Hello folks!

 

This month I decided to adhere to one of the new additions to the 6th edition of WH 40k, a flying vehicle. As I said on the previous article I love tanks, so nothing more adequate as my first choice of a flyer, a vehicle that is at the same time a ship and also a tank: Forge World’s Caestus Assault Ram.

 

Images help, but don’t show completely how cool this ship is! Even with a relatively simple design, it is imposing and elegant. After removing the resin reservoir blocks from the cast, cleaning mold lines, a few test fits quickly showed the steps I should follow to assemble and paint it.

 

Of course, besides being such a magnificent model, choosing it was also due to its use in games. A flying tank that can transport up to 10 Terminators, or serve as beacon for teleporting them; and also even if it is a flyer, it can still make ram moves (move 18” and ram, yes!) and you still get the Magna Melta, a 5”blast melta weapon. I can barely wait to see it in action!

But first I should report a fact that I thought was only bad luck, but a quick search in Google and Youtube showed me it is a common defect. Assembling this model is a pain in the ass. The hull doesn’t have a perfect fit and there are several reports from other people having the same problem. Part of it had to be bent back into shape, but even that didn’t fix completely and mending with green stuff was needed to close some gaps.

 

Before assembling, I painted the interior. It may seem waste of time, but painting the interior of vehicles gives me a better impression of completed work. Besides, it is all detailed. Unfortunately I don’t have pictures from this step, but the image bellow allows you to see some of the final result.

 

 

The rest of the painting was interesting, since it’s a flyer, you can’t let it over a table all the time, and in several steps I had to hold it in my hand to proceed with painting. Besides, since it is all made from resin, it’s heavy! The arm easily gets tired in long painting sections, and that made the painting a little bit tiresome in some moments.

 

To finalize, the base was detailed with spare bits, sand, small stones and the flying stand was glued in a gap left for it. The Mechanicum symbol was hand drawn in the wings, as was the “1”number indicating the first company; the “I” is a decal that indicates it is the first vehicle of this kind. The black soot details in the air exits were done with a black dry brush. Extremely simple and effective. The same effect was done in the hull near where the Magna Melta blasts occur.

 

You should also notice that I did very little weathering in it. The reason for that is that as it is a flyer, it needs more maintenance, because old flying things can’t fly efficiently if they are falling apart (unless it’s an Ork ship🙂 ). I focused the weathering in the front, representing ram damage, and in the bottom where most of the gun shots from the surface will hit. Besides, being a relic from the Great Crusade, it has special attention from the techmarines of the Chapter.

 

Even with all the work needed, the final result is worth every hour and cent invested. This month’s cost unfortunately was way over the desired. I had the high cost of the model, and the customs and courier taxes more than doubled the final cost. But due to a lost shipment and a re-shipment, I ended paying a little less than I should have. The final cost was around R$450,00 (about US$225,00 – yes, we suffer a lot to keep the hobby in Brazil) when it should have been around R$600,00 (about US$300,00). If you intend to invest a lot less in the hobby rest assured you won’t  have to spend that much in a single model. Do it only if you want to give yourself an extra treat for the effort of raising an army from the ground. Even with this high cost, with some planning and discipline you can give yourself something like this. The satisfaction I had when assembling and painting this ship made it worth the investment. And for those of you curious about its size, it is larger than a Land Raider!

 

The Caestus ship designated as 1.01 is associated to the first company, just like all the vessels of this type. This vessel in particular is preferred by Captain Lykos, and has already been used in hundreds of space boarding and surface drop assaults. It was assembled circa middle M31 during the Great Crusade, donated to the Chapter in 897.M35 for repairs and maintained since then.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Before we part our ways today i’d like to remind you this is the 5th article from an ongoing series. If you missed the previous articles you can click the links to check part 1, part 2, part 3 and part 4.

 

+++

 

Olá pessoal!

 

Este mês decidi aderir à uma das novas adições à sexta edição do WH 40k, um veículo voador. E como eu já havia dito no artigo anterior, eu adoro tanques. Então nada mais adequado à minha primeira escolha de um voador, um veículo que ao mesmo tempo em que é uma nave, também é um tanque. A Caestus Assault Ram da Forge World.

 

Imagens ajudam, mas não mostram totalmente como essa nave é legal! Apesar do formato relativamente simples, ela é imponente e elegante. Depois de remover os blocos de reservatório de resina do cast, limpar as linhas de molde, alguns poucos encaixes já me mostraram os passos que deveria seguir para montar e pintar.

 

E é claro, além de ser um modelo magnífico, sua escolha se deve também ao seu uso em jogo. Um tanque voador que pode transportar até 10 Terminators, ou servir de referência para o teletransporte dos mesmos; e que mesmo sendo um voador, pode fazer ataques de batidas (mover 18” e bater, sim!) e ainda tem o Magna Melta, uma arma de blast de 5” e melta. Mal posso esperar para testar em jogo!

 

Primeiramente devo relatar um fato que cheguei a pensar ter sido azar meu, mas uma rápida conferida no Google e no Youtube me mostrou ser um defeito comum. Montar essa nave é um saco. O casco não tem um encaixe perfeito e várias pessoas relataram ter o mesmo problema. Parte dele necessitou ser desentortado, mas mesmo assim não resolveu totalmente e foi necessário um remendo com green stuff para fechar alguns vãos.

 

Antes disso, eu pintei o interior. Pode parecer perda de tempo, mas pintar o interior de um veículo me dá uma sensação maior de trabalho completo. Além do quê ele é todo detalhado. Infelizmente não fotografei esse passo, mas a imagem abaixo permite ver um pouco do resultado.

 

 

A pintura do restante foi interessante, pois por ser um voador, não é possível deixar sempre o veículo sobre a mesa, e em vários passos precisei segurar a nave na mão para poder prosseguir com a pintura. Além disso, por ser toda em resina, ela é pesada! O braço cansa fácil em longas seções de pintura, o que fez com que a pintura fosse um pouco cansativa em alguns momentos.

 

Para finalizar, a base foi detalhada com bits sobressalentes, areia e pedriscos, e o suporte foi colado em um espaço deixado para o mesmo. O símbolo do Mechanicum foi desenhado nas asas, assim como o número “1” indicando a primeira companhia, e o “I” é um decal que indica ser a primeira nave desse tipo. Os detalhes de fuligem nas saídas de ar foram feitos simplesmente com pincel seco de preto. Extremamente simples e eficaz. O mesmo efeito foi aplicado no casco próximo onde ocorrem os disparos da Magna Melta.

 

Vocês perceberão que fiz muito pouco envelhecimento nela. A razão é que por ser um voador, precisa de mais manutenção, pois coisas velhas não podem voar com eficiência se estiverem caindo aos pedaços (a não ser que seja uma nave Ork🙂 ). Concentrei-me em detonar a parte da frente, representando danos de batidas, e no fundo, pois é aonde a maior parte dos tiros vindos da superfície atingirão. Além disso, por ser uma relíquia da Grande Cruzada, ela tem atenção especial dos techmarines do Capítulo.

 

Apesar do trabalho, o resultado final vale cada hora e centavo investidos. O custo desse mês infelizmente ficou muito acima do desejado. Além do preço, tem o imposto e as taxas cobradas pela transportadora, que mais que dobram o custo final. Mas devido à um extravio e um reenvio, acabei pagando um pouco menos do que devia nas taxas. O custo final ficou em R$450,00, mas deveria ter ficado em cerca de R$600,00. Você que pretende investir menos, não precisa gastar tanto com um único modelo. Faça-o apenas se quiser dar-se um presente extra pelo esforço de construir um exército do zero. Mesmo tendo um valor tão alto, com um pouco de planejamento e disciplina você pode se dar um mimo desse tipo. A satisfação que tive em montar e pintar essa nave fez valer o investimento. E para aqueles que têm curiosidade do tamanho, é maior que um Land Raider!

 

A nave Caestus designada como 1.01 está associada à primeira companhia, assim como o restante das naves desse porte. Essa nave em particular é preferida pelo Capitão Lykos, e já foi usada em centenas de abordagens espaciais e assaltos à superfície. Foi montada no meio do M31 durante a Grande Cruzada, doada ao capítulo em 897.M35 para reparos e mantida desde então.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lembre-se que esta é a 5ª parte de uma série de artigos publicada aqui. Você pdoe clicar nos links para conferir a parte 1, parte 2, parte 3 e parte 4.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s