terceiro lugares ficado com o Fernando “Rossi” e seus Ultramarines e o Fábio “Sephyr” e seus Chaos Space Marines respectivamente.

 

Um ponto recorrente nos comentários acerca do torneio, entre participantes e comunidade, tem sido os elogios tecidos à organização no tocante à beleza das mesas, e dos cenários que as compunham, nas quais o torneio foi disputado. Além das cinco mesas do torneio o evento contou ainda com mesas extras para jogos amistosos bem como uma área de pintura com todos os equipamentos à disposição de participantes e visitantes dispostos a pintar ali mesmo suas miniaturas e trocar experiências nesse sentido.

 

 

 

 

 

 

 

 

A meu ver outro aspecto dessa edição que merece destaque foi a qualidade dos exércitos apresentados, não só no que diz respeito à composição das listas, mas principalmente em razão da maioria deles, senão a totalidade, estar pintado o que contribui, penso eu, para tornar o torneio ainda mais aprazível para participantes e visitantes.

 

A competição nesse quesito foi também bastante acirrada com o prêmio de “Melhor Army Pintado” indo para o Cristiano “Normal” com seus Space Marines e o segundo e terceiro lugares sendo conquistados pelo Marcus “Arminor” e seus Black Templars e pelo Fábio “Sephyr” e seus Chaos Space Marines respectivamente.

 

Foram premiados ainda o “Campeão Geral”, prêmio conquistado pelo Cristiano “Normal”, e o “Jogados mais Esportivo”, conquistado pelo Carlos “Laprega”. Além dos oito troféus foram sorteados ainda diversos brindes para os participantes.

 

 

 

 

 

 

 

No fim das contas resto convencido que o Fork of Mork cumpriu uma vez mais o seu papel, mantendo inalterado seu espírito, ao promover a confraternização não só entre os adeptos do Warhammer 40.000, mas também de todos aqueles que em maior ou menor grau apreciam o hobby de jogar, pintar e colecionar miniaturas.

 

Ficam registrados aqui meus parabéns a toda a equipe da organização: Enéas, Fábio, Rossi, Silvio, Sócrates e Streem (extensivos ainda ao Antônio Jorge e ao Tocha) que não economizaram esforços e esmero no planejamento e execução do evento entregando para a comunidade um encontro memorável. Que venha o 4º Fork of Mork.

 

 

Para mais fotos e informações sobre o 3º Fork of Mork não deixe de conferir a bela cobertura fotográfica feita pelo Gabriel “Topa” no Da Fork of Mork III e o 4º edpisódio do Videolog produzido pelo André “Streem” o “RELOAD” (reproduzido abaixo para sua conveniência).

 

 

Grande abraço e até a próxima.

 

+++