Hello there Reader.

 

Ever since I first talked about the first GW perpetrated Embargo I expressed an interest in exploring other wargaming options out there in the market, not because of some sudden “anti-Games Workshop rage” but simply because buying the models for what was my favorite gaming system was getting too difficult.

 

Well to add insult to injury it has recently transpired that from the 15th of June onwards I will no longer be able to purchase from my favorite online stores based on the United States or Canada as GW has once more seem fit to prohibit stores carrying their products to sell outside their countries (they won’t even be able to sell online).

 

It should come as no surprise to you then that my efforts in locating other nice wargaming systems have been doubled and in that search I’ve come across what promises to be a small gem in the making: Deadzone.

 

Enforcers face the mutated monstrosities of the Plague.

 

Deadzone is the latest game produced by the guys over at Mantic, a small company based in the UK which had already created a couple of Wargames (Warpath and Kings of War) but hadn’t had the opportunity to shine until Kickstarter came along.

 

For those of you unaware of it Kickstarter is a crowd funding platform that has been enabling a lot of good people out there to put great products in the market with the help of the very same community they’re aimed for, be them computer aficionados, board gamers or us humble war gamers.

 

Deadzone is the third successful campaign run by the guys over at Mantic following in the wake of “Kings of War” and more recently “Dreadball” game’s stellar campaigns. Mantic has been experiencing greater success with each new product they develop and fund through Kickstarter and without a doubt Deadzone promises to be their greatest hit thus far.

 

Set in the same futuristic background of “Warpath” and “Dreadball”, Deadzone focuses on delivering smaller scale action pitching the players against an insidious threat of its futuristic universe: The Plague.

 

1st generation plague victim.

 

Whenever news of a plague outbreak breaks out the zone it occurs in is quarantined and declared a DEADZONE with containment protocol put in place in order to prevent its expansion, which is right the opportunity some factions existing in the universe had been expecting in order to converge on it and ransack whatever resources were left behind by the corporations.

 

Thus, players will control one of four factions (that number has now been expanded to six different factions by Kickstarter Stretch Goals) disputing control of the battle zone and trying to fulfill unique faction oriented objectives while battling each other for supremacy.

 

An example set up of a combat zone built with the components of a Deadzone box.

 

Right now players can choose between any of the four starting factions: the Plague Faction (with their plague mutated humans and perhaps aliens in future stretch goals), The Enforcers (the shock troops of the Council of Seven sent in to deal with the Plague’s menace), The Rebel Faction (with rebel humans and alien races fighting for the scraps left behind in order to better fight against the corporations) and the Marauders (an “ork like” race genetically engineered by the corporations as troops but since then gone rogue and now serving their own interests).

 

Rebels keep the Enforcers firmly in their sights.

 

Enforcers and their captain evaluate critical tactical data.

 

More rebels.

 

Rebels defending their loot from unfortunate plague victims.

 

“You go in first!”

 

Another two factions have been unlocked and can be chosen for free in addition to what you’re already getting if you pledge for “Strike Team” or higher or purchased as a 50 dollar add-on if you want both of them: The Forge Fathers and the Asterians. The first are essentially “Dwarves in space” but with a fully fledged background and the second are a mysterious race, only hinted at before that now surfaces to fight for their own secret agenda.

 

But that’s not all as Mantic not only saw fit to deliver what promises to be a great game with the Deadzone campaign, but they also took this opportunity to launch a brand new, completely modular, plastic scenery line, so if you’re not really interested in purchasing another game you can join in the fun by selecting one of the “scenery only” pledges and securing yourself enough terrain pieces to populate the boards of your favorite Sci-Fi game.

 

Mock up of possible set-ups with multiple Battlezones.

 

Another mock up of a set-up using further Battlezone kits.

 

A very big table replete with battlezone scenery kits.

 

The game got me hooked from the onset (and I promptly pledged to fund it securing me an early bird spot) but since then, with each broken stretch goal, the game’s scope has been broadened with more races added, more miniatures added, more scenery added. Right now it is as good as a bargain can get.

 

One of the uncloked bonus content item – A mercenary added for free to pledge levels.

 

With 9 days to the end of the campaign it’s as good a time to get in as any so do check their Kickstarter page, read through everything, download the rules (available for free on the KS page) and if you feel like fighting plague corrupted aliens in the far future jump in. I’m sure we’ll have a blast.

 

See you soon. Over and out.

 

+++

 

Salve Leitor.

 

Não é segredo pra nenhum membro de nossa comunidade aqui no Brasil que os jogos produzidos pela Games Workshop (Warhammer Fantasy, Senhor dos Anéis e o Warhammer 40.000) são, de longe, os wargames mais populares por aqui. A menos que você tenha começado recentemente no hobby, também deve saber que há algum tempo estamos sendo vitimizados pelas novas políticas de venda colocadas em prática pela GW.

 

Num primeiro momento foram as lojas baseadas na União europeia que foram proibidas de vender para fora do bloco econômico e agora, recentemente, as lojas nos Estados Unidos e no Canadá também foram alvo de nova política de venda as proibindo de venderem produtos GW para o Brasil.

 

A despeito dos Embargos levados à efeito pela GW continuo um aficionado do Warhammer 40.000 mas diante das dificuldades em adquirir os produtos GW tenho procurado alternativas e recentemente encontrei o que promete ser uma pequena gema: o Deadzone.

 

Enforcers enfrentam as monstruosas mutações criadas pela Praga.

 

Produzido pela Mantic (que já havia criado o Kings of War e o Warpath) o Deadzone é o terceiro jogo que a companhia financia através da ferramenta de financiamento coletivo chamada Kickstarter.

 

A primeira campanha foi um relançamento do Kings of War (com a adição de novas unidades) que foi extremamente bem sucedida, seguida pela campanha de Dradball, um jogo de futebol americano futurista ambientado no mesmo futuro do Warpath e ainda mais bem sucedida que a primeira campanha.

 

É justamente essa ambientação futurista que a Mantic revisita com seu Deadzone ao colocar os jogadores no controle de uma pequena facção lutando em meio a uma zona de combate contra uma insidiosa ameaça desse futuro, um agente mutagênico conhecido tão somente como A Praga (The Plague).

 

Uma vítima de primeira geração da Praga.

 

Assim que noticias de um surto da Praga chegam aos ouvidos das Corporações e do Conselho dos Sete a zona atingida pelo surto é rapidamente posta em quarentena e protocolos de contenção passam a ser executados para evitar o alastramento da Praga. Justamente a oportunidade esperada por algumas facções desse universo para que possam tentar resgatar impunemente tecnologia e recursos deixados para trás por aqueles que fugiram da Praga ou foram consumidos por ela.

 

Diferente do Warpath, cujo foco são combates em larga escala, o Deadzone é um jogo “Skirmish” (combates simulados em menor escala jogado com poucas miniaturas), que chega perto de ser um Board Game, mas continua possuindo aspectos táticos bastante fortes, premiando o jogador que emprega com sabedoria suas tropas e recursos no campo de batalha.

 

Um exemplo de zona de combate constuída com componentes da caixa básica do Deadzone.

 

Cada um dos jogadores controla uma das facções existentes, buscando conquistar antes de seu oponente os recursos deixados para trás pelas Corporações bem como atingir os objetivos específicos determinados pelas agendas de cada um dos grupos em combate.

 

No começo da campanha as facções disponíveis para os jogadores eram quatro: A Praga (com humanos e alienígenas corrompidos pelo agente mutagênico), os Enforcers (unidade de elite a serviço do Conselho dos Sete e das corporações para debelar o surto da Praga), os Rebeldes (humanos e alienígenas descontentes que buscam suprimentos e armas para financiar sua luta contra as Corporações e o Conselho dos Sete) e os Marauders (raça geneticamente engenhada pelas Corporações e pelo Conselho dos Sete como soldados, que se rebelou e hoje serve aos desígnios de seus lideres).

 

Rebeldes mantém os Enforcers em suas miras.

 

Enforcers e seu capitão avaliam dados táticos antes da ação.

 

Mais rebeldes.

 

Rebeldes defendem seu saque do avanço de humanos corrompidos pela Praga.

 

“Você entra primeiro, eu dou cobertura!”

 

Com o sucesso retumbante da campanha até agora outras duas facções foram desbloqueadas e podem ser escolhidas pelos jogadores (podem ser compradas como adicionais ou escolhidas gratuitamente como facção adicional para financiadores do nível “Strike Team” e superior): os Forge Fathers (essencialmente anões espaciais mas com um background bastante rico e inserido no universo do jogo) e os Asterians (uma raça misteriosa que até então só aparecia nas estórias do universo ficcional do jogo mas que agora persegue sua agenda secreta no campo de batalha).

 

Não satisfeita em lançar um jogo que promete a Mantic aproveita a oportunidade e junto com o Deadzone está lançando uma nova linha de cenários modulares feitos em plástico compatível não só com o Deadzone, mas também com qualquer jogo futurista. Assim, se você não quer investir mais dinheiro em um novo jogo ainda assim pode participar da campanha e amealhar peças de terreno suficientes para encher sua mesa de jogo.

 

Um exemplo de montagem possivel com mais kits de cenário.

 

Outra montagem possivel empregando ainda mais kits de cenário. A imaginação é o limite.

 

Outa montagem possivel com vários kits de cenário.

 

Assim, não deve ser surpresa pra você Leitor o fato de eu ter me comprometido com o jogo logo de cara (conseguindo um Early Bird Spot – essencialmente um desconto no preço do pledge) o que por si só já me deixa feliz, mas desde então, a cada novo objetivo alcançado pela campanha mais miniaturas vem sendo adicionadas, mais cenários, mais raças, mais missões. Nesse momento a 9 dias do final da campanha o jogo é literalmente uma barganha, não importando se seu interesse é somente pelo jogo, pelas miniaturas ou pelos cenários.

 

Uma das miniaturas adicionais desbloqueadas pela campanha incluída gratuitamente no conteúdo – Um mercenário.

 

E isso ainda pode melhorar se mais gente decidir entrar no barco e financiar o projeto já que a medida que o valor arrecadado aumenta mais bônus são desbloqueados para os financiadores participantes. Por isso a hora é essa, se você se interessou visite a página do Deadzone no Kickstarter, leia tudo, veja os “pledge levels”, baixe as regras (disponíveis gratuitamente na página do Kickstarter) e se a ideia de enfrentar seres corrompidos pela Praga em busca de recursos no futuro distante lhe agradar não hesite e faça seu “pledge”. Tenho certeza de que vamos nos divertir.

 

Até logo.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s