Hi there Reader.

 

Some of the most frequent things I get asked these days by my friends are about the painting course with Fernando Ruiz I participated in back in may 2012. People want to know how it was, if I enjoyed it, what was taught on it and a lot more, but, in order not to be unfair as I came back with mixed feelings about it I opted to digest the course a bit before talking about it.

 

Well, I’ve reflected a lot on it by now and decided to talk about my impressions on the painting course today. Instead of beating around the bush I’ll say what I think about it straight ahead and then I’ll justify my opinions: I found the course incredible, and an unique opportunity for any miniature painting enthusiast, however, I was a quite frustrated by it and had I known more about it before enrolling I might have chosen not to participate on it.

 

Sounds confusing? Allow me to explain myself.

As I normally do when attending events outside my hometown I made arrangements so that I’d arrive a day in advance in Porto Alegre, that way I’d have enough time to meet with my friends who live there and also rest a little bit from the tiring trip to get there. On Friday night we had the opportunity of meeting some other participants of the course and the man of the hour, the “Maestro” Fernando Ruiz, over an informal dinner. Fernando proved himself a very amicable and accessible person from the very start and we chatted quite a bit over the evening.

 

We met again early on Saturday morning for the painting course itself. People showed up early and a display area was set up so that any participant could showcase his own works alongside those brought by the Maestro. We soon began the classes with our guest teacher and right from the start we could see with our own eyes how masterfully Fernando paints his figures and thus, over the course of the weekend, we were entreated to a visual feast as we watched mesmerized while Fernando painted the Attila figure adopted in the course. His unique way of painting seems almost magical, as he sketched the paintjob on the piece and then blended the distinctly toned areas.

 

Setting up early on Saturday.

Painted miniatures displayed.

 

 

 

 

 

 

That may sound strange for most of us as the term “sketch” is not usually used in the miniature painting jargon, but that’s exactly what Fernando does. He begins by sketching on the figure the final paintjob, applying the basic colors, lights and shadows over the miniature in a way that might even seem crude to those unaccustomed to it really drafting the figure’s final look. After that process is finished the Maestro goes back to some of the colors he applied early on blending the colors together, effectively blurring their division lines, and that’s when magic really happens as the colors which sported clear dividing lines between them now blended seamlessly in a beautiful gradient.

 

The course’s figure, primed and ready to go.

 

The version painted by Fernando Ruiz during the course.

 

The “sketched” side.

 

The completed side.

 

One of Fernando’s completed versions of the Attila figure.

 

Another thing I should mention, and praise, here is the organization of the course idealized by Fabricio Fay (from the “Los figureros” blog)with the providential help of his wife (I believe all wives get dragged into their husband’s hobbies eventually). Beginning with the choice of venue for the course, to the attention given to all participants and the choice of restaurants where we had lunch over the weekend it was evident how much care and thought were put into it adding more value to the weekend as a whole.

 

I don’t normally photograph food but this was worth showing!

 

This was also worth showing. Both servings I had!

 

By now you might be wondering why, if everything was so good as I describe, did I say that perhaps I wouldn’t have participated on it right? Well trying to sum it up once more I believe the course was below my expectations and the contents of it were above my skill level.

 

I say the course landed short of my expectations because I believe the format chosen for presenting the course’s content wasn’t ideal. I expected the teacher to spend some time in each of the tables we were divided amongst, imparting knowledge and tutoring while we tried to reproduce what he had just explained. Instead of that the Maestro sat on a central table and each of us, after having tried for a while to reproduce the newly acquired technique on our own, took our pieces to be appraised by the professor.

 

Getting ready to paint.

 

I had also expected to be able to follow more closely the Maestro while he painted and that didn’t happen (unless you got to sit on the teacher’s table). Even if we used a video camera and a projector to reproduce on a big screen the moments where the teacher took paintbrush to the miniature, we’re talking about a miniature which is centimeters high, so we were far off from what was ideal to follow the practical application of the lessons, and that’s because the idea of projecting the images captured by the camera came up in the spur of the moment, without that all we would be able to do would be to squeeze to follow the painting process, like it happened before we set up the projection system.

 

Participants gather around to watch the Maestro paint (while I try to get the camera cables out).

 

I should also add that I got the impression the price paid for the course (300 U$D) was a bit steep. When the course was first announced I was under the impression each participant would receive a complete set of materials to be used on the course and taken home after the course was done (an impression shared by other participants) including the paint pots, paintbrushes and the miniature we worked on, but in the end, we were only given the figure itself and a single paintbrush (with synthetic hair). I do understand that the costs involved in bringing a professor with the credentials of the Maestro are indeed high but, given the number of participants and not being given the full assortment of paints and additives used on the course I believe the value pad for the course could have been cheaper, or, what would be better in my opinion, the course could be held with fewer participants as it would be humanly impossible to give the kind of attention I’m talking about for the 25 participants enrolled on the course.

 

When it comes to my skills, or the lack of them, I believe the course should have been announced as a painting course aimed at experienced participants. The course did offer tips and techniques interesting for participants of any levels to take advantage of, however, in order to be able to profit from the full extent of the course I believe some advanced skills like Blending and perhaps Wet Blending would be mandatory in order to reach satisfying results. Skills which I sadly haven’t mastered thus far.

 

While we can’t deny some participants were able to achieve stunning and significative results, like the organizer himself, Fabricio Fay, and Vitor Kenner to name a few, others, myself included, had less than notable results.

 

Our table. Great company all around!

 

In the end I believe the painting course was, as a whole, a positive experience and as I said elsewhere an unique opportunity to meet, and learn from, one of masters of the Spanish school of miniature painting, and a very nice guy to boot, smiling until the very end when he was visibly exhausted, our Maestro Fernando Ruiz.

 

Tired but still posing for pictures.

 

I register here my desire to participate once more on a similar course, more compatible with my painting skills, and with fewer participants.

 

By the way, as soon as finish editing the video material recorded during the course’s 2nd day (I did manage to mess things up and delete everything recorded during the first day) and divide it in chapters to make watching them easier I’ll make the videos available here on the blog with the teachings of the Maestro.

 

Before I say goodbye I should thank my good friend Vitor, from the “Vamos Ver no Pano Verde” blog who generously gave me permission to use some of his photos to illustrate this article.

 

Vitor is the one on the left!

 

See you soon.

 

+++

 

Salve Leitor.

 

Recentemente algumas das perguntas recorrentes no meu circulo de amizades são acerca do curso de pintura com o Fernando Ruiz. O pessoal quer saber como foi o curso, se eu gostei, o que foi ministrado e tudo mais, mas, para não ser injusto e seguindo um conselho do próprio Fernando, optei por digerir um pouco o conteúdo do curso antes de falar dele.

 

Bom, já refleti o suficiente e resolvi abordar hoje minhas impressões acerca do curso. Ao invés de ficar enrolando vou dizer já o que achei e depois justifico a impressão: Achei o curso sensacional, uma oportunidade impar para qualquer aficionado por pintura de miniaturas, mas, também fiquei um tanto frustrado e se tivesse tido mais informação sobre o curso em si talvez tivesse optado em não participar dele.

 

Soou confuso? Vou me explicar. Como costumo fazer me programei para chegar um dia antes em Porto Alegre, assim teria tempo de rever os amigos de lá assim como recompor-me um pouco da viagem, sempre bastante cansativa. Na sexta à noite tivemos a oportunidade de, num jantar informal promovido pela organização do curso, conhecer alguns dos participantes e, claro, o “Maestro” Fernando Ruiz que se mostrou de cara uma pessoa muito acessível e aprazível.

 

No sábado o curso começou logo cedo com o pessoal chegando e colocando alguns de seus trabalhos a mostra e logo em seguida engatamos nos ensinamentos do professor convidado. É inegável a maestria com que o Fernando pinta suas peças e assim, ao longo do fim de semana assistimos mesmerizados o passo a passo da pintura da figura do Átila adotada no curso. Chega a parecer mágica a maneira que ele pinta, rascunhando a pintura na peça e depois mesclando as áreas de tons distintos.

 

Preparação para o curso no sábado de manhã.

 

Miniaturas expostas na área destinada à exibição.

 

 

 

 

 

 

 

Isso pode soar estranho para a maioria de nós já que o termo “rascunho” não é usualmente aplicado à pintura de miniaturas, mas é justamente isso que o Fernando faz. Ele primeiramente esboça a pintura final, aplicando as cores básicas, luzes e sombras sobre a peça, numa maneira que poderia até parecer grosseira a olhos não acostumados com a técnica, realmente rascunhando a pintura final. Findo esse processo o Maestro retoma algumas das cores anteriormente aplicadas fazendo uma mescla entre elas e é ai que a verdadeira mágica acontece já que as cores, antes aplicadas com nítidas divisões, fundem-se em um belíssimo e imperceptível degrade.

 

A miniatura adotada no curso já preparada e com primer aplicado e pronta para ser pintada.

 

Foto ilustrando o processo de pintura do Maestro nos dois lados do rosto da figura.

 

Lado direito do rosto com a pintura “rascunhada”.

 

Lado esquerdo com a pintura do rosto já finalizada.

 

Uma das versões da figura de Átila pintada por Fernando Ruiz.

 

Outra coisa que merece destaque é a organização do evento idealizado pelo Fabricio Fay (do blog “Los Figureros”) com a providencial ajuda de sua esposa (acho que todas as esposas acabam sendo tragadas pelos hobbies dos maridos). Começando com a escolha do local do curso, a atenção para com todos os participantes e a escolha dos restaurantes onde almoçamos foi evidente e notável o cuidado em relação ao curso abrilhantando ainda mais o evento e o final de semana como um todo.

 

Não costumo tirar fotos de comida mas o almoço de sábado foi especialmente digno de nota.

 

… Assim como a sobremesa. Nas duas vezes!

 

Nessa você pode estar se perguntando se estava tudo tão bom assim por que eu disse que talvez tivesse escolhido não participar dele certo? Bom, pra tentar ser sucinto o curso ficou um pouco aquém de minhas expectativas e o conteúdo abordado estava além de minhas habilidades.

 

Digo que o curso ficou aquém das expectativas porque acho que o formato adotado para ministrar o conteúdo não foi o ideal. Eu esperava que o professor pudesse passar algum tempo em cada uma das mesas, orientando e acompanhando o desempenho dos alunos enquanto reproduzíamos suas explicações. Ao invés disso o Maestro ficou na mesa central e cada um de nós, após ter tentado por algum tempo reproduzir a técnica recém-aprendida, levava sua peça para receber a opinião do professor.

 

Preparando-se para começar a pintar.

 

Também esperava poder acompanhar mais de perto o Maestro enquanto ele pintava. Ainda que tenhamos empregado uma câmera filmadora e um projetor para reproduzir num telão os momentos em que o professor levava o pincel à miniatura, estamos falando de uma miniatura de centímetros de altura e assim passávamos longe do ideal para acompanhar a aplicação prática da coisa, e isso porque a ideia de projetar as imagens captadas pela câmera surgiu naquele momento e sem a qual restaria aos participantes espremerem-se para acompanhar a pintura, como efetivamente ocorreu antes de montarmos o sistema de projeção.

 

Os participantes se apertam para tentar ver o Maestro em ação (enquanto eu tento desenrolar os cabos da câmera).

 

Por fim acho importante mencionar que ao final fiquei com a impressão de que o preço do curso acabou ficando um tanto salgado. Quando o curso foi anunciado tive a impressão que cada participante receberia um set completo de materiais para levar pra casa (impressão compartilhada por outros participantes durante o curso), incluindo ai as tintas, pincéis e a própria miniatura o que efetivamente não ocorreu já que pudemos levar conosco somente a miniatura e um pincel (de cerdas sintéticas). Entendo que os custos para trazer um professor do gabarito do Maestro sejam salgados, mas, dado o número de participantes e o fato de não recebermos o kit completo de tintas talvez o valor final do curso pudesse ter sido barateado, ou, o que seria mais proveitoso a meu ver, realizar o curso com menos participantes já que seria humanamente impossível dedicar o tipo de atenção que menciono aqui para os 25 participantes matriculados no curso.

 

Já no que diz respeito as minhas habilidades penso que o curso deveria ter sido anunciado como tendo por público alvo os praticantes avançados do hobby de pintura de miniaturas. Não que o curso não oferecesse dicas e técnicas interessantes para participantes de qualquer nível de habilidade, mas entendo que para obter maior aproveitamento dos ensinamentos do Maestro um participante obrigatoriamente deveria dominar técnicas avançadas, como Blending e Wet Blending para atingir resultados satisfatórios.

 

É inegável que alguns dos participantes conseguiram resultados bastante significativos como o próprio Fabricio Fay e o Vitor Kenner, porém uma boa parcela, e me incluo ai, teve resultados bem menos notáveis.

 

Nossa mesa. Dei sorte com os companheiros do final de semana.

 

No fim das contas acho que o curso como um todo foi sim uma experiência bastante positiva e como já disse alhures uma oportunidade ímpar de conhecer, e aprender um pouco com um dos mestres da escola espanhola de pintura de miniaturas, e gente finíssima distribuindo sorrisos até o final mesmo já estando visivelmente cansado, o Maestro Fernando Ruiz.

 

Mesmo cansado o professor posou para fotos.

 

Fica a vontade de participar novamente de um curso parecido, mais compatível com minhas habilidades e com um número menor de participantes.

 

Em tempo, assim que finalizar a edição do material em vídeo gravado durante o 2º dia do curso (por um grande vacilo perdi todo o material do primeiro dia) e dividi-lo para facilitar a visualização eu disponibilizarei por aqui como prometido aos demais participantes os vídeos com os ensinamentos do Maestro.

 

Registro ainda o meu muito obrigado ao Vitor, do blog “Vamos ver no Pano Verde” que me permitiu usar algumas de suas fotos para ilustrar o artigo.

 

O amigo Vitor (na esquerda), feliz após um dia com o Maestro!

 

Grande abraço e até breve.

Comments
  1. Vitor says:

    O Curso realmente não era basico, mas nós nos deparamos com uma técnica e um método de pintura completamente diferente do que estávamos habituados (i.e. o método proposto pela GW).

    Mesmo assim, o curso trouxe idéias novas, e de fácil aplicação numa pintura mais basica. O maior exemplo e isso foi algo que mudou minha visão de iluminação é a idéia da luz zenital vindo de um ponto acima da cabeça. Simples! No caso, a parte superior do rosto é mais clara do que a parte inferior, e isso segue em todas as partes da peça, desde a camisa até a bota.

    Faltou dizer que além de entrar em contato com um pintor do nivel do Fernando Ruiz, tivemos a oportunidade de entrar em contato com os outros pintores que estavam lá!

    • gereth says:

      Fala ai Vitor.

      Então, concordo que o método do Fernando Ruiz é sim único, principalmente no que diz respeito a esse lance que menciono de “rascunhar” a pintura na peça para depois finalizar a pintura “borrando” (blending) as áreas de junção de cor.

      Mas é justamente o ineditismo da técnica e a necessidade do dominio do blending para que seja empregada com sucesso que deixa o curso tão voltado para pintores avançados.

      Agora esse lance da “Luz Zenital” (Zenital Highlights) não é nada de novo não, pelo contrário, é algo que a maioria de nós já empregava ao aplicar os highlights nas partes superiores da miniatura. “A Luz Zenital” é na verdade a forma de highlight mais comum empregada por todos nós. Uma das grandes inovações hoje em dia no tocante à iluminação de uma peça é o OSL (Object Source Lighting) que consiste em usar uma fonte de luz diferente da luz solar (zenital).

      E sim, o curso foi sim uma oportunidade de conhecer bastante gente legal do hobby, mas convenhamos que nenhum de nós foi ali pra conhecer gente né?

  2. Vitor says:

    A luz que o Fernando aplica é diferente, esse nosso método a luz aplicana nas partes superiores dos DETALHES, o que ele propõe é manter a parte superior da area toda mais clara que a parte inferior. Novamente uso o exemplo do rosto, a metade superior é mais clara que a inferior.

    Seria como se a OSL estivesse acima da cabeça dele.

    Outro detalhe que esqueci de citar é que temos dificuldades de achar os mesmos materiais que foram utilizados. Só pela internet e importando.

    Mas uma coisa eu concordo, o curso não era basico.

  3. Ismael says:

    Concordo com tudo o que foi falado pelo Estevão, mas aproveito para adicionar umas coisas que eu concluí também.
    Primeiramente, já tínhamos pouco tempo e muitas pessoas querendo aprender e tivemos momentos muito enrolados no curso, por exemplo, era para ter começado bem mais cedo e começou bem atrasado (participantes chegaram mais tarde do que deveriam, muito tempo dispensado a mostrar figuras etc etc etc). Os almoços demoraram mais que o previsto, perdemos tempo primando a figura (o que teoricamente já estaria feito). Claro, entendo que passar primer em 25 figuras por 2 pessoas é complicado, mas podia ter sido sido organizado de uma maneira diferente.
    Sobre o tempo de duração do almoço e etc, o que reclamo somente é que não foi executado conforme o planejado.
    Criticar agora que o evento passou é muito fácil, mas não é para denegrir o curso e sim tentar ajudar a melhorar ainda mais. Com certeza essas coisas ficaram de aprendizado para eventos futuros. Eventos futuros? Sim, eu espero que tenhamos mais eventos como esse, gostei muito de ter participado e aprendi bastante coisas nele apesar de não ter executado bem durante o curso.
    Com certeza participarei de próximos eventos que venham a ser organizados.
    Apesar de algumas criticas, ficam também os elogios, pois foi algo inédito aqui no Brazil acredito eu e o curso foi sensacional.
    Foi um prazer conhecer excelentes pintores e rever amigos.
    Aproveito também para pedir que pensem em fazer algo até mesmo de um nível mais básico, para pessoas iniciantes como eu, ministrados pelo próprio Fabrício, Alaerte e Grivot, pois os 3 pintam muito bem e com certeza poderiam nos dar um curso de nível excelente.
    Enfim, só queria acrescentar isso ao que foi falado pelo Estevão.

  4. Tchangas says:

    Faltou uma foto do seu resultado. Como ficou sua peça?

    • gereth says:

      Fala ai Tchangas.

      Cara nenhum participante terminou a pintura da peça no dia. Tanto o Fabricio Fay quanto o Vitor acabaram de pintar a miniatura depois e sendo sincero não tive a menor motivação de terminá-la, mas, quem sabe não é?

      A peça em si está guardada numa gaveta aqui em casa, mas, para pintá-la, devo tirar toda a tinta e recomeçar do zero.

      Abraço e obrigado pelo comentário.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s