Archive for January, 2012

Hello there.

After all my posts here urging you fellow hobbyist and reader to attend tournaments it’s only fair I put my money where my mouth is and follow my own advice thus I’m all packed up and ready to attend the Clube Gaucho de Wargames‘ (CGW’s) 1st Summer Tournament which will be held in Porto Alegre/RS – Brazil over the course of next weekend (on the 28th and 29th of January).

You might remember I have attended CGW’s 1st Winter Tournament, also held in Porto Alegre back in July 2011 where I had a great time and managed to bring home the “Best General” and “Best Painted Army” prizes. There’s no need to say how much I look forward to attending another of their events specially after following closelly all the effort put into this one by Monty and the other guys from the club.

So expect more tournament news soon as I share the experience with you guys here on the blog.

Over and out.

+++

Salve Leitor.

Depois de tanto propagandear por aqui como participar de torneios engrandece a apreciação do hobby e instar vocês Leitores a empreender esforços no sentido de fazê-lo, nada mais justo que eu dê o exemplo e siga meus próprios conselhos. Para isso estou de malas prontas para participar do primeiro Torneio de Verão do Clube Gaúcho de Wargames a ser realizado em Porto Alegre no próximo final de semana (nos dias 28 e 29 de janeiro).

Alguns de vocês podem se lembrar que tive a oportunidade de prestigiar em julho do ano passado o Torneio de Inverno do CGW onde não só me diverti bastante e disputei partidas bastante divertidas, mas também onde tive a felicidade de ganhar os prêmios de “Melhor General” e “Melhor Army Pintado”. Não preciso nem dizer o quão empolgado estou em participar uma vez mais de um evento do CGW, especialmente após acompanhar ao longo dos últimos meses todo o trabalho do Monty e dos demais membros do clube para entregar um evento redondinho, se não melhor, pelo menos no mesmo nível do “Torneio de Inverno”.

Podem aguardar em breve um relato de mais esse evento.

Um abraço e até breve.

 

 

Hello there.

I bring you today the third, and final, interview with the winners of the “Da Fork of Mork III” Tournament.

If you’re a regular here you’ll probably already know this, but for the sake of any newcomers I shall repeat myself. I’m from Brazil and this country is huge. It should come as no surprise that our gaming community is spread all across our continental country hence most of us only know each other through the internet, either by chatting over at MSN or through exchanging messages at the Brazilian web forum.

Our interviewee today is one such guy. I’ve known Cristiano “Normal” for a while now, we first met over the internet but since then I’ve had the privilege of meeting him in person when he attended an earlier edition of the Fork of Mork (or was it a Spoon of Gork?) bringing alongside him his incredibly painted Orks. I was in awe of his models and not only remember bugging him about what colors he had used on his Ork’s flesh but also havea been following, with enthusiasm, his exploits in the wargaming world. Here’s some examples of his early work:

 

 

 

If we lived in The Matrix back then, I would have said Normal was one of the “potentials”. Has he become “The One” yet? I won’t know for sure but he surely has been taking large steps towards that. It came as no surprise to me when I was told he had won the 1st place prize for “Best Painted Army” and “Overal Champion” to boot.

Again I’ll let you, the reader, be the judge of how accurate his conquests were judging from the following photos taken from his army:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Incredible right? I know. I was flabbergasted as well when he first started churning out his Space Marines. Well I’ll let the man speak for himself now. Here are his answers to our questions:

 
+++

 
The Painting Frog: First of all I’d like to congratulate you not only for winning one of the “Best Painted Army” prizes awarded at the Fork of Mork III tournament but also the “Overall Champion” prize. What are your considerations about the event? Were there any negative aspects to it? What could be improved in future editions of it? What would you like to see in a 4th FoM?

Cristiano “Normal”: Thanks! The event was really nice, the place is great, broad and with easy access from the subway, the gaming tables were fantastic, which gives an extra flavor when we play on them. The choices for the missions were very good too, giving a good variety for the games since every match had a different objective; I think this is much better than just hacking and slashing. I don´t remember anything negative from the event, except maybe the low number of attendants that was fewer than I expected. I don´t know if anything could be done about this, everybody has their own agendas, maybe not all can attend a 2 days event. In a FoM IV I expect to meet new people and meeting the others that are always there.

The Painting Frog: You’ve won the first prize at the “Best Painted Army” category awarded at the 3rd FoM with a Space Marine army. Could you comments on the reasons why you chose this army and about the assembly and painting process you adopted with it?

Cristiano “Normal”: The Marines were one of my first choices when I started with the hobby, perhaps because of the starter set (Battle for Macragge), along with the Tyranids. But I fell in love with the Orks and for about 2 years I dedicated myself only to them. At the beginning of 2011 a motivational challenge was started at the Warhammer Brasil forum and I decided to assemble them, and at the same time take a break from the Orks, since assembling and painting a horde can be quite exhaustive. I began choosing a color that I like (blue) at the same it is easier than painting reds or yellows. The first thoughts were to build an Ultramarines army, but in the end of 2010 I decided to create my own chapter, and after a lot of research on the web I decided to build them directly associated with the Adeptus Mechanicus. Despite the “official” colour for them being red, I kept the blue simply because I like it, but to separate them from the Ultramarines, I chose a tone of grey for the shoulder pads, weapons and vehicles. After this, I just fitted these colours in the “fluff” that I´m still writing. It was also my opportunity for more serious “scratchbuilding” and developing my skills with freehands.

The Painting Frog: The paintjob displayed on your army is really eye catching, especially on the tabletop. The weathering techniques used on them are really incredible. What are your tips for players aiming to achieve a similar result? What is your advice for the player who’s never able to finish painting his army?

Cristiano “Normal”: One must practice, a lot, and be not ashamed on consulting other people or references, like someone else´s miniatures, tutorials or books; you can learn a lot from them, even the ones focused only on the basics. If you compare my first Rhino with my last Predator, you will notice that the weathering is different. At first it was only drybrushes, now is something much more elaborate (but still with some drybrush). You can practice on pieces of plasticard or sprues, or go straight for the model. I go for the 2nd option, I like the challenge of risking something different straight on the model; the tension and care to avoid mistakes help me refine the technique. Even so mishaps happen, but nothing a basic retouch can´t fix. The best tip I can give to someone paint an army, is that you must have patience, eventually you´ll finish hehe. And assume the task, of course. Whoever chooses to paint an Ork army will have more work than one that goes for Marines or Eldar.

The Painting Frog: In your opinion what was the differing feature from your army when compared to the others at the event that might have contributed for your position in the ‘best Painted Army” category?
Cristiano “Normal”: I believe it could be the extra attention I give to details, like highlights. I paint everything I see, and almost always I paint before assembling to make the work easier with some parts. If I did this only in a few models, the details are evident if you look closer, but having done in all of them, the overall effect is more beautiful and evident.

The Painting Frog: How do you approach building an army list for a tournament? What determines the inclusion of a given unit over another? What about painting an unit/army? When participating on a tournament such as the FoM III which rewards excellence in different aspects of the hobby, do you focus in a single one of them, in your case the painting?
Cristiano “Normal”: This is where it becomes catchy for me, since I have little experience with the game itself, but I try to fill a little of each role that can be useful in the match, like long range weapons, infantry for close combat and contest objectives, etc. But I think I have much to learn yet, I need to play more! As for painting, it is always better to paint a whole unit before the next, and have a good planning with color schemes for infantry and vehicles, to keep things more uniform. Unless the focus in the army is a large variety of colors between units. In the specific case of FoM III, my greater focus really was the painting, since I know I´m not the most experienced player (I rarely play), I did my best to get the most points I could with the painting.

The Painting Frog: What’s your opinion about the importance of painting an army in order to accrue points and compete in the “Overall Champion” category in events such as the 3rd FoM?

Cristiano “Normal”: It´s essencial! See my case, with the points from painting, I jumped from a 4th place as general to first overall! This was also an advice you (Estevao from The Painting Frog) gave me at the 2nd FoM in 2009, and if I recall you were also overall champion like this.

The Painting Frog: Finally what are your tips for other players that wish to become more proficient in painting and want to win painting prizes at tournaments? What are your future plans for your Space Marines? Any tournaments you look forward to attending?

Cristiano “Normal”: Paint you army with this goal in mind, and not only to have a whole painted army. Is like entering a contest, you seek to give your best. My next step with my Marines will be to add a few other units to make the list more competitive, at the same time expanding the army to Apocalypse with some super-heavy vehicles and titans, and also the complete 2nd company. I intend to dedicate the next year (2012) for this, and also for my Orks! But no other tournaments in sight for now, just waiting for the next FoM!

 

+++

 
And with that we wrap up our series of articles about Da Fork of Mork III. I hope not only to have instilled in you the desire to participate in organized competitive gaming but also to have contributed that you do so with information which might contribute, not only for your victories on the tournament field, but also to your overall enjoyment of the hobby

See you around soon.

 
+++

 
Salve Leitor.

Pra finalizar a sequencia de artigos sobre o “Da Fork of Mork III” trago hoje a última das entrevistas realizadas com alguns dos vencedores do torneio.

Posso começar falando que se tivesse rolado um bolão sobre os resultados do FoM III eu teria acertado pelo menos 3 deles. Assim como cantei a bola de que o Tavitin levaria o prêmio de “Melhor General” eu também apostei no Cristiano pra levar “Melhor Army Pintado” e “Campeão Geral”. Bola de cristal em casa? Não, acho que foi mesmo conhecimento de causa.

Assim como sabia que o Otávio vinha mandando muito bem jogando com os Dark Eldar (ainda mais levando em conta o desempenho do cara no Torneio Polar onde ele esbugalhou seus competidores) eu, e o restante da galera do Warhammer Brasil, pudemos acompanhar a construção do exército de Space Marines do Cristiano “Normal” ao longo de 2011 e, a menos que alguém surpreendesse aparecendo com um army nunca antes visto, era claro pra mim que esse prêmio seria dele.

Pra quem ainda não o conhece o Cristiano “Normal” já é um dos veteranos da comunidade e desde que ele apareceu com seus Orks numa edição anterior do FoM (ou seria um SoG?) venho acompanhando o fantástico trabalho do cara. As fotos que abrem este artigo mostram justamente esse trabalho anterior.

Se o cara já se esmerava na pintura dos Orks (e nas conversões já que a buzzsaw do kopta que ilustra o artigo não é nada menos que incrível) o que dizer desse army de Space Marines? Executado com maestria o army é impecável e mostra um dos “weatherings” (envelhecimento) mais fantásticos que já vi executados em um exército brasileiro. Pra não ficar soando como um fã babão do trabalho do cara deixo uma vez mais que as fotos que ilustram o artigo ilustrem meu entusiasmo.

Assim, sem mais enrolação, as respostas do Normal as nossas perguntas:

 
+++

 
The Painting Frog: Em primeiro lugar parabéns por sua colocação na categoria “Melhor Exército Pintado” no torneio Fork of Mork III. Quais são suas considerações acerca do evento? Houveram aspectos negativos? O que poderia ser melhorado em edições futuras? O que você gostaria de ver num FoM IV?

Cristiano “Normal”: Obrigado! O evento foi muito bom, o lugar é ótimo (o mesmo do FoM II), é amplo e de muito fácil acesso, e as mesas estavam fantásticas, o que dá um gostinho a mais na hora de jogar. A escolha e preparação das missões foram muito boas também, o que deu uma boa variedade nos jogos, já que cada partida tinha um objetivo diferente; eu particularmente acho isso muito melhor do que o mata-mata tradicional. Não me recordo de nada que tenha afetado negativamente o evento, exceto talvez o número de participantes, que foi menor do que eu esperava. Não sei o que poderia ser feito pra incentivar mais gente a ir jogar, cada um tem suas ocupações e talvez nem todos possam se dedicar à um evento de dois dias. No FoM IV espero ver mais gente nova e voltar a encontrar o pessoal de sempre!

The Painting Frog: Você venceu na categoria “melhor Exército Pintado” no FoM III com um exército de Space Marines. Você poderia tecer alguns comentários acerca da escolha desse exército e do processo de pintura e confecção do mesmo?

Cristiano “Normal”: Os Marines foram uma das minhas escolhas iniciais quando comecei no hobby, talvez pela facilidade da caixa básica (Battle for Macragge), juntamente com os Tyranids. Mas acabei me apaixonando pelos Orks e por uns 2 anos me dediquei só a eles, praticamente. No ínício de 2011 houve a abertura dos tópicos do Desafio Motivacional no fórum Warhammer Brasil e decidi começar a montá-los, ao mesmo tempo que tirava um descanso dos Orks, já que montar e pintar uma horda pode ser um tanto enjoativo. Comecei escolhendo uma cor que eu gosto, azul no caso, ao mesmo tempo que é mais fácil de pintar do que um vermelho ou amarelo por exemplo. A idéia original era fazer Ultramarines, mas no fim de 2010 decidi criar um Capítulo, e depois de pesquisar bastante na net, decidi fazê-los diretamente ligados ao Adeptus Mechanicus. Apesar da cor oficial do Mechanicus ser o vermelho, mantive o azul simplesmente por gosto pessoal, e pra não ficar igual demais aos Ultramarines, escolhi um tom de cinza para as ombreiras, que depois também seria usado nas armas dos marines, assim como nos veículos. Depois dei um jeito de encaixar essas cores no “Fluff” que ainda estou bolando. Foi a minha oportunidade também de começar a praticar “scratchbuilding” e desenvolver pinturas à mão livre (os “freehands”).

The Painting Frog: A pintura do exército realmente chama a atenção na mesa de jogo. Em especial as técnicas de envelhecimento (weathering) empregadas. Quais são suas dicas para quem busca um resultado semelhante? Quais são as dicas para o jogador que não consegue terminar de pintar seu army?

Cristiano “Normal”: Tem que praticar, bastante, e não ter receio de consultar outras pessoas ou referências, como fotos de outras miniaturas, tutoriais ou livros específicos; dá pra aprender bastante com eles, mesmo os que se concentram mais no básico. Quem fizer alguma comparação entre o meu primeiro Rhino e o último Predator, verá que o weathering é diferente. Inicialmente era apenas “drybrush”, agora é algo bem mais elaborado (mas ainda há etapas de “drybrush” hehe). Você pode praticar em pedaços de plasticard ou de sprue, ou ir direto para o modelo. Eu uso a segunda opção, gosto do desafio de arriscar fazer algo diferente diretamente na miniatura; a tensão e o cuidado para não errar muito, me ajudam a refinar a técnica. Mesmo assim erros acontecem e fazem parte; nada que uma repintada básica no local não resolva. A melhor dica que acho que posso dar pra quem tem dificuldade em terminar de pintar um exército é ter paciência, eventualmente você vai acabar hehe. E assumir a tarefa, claro. Quem decide pintar um exército de Orks vai ter bem mais trabalho do que quem vai de Marines ou Eldar, por exemplo.

The Painting Frog: Em sua opinião qual foi o diferencial do seu exército em relação aos demais que possa ter contribuído para sua vitória?

Cristiano “Normal”: Acredito que tenha sido a atenção extra que dei aos detalhes e ao acabamento, como os “highlights”. Eu pinto tudo o que eu enxergo, e geralmente pinto antes de montar algumas partes, pra facilitar o trabalho. Se fosse só uma miniatura ou outra os detalhes só ficam evidentes olhando mais de perto, mas fazendo em todas, dá um visual geral mais bonito e evidente.

The Painting Frog: Qual a sua forma de abordar a confecção de uma lista para torneios? O que determina a inclusão ou não de determinada unidade? E no que diz respeito à pintura de uma unidade/exército? Ao participar de um torneio como o FoM III que premia a excelência em diversos aspectos do hobby você se foca em tão somente um deles, no caso a pintura?

Cristiano “Normal”: Essa parte é a que me pega, já que tenho pouca prática com o jogo em si, mas no geral eu procuro atender um pouco de cada função que pode ser útil no jogo, como armas de longo alcance, infantaria para bater no corpo a corpo e pegar objetivos, etc. Mas ainda acho que tenho muito a aprender nesse aspecto, preciso jogar mais haha. Quanto à pintura é melhor sempre pintar a unidade toda de uma vez, e ter um planejamento prévio com esquema de cores tanto para infantaria quanto para os veículos, assim fica tudo mais uniforme. A não ser é claro que o foco do exército que está sendo pintado seja a variedade de cores entre diferentes unidades. No caso específico do FoM III, meu foco maior realmente foi a pintura, já que sabendo que não sou exatamente um jogador experiente (raramente jogo), fiz o meu melhor para conseguir o máximo de pontos que pudesse com a pintura.

The Painting Frog: Qual sua opinião acerca da importância da pintura de um army para fins de pontuação na premiação da categoria “Campeão Geral” adotada no FoM?

Cristiano “Normal”: É fundamental! Veja o meu caso mesmo, que com os pontos de pintura, pulei de quarto lugar como general para o primeiro lugar na pontuação geral! Isso inclusive foi um conselho seu (Estevão) dado no FoM II em 2009 e se bem me lembro você também foi campeão geral de uma maneira parecida.

The Painting Frog: Por fim quais são suas dicas para outros jogadores que almejam ficar em primeiro lugar na categoria de pintura do exército? Quais são os planos futuros para seus Space Marines? Algum torneio em vista?

Cristiano “Normal”: Pintar o exército com esse objetivo em mente, não apenas para ter um exército todo pintado. É como participar de um concurso, você procura dar o seu melhor. Meu próximo passo com os Marines é montar e pintar algumas unidades para tentar deixar a lista mais competitiva, mas ao mesmo tempo com a intenção de expandir o exército pra Apocalypse com alguns super-heavy vehicles e titans, assim como a 2a companhia completa. Pretendo dedicar o próximo ano para isso, também para os meus Orks! Mas sem torneios em vista por enquanto, apenas aguardando o próximo FoM!

Grande abraço!

 
+++

 
E acho que era isso. Concluímos aqui a série de artigos focada no Da Fork of Mork III, esperando não só ter feito justiça ao trabalho dos organizadores, mas principalmente ter fornecido à você Leitor e colega de hobby subsídios para decidir, ou não, participar de um torneio e, em caso positivo, informações que o ajudem a se preparar para fazê-lo.

Até a próxima e um grande abraço.

 
+++

Hello there.

Today I bring you the second installment of our series of interviews with the winners of the “Da Fork of Mork III” tournament held in São Paulo, Brazil, in November 2011.

Hailing from Minas Gerais this was the first tournament (if I’m not mistaken) attended by Marcus “Arminor”, where he took home the prize for 2nd “Best Painted Army” of the event. Having painted a lot of Black Templars for a friend recently I can appreciate how much he invested into painting this beautifully painted crusade.

I’ll let the photographs speak for themselves:

 

 

 

 

 
Here are his answers to our questions:

 

+++

 
The Painting Frog: First of all I’d like to congratulate you for winning one of the “Best Painted Army” prizes awarded at the Fork of Mork III tournament. What are your considerations about the event? Were there any negative aspects to it? What could be improved in future editions of it? What would you like to see in a 4th FoM?

Marcus “Arminor”: I’d like to start by thanking the organizers of the event because they’ve given their blood in order to make the 3rd FoM a reality. This has been my first 40K tournament outside my hometown and it surpassed my expectations with great localization, pleasant and spacious environment and with gaming tables worthy of photos like those we see on GW’s website. I also have no complaints about the organization as everything went according to plan and I had a good time. I don’t believe there were any negative aspects but I hope that we have more players with painted armies on the 4th FoM. Anyone who missed this year did so at their own loss!!!

The Painting Frog: You’ve won the 2nd place prize for the aforementioned category with a Space Marine Army, Black Templars specifically. Could you make some comments about the reasons why you chose this army and about the assembly and painting process you adopted with it?

Marcus “Arminor”: Honestly I was surprised with my placement as I never imagined a “black army” would stand out amongst the “colored” ones which are more eye-catching. I’ve chosen the Black Templars because of their codex rules and the focus in close quarter combat but I have plans for another Space Marine army (Imperial Fists). Before I started painting I tried to convert and add variety to all miniatures. It took me three months to work on the army as I have little spare time so, sometimes, I invested all my weekend to speed up the process. I also researched a lot about colors and details so I could spice up the black base color and in the end I really liked the final result.

The Painting Frog: The paintjob of your army is really eye catching, especially on the tabletop. One thing I’d like to point out is the uniformity between the different units which are part of the army and the way you painted the templar cross in many of them. What are your tips for players aiming to achieve a similar result?

Marcus “Arminor”: My advice would be to do extensive research on the internet. The Warhammer Brasil forum has helped me a lot with tips on how to use the paintbrush, which paints to buy (I use Citadel and Vallejo), how to dilute the paint, etc. About the symbols I had to paint some of them (with a lot of practice) and for the decals I had to cut them really close to the symbol in order to make them sit properly on the uneven surfaces.

The Painting Frog: In your opinion what was the differing feature from your army when compared to the others at the event that might have contributed for your position in the ‘best Painted Army” category?

Marcus “Arminor”: I tried to follow what was dictated by the 3rd FoM’s manual when it came to points. As I didn’t have enough time to detail every single miniature I tried to cover the basic points in every one of them, finishing the basic level of scoring points, and then started working on the parts which set the army apart.

The Painting Frog: How do you approach building an army list for a tournament? What determines the inclusion of a given unit over another? When participating on a tournament such as the FoM III which rewards excellence in different aspects of the hobby, do you focus in a single one of them, in your case the painting?

Marcus “Arminor”: I research lists on internet forums to base mine on, but I believe that a well balanced list for tournaments should be tested against a variety of armies to present a good notion of what to use and what to leave out. I believe my list was well balanced to achieve 3rd or even 2nd place as “Best General” but I’ve made many tactical mistakes forgetting the objectives, perhaps given being nervous and emotional for attending a tournament, but also given the gaming level of the other participants. I should add that, overall, my hobby focus lies on gaming over painting.

The Painting Frog: What’s your opinion about the importance of painting an army in order to accrue points and compete in the “Overall Champion” category in events such as the 3rd FoM?

Marcus “Arminor”: Some play, others paint, and others game, paint and invest in this hobby. The return you get in satisfaction from it is really good and thus deserving of the “Overall Champion” title.

The Painting Frog: Finally what are your tips for other players that wish to become more proficient in painting and want to win painting prizes at tournaments? What are your future plans for your Black Templar crusade? Any tournaments you look forward to attending?

Marcus “Arminor”: My advice for other players is dedication, training and liking what you do. The future of my Black Templars is uncertain as we might get a new codex next year (2012) so, for now, I’ll wrap up the painting of my army e game against my friend. As for tournaments I’d like to attend: FoM IV!

 

+++

 
And that’s all for today. Next in line is our interview with the winner of 1st place “Best Painted Army” and “Overall Champion” prizes.

See you soon.

 
+++

 
Salve Leitor.

Conforme prometido trago hoje a segunda entrevista da sequência realizada com alguns dos jogadores brasileiros premiados na 3ª edição do Fork of Mork.

Nossa entrevista de hoje é com o Marcus “Arminor”. Oriundo das Minas Gerais, mais especificamente Belo Horizonte o pólo mineiro do Warhammer 40K, esse foi o primeiro torneio em que ele participou e já levou pra casa um dos prêmios de “Melhor Army Pintado” com seus Black Templars.

Sem muita rasgação de seda deixo as fotografias do army que ilustram o artigo apresentado falarem por si mesmas:

Também sem delongas a entrevista:

 
+++

 
The Painting Frog: Em primeiro lugar parabéns por sua colocação na categoria “Melhor Exército Pintado” no torneio Fork of Mork III. Quais são suas considerações acerca do evento? Houve aspectos negativos? O que poderia ser melhorado em edições futuras? O que você gostaria de ver num FoM IV?

Marcus “Arminor”: Primeiramente parabéns aos organizadores do evento pois deram o sangue para que o FoM III  fosse realizado.Este foi meu primeiro torneio de Warhammer 40k fora de minha cidade e superou minhas expectativas, ótima localização, ambiente agradável, espaçoso com mesas dignas de fotos que se vê no site da Games-Workshop. Quanto a organização nada a reclamar, tudo foi feito conforme estava previsto, no mas foi tudo de bom. Acho que não teve aspectos negativos, mas espero que no FoM IV aumente o numero de jogadores com todos os exércitos pintados. Quem não foi esse ano perdeu!!!

The Painting Frog: Você ficou em 2º lugar na categoria “melhor Exército Pintado” no FoM em São Paulo com um exército de Space Marines. Black Templars especificamente.  Você poderia tecer alguns comentários acerca da escolha desse exército e do processo de pintura e confecção do mesmo?

Marcus “Arminor”: Bom, sinceramente fiquei surpreso com minha colocação, pois nunca imaginei que um exército “preto” poderia se destacar entrou os “coloridos” que chamam mais atenção. Escolhi os Black Templars pelo Codex devido ao combate corpo a corpo, mas tenho planos para outro exercito de Space Marines (Imperial Fist). Antes de pintar tentei  converter e variar todas as miniaturas. Foram três meses de trabalho devido ao meu tempo curto e às vezes investia todo meu final de semana para acelerar o processo.  Pesquisei muito sobre cores e detalhes para destacar o “base color” de preto e no final gostei do resultado.

The Painting Frog: A pintura do exército realmente chama a atenção na mesa de jogo. Em especial a uniformidade entre as diferentes unidades que compõe o exército e a execução do símbolo templário em diversas delas. Quais são suas dicas para quem busca um resultado semelhante?

Marcus “Arminor”: Minha dica é pesquisar muito na internet. O fórum Warhammer Brasil me ajudou bastante sobre dicas de como usar o pincel, qual tinta comprar (eu uso as da citadel e vallejo), como diluir a tinta, etc. Dos símbolos alguns tive que pintar (com muita pratica) e os decal tive que cortar bem rente ao símbolo para adequar bem à superfície que não era plaina.

The Painting Frog: Em sua opinião qual foi o diferencial do seu exército em relação aos demais que possa ter contribuído para sua colocação?

Marcus “Arminor”: Tentei seguir o que dizia no manual do FoM III com relação aos pontos. Como não tinha muito tempo para detalhar cada miniatura resolvi investir geral em todas aplicando menos detalhes para concluir o básico na pontuação e depois passei para as partes que destacavam o army.

The Painting Frog: Qual a sua forma de abordar a confecção de uma lista para torneios? O que determina a inclusão ou não de determinada unidade? Ao participar de um torneio como o FoM III que premia a excelência em diversos aspectos do hobby você se foca em tão somente um deles, no caso a pintura?

Marcus “Arminor”: Pesquiso listas em fóruns para basear a minha, mas, acho que uma lista bem equilibrada para torneios deve ser testada contra vários exércitos para ter uma noção de que usar ou descartar. Acho que minha lista estava equilibrada talvez para conseguir um 3º ou 2º lugar, mas errei muito na estratégia esquecendo o foco do objetivo talvez pelo nervosismo e emoção de estar no torneio e também pelo nível de jogo dos participantes, mas em geral meu foco é mais no jogo do que na pintura.

The Painting Frog: Qual sua opinião acerca da importância da pintura de um army para fins de pontuação na premiação da categoria “Campeão Geral” adotada no FoM?

Marcus “Arminor”: Alguns jogam, outros pintam, outros jogam, pintam e investem nesse hobby. O retorno da satisfação que você tem é muito bom por isso merece o titulo de campeão geral.

The Painting Frog: Por fim quais são suas dicas para outros jogadores que almejam ficar em primeiro lugar na categoria de pintura do exército? Quais são os planos futuros para seus Black templars? Algum torneio em vista?

Marcus “Arminor”: Minha dica para outros jogadores é dedicação, treinamento e principalmente gostar do que faz. O futuro é incerto, talvez no próximo ano tenhamos o novo códex de Black Templar então no momento vou finalizar a pintura e jogar com os amigos. Torneio em vista…. FoM IV !

 
+++

 
E é isso por hoje. Em breve a última entrevista da seqüência com os ganhadores do FoM.

Até logo.

 
+++

Hello there.

If you haven’t been living under a rock over the course of last year (2011 in case you’re reading this in the far future) you probably know about GW’s enforced embargo on sales to countries outside the EU.

On the aftermath of that disastrous change in the wargaming status quo here in Brazil I decided to broaden my horizons and have a go at the myriad wargaming systems out there. Well it turns out there’s only so much a single person can experiment on, especially when we have to learn a new game system, purchase miniatures, assemble and paint them and so on.

So in steps a friend offering me an article in which he shares his first impressions on a new gaming system. Marcos, from the “Chumbo, Plástico Tinta & Pincel” blog (or “Lead, Plastic & Paintbrush in plain english) is one of those special friends who I came to cherish as a brother from another mother and, for reasons unknown, we share this kind of “thinking of the same thing at the same time” thing which never ceases to surprise me. I believe there’s no need to say I thanked him deeply and jumped at the chance of having a series of “Guest” posts here on the blog chronicling Marcos’ impressions as he learns a new wargaming system from scratch.

So enough of me rambling and let’s hear what are his first impressions on Warmachine.

+++

Warmachine Two-Player Battle Box – Opening the box.

Hi Folks,

A couple of weeks ago (Nov/25th/2011) my Buddy Estevao, asked me to get some stuff during the Black Friday here in US. He asked me get his stuff because Miniature Market  is here in St. Louis. I decided to go and pick up his stuff myself after placing the order online, one thing leads to the another and I decided to get some treats for myself as well. I got me a Brittania box from Spartan Games’ Dystopian Wars and the new Warmachine Two-Players Battle Box from Privateer Press. It has been a while since I started looking into getting something for Warmachine and although the initial idea was to get the only the Khador Battle Box (with 1 Caster and 2 Jacks) after some discussion with Estevao he suggested me to get the Starter Set as it comes with 2 armies (around 15 points each) plus some goodies that allows a game to be played right out of the box

 

PRICE – around US$ 74, with the traditional Miniature Market discout +Black Friday rebates, I got a decent price (compared with the suggested US$ 99).

THE BOX – Honestly my first impression was “Shoot what a lazy piece of a box”. Really tinny looking like one of those frozen pizza box and it even had tabs on the side like the mentioned box. It was shocking for me was, especially after being used to the GW boxes that have two parts and open from the top, more so as we are talking about a “Steam Powered Miniature Combat Game”. Inside the box there is a division that gets more in the way than helps, as the content inside get scattered anyways. The cards are bundled together by a cheap rubber band, which contributed even more to my bad impression about the product. The miniatures are packaged in small heat sealed plastic bags, not a great presentation job! It may sound silly but you know…perception is reality and I believe a company like Privateer Press could pay more attention to details (hey we are talking about miniature painting here!) and have done a better job.

But, nothing is lost yet, as we dig into the contents of the box and thank god, that’s what saved my day (and impression about the box as well).

 

As I mentioned before, the contents of the box should be good enough for 2 players to play a basic Warmachine game, right out of the box. (Actually you would still need to assemble the miniatures, but that comes with this kind of games anyways). We can find the following items inside the box:
– Enough Miniatures for 2 armies (details below)
– the stats cards for each unity
– 6 six sided dice
– a paper ruler (not really impressive)
– Pocket version of the rule book (just rules, no fluff, a lot like 40K’s black reach rulebook)
– Introductory guide to help you get familiarized with the game
– a Quick start rules set to help you play ASAP without having to chew through the whole rule book.

 

If you do the math real quick, you will notice that this is definitely a great deal as a Khador Starter Box costs around US$ 37 and comes with 2 Warjacks and 1 Warcaster. In the Two-Players Battle Box we have for Khador, the same miniatures from the basic starter box + 5 Man-o-War shock troopers. The same thing happens with the Menoth forces so you can already see the benefit of the deal.

On top of that the minis are plastic, instead of metal, and so are much easier to handle, convert and assemble. The material is somehow different from GW material as it has some sort of a resin look and feel to it, and the details are very rich. I really liked what I got. The minis from each army are the following:

For the Menoth Army we get:
High Exemplar Kreoss
Crusader Heavy Warjack
Vanquisher Heavy Warjack
Repenter Light Warjack
5 Exemplar Cinerators (Unit).

 

For Khador:
Kommander Sorscha
Juggernaut Heavy Warjack
Destroyer Heavy Warjack
5 Man-O-War Shocktroopers (Unit)

 

As for my next steps after putting them together and painting is getting some tokens to represent the Focus points (any sort of beads will work for that, even beans – obviously not cooked ones), get some sleeves for the cards (as you mark the damages directly on them using a non permanent pen).

I’m focusing on my Khadorans, so I already got the jacks and Sorcha (the caster) ready at the time I’m writing this. I’ve been using what I call speed painting so I don’t lose myself in unfinished projects. A post about painting will come soon.

Those are all my initial impressions about the box. If you have any questions, feel free to ask!!!! As a final note I should add that the pictures used to illustrate the present article Disclaimer – the pictures are originally from the Apartment Wargaming blog.

 
+++

 
Salve Leitor.

Se você está lendo este texto em português é bem provável que seja brasileiro, ou pelo menos português. Sendo assim deve estar sabendo sobre a malfadada ação levada è feito pela Games Workshop contra os revendedores europeus de seus produtos. Esse imbróglio todo culminou no embargo que proibiu as vendas dos produtos GW, por revendedores independentes, para fora dos países integrantes da união europeia.

Esse embargo caiu como uma bomba sobre a comunidade brasileira já que dificultou, e muito, o acesso ao material imprescindível para o jogo. No rescaldo dos acontecimentos acabei tomando a decisão de experimentar novos jogos de estratégia e compartilhar minhas impressões e experiências com os leitores aqui do “The Painting Frog”.

A ideia era mergulhar de cabeça nos diversos wargames existentes mas acabei esbarrando em sérias limitações de tempo e dinheiro para fazer tudo que gostaria. Eis que do nada o Marcos, popularmente conhecido como “Ultra”Marcos do blog “Chumbo, Plástico Tinta & Pincel” me oferece para publicar no blog um artigo com suas primeiras impressões sobre um novo jogo de estratégia que ele começava a experimentar.

Não preciso dizer que não só aceitei de bom grado o artigo, mas acabei recrutando o amigo para escrever uma série de artigos aqui no The Painting Frog como convidado, nessa série o Marcos vai compartilhar conosco suas experiências e impressões encontro coleciona e joga um wargame completamente novo para ele: Warmachine.

Fiquem então com nosso primeiro artigo de um convidado:

 
+++

 
Warmachine Two-Player Battle Box – Abrindo a caixa.

Salve galera,

Na última sexta (25/Nov) rolou a Black Friday aqui nos EUA e o Estevao do The Painting Frog me pediu para pegar umas coisas na Miniature Market, aproveitei e peguei umas coisinhas para mim também, entre elas a nova caixa de Warmachine que é um starter set para dois jogadores, oficialmente conhecida como Warmachine Two-Players Battle Box. Já tinha um tempo eu queria comprar alguma coisa de Warmachine e a ideia inicial era comprar um Battle Box de Khador, comentei com o Estevao e ele me relembrou do Starter Set que vem 2 armies mais um tanto de coisas para qualquer um comecar a jogar.

 

PREÇO – foi por volta de US$ 74, com o tradicional desconto da loja + Black Friday rebates, o preço ficou bem bacana (comparado com os US$ 99 do preço normal).

A CAIXA – honestamente a primeira impressão foi: “Putz que caixinha pequinininha!” lembra uma dessas caixas de pizzas “medias” tipo pizza congelada, que abre com uma aba pelos lados, e não como estou acostumado com as coisas da GW que tem uma tampa, ainda mais se estivermos falando de “Steam Powered Miniature Combat Game”.
Dentro da caixa, tem uma divisória que mais atrapalha que ajuda e as coisas ficam todas espalhadas, inclusive os cards que deveriam estar presos por um elástico de dinheiro (só para contribuir com a impressão de “reba”). As minis estão em pequenos sacos plásticos lacrados com aquelas seladoras que o sujeito da banca usava nas revistinhas pornôs que agente insistia em querer ler quando era criança! Parece bobeira, mas sabe como é: Perception is reality e acho que a Privateer Press podia ter feito um trabalho melhor.

Mas nada está perdido, vamos dar uma olhada no conteúdo, e ainda bem que é isso que fez a diferença.

Como falei antes, o conteúdo deveria ser suficiente para 2 pessoas jogarem ao menos uma partida inicial de Warmachine, e para isso, dentro da caixa vem:

 

– Miniaturas suficientes para 2 armies (mais detalhes abaixo)
-Os Cards referentes as minis
– 6 Dados
– Régua de papel
– Livro de regras versão de bolso (só regras, como o da Black Reach de 40k)
– Guia de introdução para te deixar familiarizado com o jogo
– Quick start rules para agilizar o jogo e não ficar passando vontade.

 

Se você contabilizar, só de miniaturas, ja vale muito a pena… um Starter Box de Khador acho que esta em torno de US$ 37, vem 2 Warjacks e 1 Warcaster. Nesse vêm as mesmas opções, com mais 5 Man-o-War shocktroopers, só nessas, como eu disse já valeu a pena. Além disso as minis são de plástico, um plástico diferente do que eu to habituado da GW, gostei bastante, quase lembra resina.

As minis que vem são as seguintes:

Menoth Army:

High Exemplar Kreoss
Crusader Heavy Warjack
Vanquisher Heavy Warjack
Repenter Light Warjack
5 Exemplar Cinerators (Unit).

 

Khador :
Kommander Sorscha
Juggernaut Heavy Warjack
Destroyer Heavy Warjack
and 5 Man-O-War Shocktroopers (Unit)

 

O que tem para se fazer, além de montar e pintar, é adquirir uns tokens para representações no jogo, uns sleeves para os cards e uma caneta que não seja permanente para escrever nos cards.
Vou focar nos Khadors assim que possível e a ideia é fazer “speed painting” de novo. Posto fotos quando evoluir com eles.

Acho que é isso. qualquer pergunta é só me dar um toque

 
+++

 
Cabe mencionar que as fotos que ilustram o artigo são do blog Apartment Wargaming (já que o Marcos abriu a caixa tão rápido que não teve tempo pras fotos).

E é isso pessoal. Aguardem em breve mais novidades do Marcos acerca da pintura das peças e suas impressões sobre as primeiras partidas do novo jogo.

Até breve.

 

+++