Archive for the ‘Warhammer’ Category

 

 

Hello there.

Today’s post doen’t have an english version as I felt it would be of limited interest to my english readers out there. As I mentioned on an earlier post we’ve had the 3rd edition of the Fork of Mork tournament last december. In order to share some insights about what it takes to put such an event together I’ve put together a few questions for two of the organizers and now I share their responses with the local wargaming community.

There’s a lot more content coming soon so bear with me.

If you’d like to see a version of this interview in english drop me a line in the comments and if there’s enough interest I’ll come up with a translated version of it as well. In the meantime you could check the 4th episode of the RELOAD vlog which focuses on the Fork of Mork.

See you soon.

 

+++

 

Salve Leitor.

Devo admitir que acabei ficando bem curioso para saber mais sobre o desenrolar do Fork of Mork III (já que não consegui comparecer pessoalmente dessa vez assim como não pude participar ativamente de sua organização) e pra satisfazer essa curiosidade elaborei algumas perguntas sobre o encontro com intuito de entrevistar a dois dos organizadores dessa edição: O veterano Silvio Martins e o “Youngblood” André Streem.

Acho que a minha curiosidade deve ser compartilhada por outros tantos wargamers brasileiros que, como eu, ambicionam um dia realizar um encontro na localidade onde moram (mais sobre isso em breve) ou que gostariam de participar de um torneio como o Fork of Mork, mas, não fazem idéia de por onde, ou como, começar a se preparar para fazê-lo.

Sem mais delongas segue a entrevista com as respostas dos dois organizadores:

 

+++

 

The Painting frog: Em primeiro lugar gostaria de parabenizá-lo, e aos demais membros da organização, pela realização do 3º Fork of Mork. O consenso entre os participantes e na comunidade é de que o torneio realizado em novembro passado foi uma vez mais um retumbante sucesso. Quais são suas considerações sobre o evento?

SILVIO: O FoM começou como um evento fechado, apenas para convidados, parece um passado distante, mas foi pouco mais de 3 anos, de lá para cá ele foi se transformando e hoje é um evento consolidado dentro da comunidade de jogadores brasileiros. O FoM deste ano foi o menor em número de participantes devido a uma programação e datas que inviabilizaram a presença de outros jogadores, mas mantivemos a qualidade oferecida, coisa que não abro mão nos eventos que organizo. Tive também a felicidade de ter como co-organizadores um grupo muito comprometido com o hobby e que na verdade foi a verdadeira força motriz por trás desta edição do FoM.

A idéia, que eu acredito estarmos no caminho certo, é de criar um evento para wargamers, independente de sistemas jogados e que eles tenham um fim de semana dedicado e comprometido com o hobby. Os primeiros passos estão sendo dados e buscamos sempre melhorar a cada ano.

Hoje temos inúmeros dias de jogos, encontro de clubes e todos estes com grande ou pequena periodicidade, a idéia é que o FoM seja um encontro de todos estes grupos para celebrarmos nosso hobby, encontrarmos e jogarmos com gente diferente e trazer sempre sangue novo para o grupo.

ANDRÉ: Apesar de não termos atingido o volume de participantes esperado, estamos bem satisfeitos com o FoM III. Recebemos uma nova leva de jogadores e foi o primeiro torneio de muitos dos participantes. O FoM vem cada vez mais se consolidando como um evento diferente, seguindo os propósitos pelo qual foi idealizado: promover a diversão e ser um grande encontro de amigos. Fiquei muito satisfeito de ver belos exércitos pintados, e mais satisfeito ainda de ver todo mundo se divertindo nas partidas. Só nos dá mais empolgação pra continuar batalhando pra fazer eventos assim para a comunidade.

The Painting frog: A despeito do sucesso do torneio são notórios os percalços enfrentados por qualquer um que queira realizar um evento semelhante. Quais foram as dificuldades encontradas por vocês da equipe de organização para realização do torneio? O que deve ter em mente o organizador de eventos e torneios e quais as dicas para quem se dispuser a organizar algo parecido?

SILVIO: A primeira e maior dificuldade é com a mentalidade do jogador brasileiro, e depois é a busca por um local que agrade e que seja dentro do orçamento. A dificuldade em explicar a um leigo o que é este “jogo” é tão difícil quanto explicar a idéia por trás do FoM, que é de agregar e trazer mais próximos grupos diferentes.

É preciso ser político e ter a verdadeira vontade de reunir o pessoal, conversar de igual para igual com outros organizadores de clubes e associações etc.

Um evento não deve ter em foco ou como meta o lucro financeiro. O que deve ser medido e alcançado é pessoas, novas, antigas, não importa. Se eu monto um evento onde consigo trazer gente nova ou da antiga para jogar eu já me sinto feliz e com o sentimento de dever cumprido.

O fator financeiro também é uma questão importante e também os arranjos e acordos para o evento acontecer. Ter em mente que se gasta e há a possibilidade de prejuízo deve ser sempre lembrada. E organizar, passo a passo, todas as etapas pré e pós evento.

ANDRÉ: Primeiramente, o espaço. Principalmente numa cidade como São Paulo, em que distância e localização são fatores que podem determinar o sucesso ou fracasso total de um evento. Com o espaço do Mie Kaikan temos uma boa localização, de fácil acesso, próximo ao metrô. Depois, regramento. Encontrar missões justas e criar os cenários de forma que não prejudiquem ninguém é sempre um desafio. E por fim, a preparação das mesas, que leva muito tempo quando não se tem um banco de peças de cenário grande. É sempre bom planejar, delimitar prazos, e nunca tentar fazer tudo sozinho. Trabalho em equipe e divisão de tarefas é essencial para o sucesso do evento. Marcar painting days pra agilizar e produzir em linha é sempre uma boa ajuda. E principalmente, um organizador tem que saber que NUNCA vai conseguir agradar a todos. Reclamações sempre surgirão, seja de alguma peça de cenário, algum detalhe da missão, data… não dá pra satisfazer a todos. Tente sempre buscar o que a maioria quer, mas não se limite somente a isso.

The Painting frog: Muitos comentários de participantes e da comunidade têm elogiado as mesas e cenários apresentados no evento. Você poderia destacar algo sobre o processo de criação das mesmas? Os cenários foram confeccionados de forma a criarem conjuntos temáticos? Quais são suas dicas para alguém que queira confeccionar sua própria mesa para jogar wargames?

SILVIO: Um dos pontos fortes do FoM é sua equipe. Apesar de não ser a mesma todo ano, temos um grupo que gosta do hobby e abraçou a idéia de confraternizar e competir com amigos. No FoM discutimos idéias, ajudamos um ao outro e no final temos o resultado a olhos vistos. Neste ano foi uma coisa interessante. Tivemos uma mesa com temática Eldar desenvolvida por um dos organizadores e que teve ajuda de outros membros da equipe, eu mesmo montei alguns cenários usando kits da GW e que só vi finalizado e muito bem pintado no dia do evento.

A atividade não se limita aos dias do evento, temos emails discutindo isso desde o inicio do ano, e já estamos discutindo o próximo de 2012!

ANDRÉ: Mesas temáticas são sempre um must a qualquer torneio. Analisamos bastante as mesas de torneios gringos e vimos que a maioria não tinha um tema comum, muitas vezes era um catadão de cenários quaisquer. Definimos temas e dividimos entre os envolvidos. É sempre bacana ter mesas que saltam aos olhos, portanto, se for da vontade da equipe, vale gastar tempo e dinheiro preparando as mesas.

The Painting frog: Comparando os exércitos apresentados no FoM III com aqueles apresentados em outras edições do evento tivemos um notável crescimento no número de exércitos pintados. Salvo engano todos os exércitos participantes estavam pintados. A que você credita essa evolução? Houve bonificação em pontos de campeonato para a participação com exércitos pintados? Qual o seu entendimento acerca da obrigatoriedade da pintura do exército em alguns torneios no exterior? Em sua opinião podemos esperar algo nesse sentido por aqui?

SILVIO: Esta evolução se deu naturalmente, é fácil de entender como isso ocorre. Num evento você quer trazer suas cores, sua bandeira e mostrar o melhor de si. Nada traduz melhor isso do que um army pintado. No inicio era uma obrigação, mas depois que deixei isso de lado nas regras do evento começaram a aparecer armies pintados, convertidos etc.

O evento também não se prende a apenas jogos, temos sempre uma mesa destinada a pintura ,conversões e bate papo onde sempre passamos o que aprendemos a novatos, trocamos experiências etc.

Sobre bonificar armies pintados não mudamos praticamente nada em relação ao conjunto de regras que usamos, existe uma bonificação para entrega de listas, armies pintados, etc. como em qualquer campeonato da GW, por exemplo, mas com algumas regras da casa.

Espero nas próximas edições incentivar de algum modo ainda mais os armies pintados, minis convertidas e uso livre de minis de empresa X ou Y desde que componham um belo exército. Mas não vou obrigar alguém a pintar seu army, quero que o jogador sinta esta necessidade e que ouça o “chamado da tinta” rs*

O ponto mais importante do FoM é o envolvimento dos jogadores e a integração entre eles, obrigar qualquer coisa acaba sendo uma coisa negativa.

Nada mais estimulante do que ver as fotos dos armies pintados e querer sentar na bancada e pintar o seu!

ANDRÉ: A comunidade vem crescendo e com isso cada vez mais gente interessada em seguir o hobby, e não apenas o jogo. Fora isso, iniciativas online como o Desafio Motivacional e concursos de pintura são um ótimo incentivo pra galera deixar a preguiça e arranjar uns minutos pra pintar suas peças. Sou totalmente a favor da exigência de exércitos pintados em torneios, e temos planos de implementar tais medidas no FOM. Afinal de contas, não somos só jogadores, somos hobbystas. Os que não gostam de pintar, pagam para alguem pintar. Mas é uma forma de incentivar a pintura e de agradar aqueles que se esforçam em pintar suas peças, pois enfrentarão outras peças pintadas, e não somente a cor tediosa do plástico ou metal.

The Painting frog: Os exércitos premiados como “Melhor Exército Pintado” nesta edição realmente chamam a atenção pela qualidade na execução da pintura. Quais são os critérios adotados na avaliação desse quesito? Quais são as dicas da organização para os jogadores que desejem competir, e vencer, nessa categoria?

SILVIO: Usamos os critérios desenvolvidos e que são usados pela GW em seu guia de torneios e eventos. Temos ainda um grupo pequeno de artistas/jogadores e ainda considero muito pequena a participação ativa dos jogadores. As dicas são simples, pinte com o coração, lembre-se dos itens levados em conta pelos juízes (isso pode ser informado e conseguido na internet se, problemas) e pratique, nada melhor do que pintar sempre para um dia chegar a um nível artístico digno do que vemos lá fora.

ANDRÉ: Os critérios estão disponíveis no manual do FoM III. Vão desde pintura básica a técnicas avançadas, bases, conversões, e elementos extras, como display bases, marcadores de wreck, etc. Planejar bem a pintura, fugir do básico e se empenhar em aplicar técnicas novas são alguns ingredientes para ter pontuação boa. Investir em conversões e bases bem feitas são o essencial para se destacar. E praticar, sempre praticar muito, refina sua pintura e te dá chances de concorrer ao pódio. Temos muitos pintores bons no Brasil e é certamente um desafio grande a ser encarado.

The Painting frog: No que diz respeito ao prêmio de “Melhor General” quão acirrada foi a competição nesse ano? O campeão do torneio venceu com um exército de Dark Eldar. Na sua opinião é necessário investir sempre no mais recente exército lançado para sagrar-se um campeão? Quais as dicas para os jogadores que ambicionam disputar esse prêmio?

SILVIO: Não acredito que o último exército lançado vá receber o prêmio de Melhor General. O que o pessoal ainda não tem muita prática é de participar de um evento onde o exército que ele luta não vai ter a mesma performance que tem no seu grupo de jogo. E qualquer “surpresa” pode acontecer.

Por exemplo, se eu tenho um exército que jogo com amigos e enfrento apenas exércitos de combate a longa distância eu vou, com o tempo, montando uma lista para jogar contra este tipo de exército e estratégia. Num evento onde buscamos trazer gente de diferentes locais, com estilos distintos de se jogar, sempre vamos ter uma boa surpresa ou uma ruim…

A dica é montar um exército balanceado em que você saiba como ele joga, e aí adaptar suas jogadas de acordo com o inimigo a ser enfrentado.

ANDRÉ: Tradicionalmente a GW tem essa tendência de sempre fazer codex novos melhores do que os antigos, o que dá um certo distanciamento das regras de um exército para o outro. Certamente usar listas extremamente competitivas de exércitos mais novos é um caminho para sagrar-se vencedor, mas praticar, entender bem todas as regras e dominar suas fraquezas é essencial. Qualquer general campeão deve saber dobrar o inimigo perante qualquer situação, e principalmente, mudar sua estratégia rapidamente perante qualquer adversidade encontrada. Explodiram seu Land Raider? Bola pra frente, não se desespere. Mataram seu HQ? Acontece. De um jeito de compensar tal perda.

The Painting frog: O FoM tem por tradição premiar, além do “Melhor General” e “Melhor Exército Pintado”, o “Campeão Geral” e o jogador mais cordial (Fairplayer). Dessa maneira o FoM cobre todos os aspectos do hobby certo? Você poderia tecer alguns comentários sobre esses prêmios? Alguma dica para futuros jogadores se destacarem nesses aspectos?

SILVIO: Acho que o FoM ainda não cobre 100% dos aspectos do hobby, nossa meta é ampliar os jogos (trazer mesas de diferentes companias, como Warmachine, Flames of War, etc.) e ampliar o escopo do hobby. Mas isso são passos para um futuro próximo, hoje acredito sim que estamos conseguindo valorizar os principais aspectos do nosso hobby, de acordo com a realidade brasileira.

Os prêmios são um incentivo. Pensamos em premiar com produto, minis, etc. mas decidimos que um troféu tem um valor mais emocional que uma caixa com minis e então investimos nisso (o troféu) e deixamos os produtos para sorteios e uma festa entre os participantes. Este ano além dos troféus sorteamos alguns mimos para os que participaram (adesivos, garrafas e chaveiros vindos da sede da GW de Nottingham)

O que espero e a dica que posso deixar aos jogadores é que eles se tornem ativos e participantes dos eventos, é com eles que isso tende a crescer.

Lembrar que o FoM é um momento de reunião e de convívio, onde competimos de um modo saudável é essencial. Acredito que premiamos sempre os melhores hobbystas e o que é um bom hobbysta? Aquele que joga, pinta monta, participa e entende que o jogo serve como um catalisador de pessoas com algo em comum que é a paixão por estes universos fantásticos.

ANDRÉ: Os melhores generais são premiados para incentivar os que gostam de jogar, sejam power players ou não. Muitas pessoas se dão bem em campeonatos com listas fluffwise. Melhores exércitos pintados é um incentivo para os hobbystas demonstrarem suas habilidades e se motivarem a terminar um exército. Campeão Geral é um prêmio para destacar aquele jogador que se saiu muito bem nas duas facetas do jogo, pintando bem e tendo bom desempenho no pano verde. E por fim, o fairplayer é escolhido pelos jogadores para eleger aquele que jogou mais limpo e mais cordialmente. Dominar bem as regras, evitar bater de frente em discussões, acolher decisões dos juízes, evitar lances duvidosos, agir sempre com boa fé, manter coerência em sua pintura, investir tempo na pintura, evitar listas anti-fluff e competitividade exagerada são boas dicas para se sair bem em todas as categorias.

The Painting frog: Existem planos para um 4º Fork of Mork? Se sim, que novidades podemos esperar para o próximo evento?

SILVIO: Sim, os planos existem e já estão em andamento, e sem frescuras aqui de dizer ou não o que vai ser. (rs).

Planejamos um evento para o meio do ano, ainda sem data definida, e com a ampliação das mesas e do que é oferecido nos 2 dias de jogatina. Temos planos para ter mais torneios e mesas de demonstração e uma área maior para pintura e troca de bits.

Além disso, estamos já com uma parceria que ira fazer o evento mais interessante, (mas esta informação eu ainda devo manter nos bastidores).

ANDRÉ: O FoM IV está em discussão. Por enquanto não vamos revelar nada, mas a galera pode se animar que o FoM IV vai ser bombástico. Muitas novidades serão implementadas que ficaram de fora do FoM III e certamente iremos tentar atrair mais jogadores.

 

+++
E é isso pessoal. Espero que vocês também tenhama chado interessante saber um pouco mais do que vai na cabeça de dois dos organizadores do FoM e com isso entenda melhor como é pensado um torneio feito por  esses caras. Publico em breve mais algumas entrevistas por aqui que acho que vão ajudar muito quem está se programando pra participar de um torneio em 2012.

Abraço e até breve.

+++

Hello there.

One of the added bonuses of going to the “Torneio Polar” in Curitiba was finally getting to visit an old friend, and a mentor in the hobby.

Geraldo has been one of the staples of the wargaming community down in Brazil ever since I started taking part on online discussions and web forums. He kind of always had been there, from the very beginning. If God had created wargaming I’m pretty sure Geraldo was there offering his input from the very start.

I got to meet him in person back in 2005 when I went to a tournament in Rio and he’d been back then just as I imagined him behind the computer screen. It’s not surprising then that he’s affectionately known as “Grandpa Ork” in the Brazilian wargaming community.

He’s always been a prolific painter but he really shines when making custom scenery. There’s nothing he can’t do given time and the right materials. I had owed a visit to his “Ork Bunker” for a while now and when Elson and Otto offered to take us on a tour to his house I could barely contain a satisfied grin.

Elson and Otto tried to prepare us for what we were soon to see, but honestly, nothing can prepare you to enter the “man cave” of a fellow wargamer and hobbyist, and certainly nothing could prepare us for what awaited us.

Luckily for me and you fellow reader, my buddy Streem from the “Reload” videocast (or whatever these youtube shows are called these days) has made an episode featuring our visit.

Without further ado here it is (it’s in Portuguese but any gamer out there can appreciate this footage) – Geraldo is the gentleman wearing glasses:

+++

Fala ai pessoal.

Quem lê o blog está meio careca de saber que participei do “Torneio Polar” realizado pelo clube “Tropas Polares” de Curitiba.O torneio foi tão legal que ainda está rendendo bons posts aqui no blog.

Um bônus da viagem pra Curitiba foi finalmente ter a oportunidade de visitar a casa de uma das figurinhas carimbadas da comunidade brasileira de wargames, O Geraldo. Afetuosamente conhecido por todos como “Vovô Ork” o Geraldo é meio que o Matusalém da comunidade. Quando eu passei a fazer parte ativamente da comunidade nacional o Geraldo já estava lá produzindo e pintando em ritmo frenético. O Geraldo pinta bem, e pinta rápido, mas a meu ver ninguém se iguala ao mestre e mentor supremo de todos nós quando o assunto é a criação de cenários.

Eu já estive algumas outras vezes em Curitiba mas, por um motivo ou outro, nunca dava certo de poder ir visitá-lo. Acho que o Geraldo já devia estar até chateado de me convidar e eu nunca me organizar para ir até lá. Fiquei feliz quando o Elson e o Otto, dois de nossos anfitriões na capital polar, se ofereceram para nos ciceronear em uma visita ao Geraldo.

Ambos até tentaram durante a viagem nos preparar para o que nos aguardava no “bunker ork” do Geraldo mas nada poderia nos preparar para a surpresa. Felizmente o André “Streem” do videocast (ou videolog) “Reload” teve um bom senso de preparar um episódio mostrando nossa visita.

Veja o vídeo acima, ou reveja-o, e se encante como nós:

Até a próxima!

Hello there.

One of the things a lot of us wargamers, and miniature enthusiasts, get to face a lot are the misconceptions and prejudice of others towards our hobby. How many of you have carefully explained the hobby to relatives, friends and acquaintances, just in order to hear a disappointing “So you play with toys right?”. I know I have heard something along those lines and apparently other hobbyists out there as well.

So I tend to find really nice when the mainstream media takes interest in any of my hobbies and decides to showcase any of them to their audience. A while ago a very good friend of mine, Silvio from the Roleplay blog, had told me that he had been contacted by a TV show to talk a little about our common hobby: Wargaming.

My first thought was: “Wow! Wargaming on TV! That’s new!”

I was mildly surprised when I found out he was actually going to be interviewed about the wargaming hobby and not only showcased as a freak hobbyist, as I’ve seen too many times already when it comes to Role Playing Games and Videogames.

It turned out that on the actual show, which aired on a cable TV channel in Brazil, they had an informal chat which presented wargaming on a broad spectrum giving the public at large an average idea of our hobby. It was a pretty good show and I believe it achieved its purpose of showcasing the hobby in a positive light.

That’s why I decided to translate  add subtitles to the original video in order to share it with you here. Not only you get to watch a nice show about our common hobby but also see some nice painted miniatures and scenery. You might even be able to spot one of the models I painted and shared here on the blog sometime ago.

Salve Leitor.

Dia desses o Silvio, do blog Roleplay, anunciou que nosso hobby seria tema de um programa de TV. Ele já havia comentado comigo ter sido procurado para fazer um programa para televisão sobre o hobby que compartilhamos, e é tema deste blog: Os Wargames.

Fiquei entusiasmado por ele e com a potencial exposição do hobby, que sempre acaba angariando alguns novos adeptos o que é interessante para fomentar o crescimento da comunidade como um todo. Mas ao mesmo tempo veio o receio. Receio de que uma vez mais um de meus hobbies fosse retratado de maneira negativa na mídia, coisa que já aconteceu com o RPG, com jogos de vídeo game e com as revistas em quadrinho. A imprensa tem, de modo geral, o mal hábito de retratar esses hobbies em uma luz negativa, ou ainda, como interesses de pessoas esquisitas. Nada podia estar mais longe da verdade.

Felizmente não foi o caso dessa vez. O Silvio foi entrevistado por ninguém menos que Gastão Moreira, ou só Gastão como ele é mais conhecido do público, para o programa “Lado H” que faz parte da grade de alguns canais de TV a cabo no Brasil. Ao longo de um segmento os dois bateram um papo informal sobre os jogos de estratégia, mais conhecidos como wargames, explanando de uma maneira descomplicada sobre suas origens e particularidades.

Uma excelente matéria que fez jus à proposta de apresentar o jogo no espaço de um segmento. Parabéns ao Silvio pelo brilhantismo da entrevista e pela forma como representou a  comunidade extensivos também ao programa “Lado H” e sua produção.

O vídeo já havia sido postado na internet, mas optei por traduzir e legendá-lo para atingir uma audiência maior aqui no blog. Vale gastar uns minutinhos do seu tempo para assistir (ou rever se você já o tinha visto) e quem sabe indicá-lo para os amigos no intuito de explicar um pouco mais sobre esse seu “hobby esquisito”. Prestando atenção você encontra até uma miniatura pintada por mim e que já apareceu aqui no blog.

Grande abraço.

I’ve just heard through the grapevine a piece of news which makes me feel like I’m back to Colonialism times. Back then the great empires of the time ruled the world determining trade routes and the flow of commerce itself. Back then, if you were a colony, the empire to which you belonged determined who could buy the goods you, as a colony, produced. Sounds weird today in a world where we often talk about global economy and where the internet has made the world a much smaller place right?

Well it seems the giant in the wargaming business has decided otherwise and thus is trying to bar independent retailers, those in Europe and in the USA, from selling to costumers in the southern hemisphere.

Communities in Brazil, Argentina and other affected countries have been ablaze as word has reached us that GW will soon enforce new terms and conditions regarding trade accounts which will, plainly speaking, be an embargo on the sales of GW products from independent retailers to costumers located in the southern hemisphere of the globe.

This rumour which was originated on at least 3 different sources in the UK and the US has been given some credence by Maelstrom Games owner, and pretty nice guy to boot, Rob who has replied to a topic in Warseer addressing the topic:

Guys,
I thought I’d better just add something here before we are misquoted or misrepresented – I’m not saying that’s happening in this thread, I just want to make sure that doesn’t happen!

Games Workshop told me their new terms and conditions regarding trade accounts on Wednesday, but they have asked me to not reveal what was said until Monday the 16th of May, which is when they will reveal them to the general public. At that point we will inform all our customers what is happening.

Cheers

Rob
Maelstrom Games Ltd

 

Even though Rob’s reply doesn’t specifically confirm or deny the rumours his answer does show that some sort of change will be put in effect and that is enough to make hairs rise around here.

Previouslly this week, when we first heard about this rumour we contacted Rob’s store to check the information and and employee did respond saying he har heard something along the lines of this rumour.

There’s no reason to justify such an action other than compelling local hobbyists to buy from local distributors which, in all honesty, sounds like a phony attempt to solve a problem by circumventing the true cause.

You might have read on this very blog a while ago about GW finally touching down in Brazil through a local distributor (we reported it here). Well I’m sad to report that initiative has failed. Miserably. Due in no small part to the prices set by the local distributor people simply opted to keep on buying from abroad. Buying directly from GW and paying not only for shipping but also the absurd import taxes in effect in Brazil was still A LOT cheaper than buying from the sparse local gaming stores which carried GW products. Suffice to say that once the local distributor decided to cut his losses and lowered his prices to reasonable levels, the sales soared. Pretty much all they had in stock is gone. Te few kits still available through their online store are the ones still unreasonably priced.

I have no news of how the GW business fares in Australia and in Argentina but here in Brazil such policy of not letting independent retailers abroad selling to costumers here, if really put in effect and enforced by GW, will effectively cut us out of the hobby as, at least for now, we have no seller or distributor of the GW business down here.

To add insult to injury it has transpired that GW is indeed looking for a new business partner in Brazil and the company who’s been negotiating to be the distributor down here, “Legends do Brasil”, is a terrible trader with a well known, and well documented, history of selling products and not delivering them nor giving the proper refunds effectively conning people out of their money. A simple search on google shows, literally, hundreds of complaints against the store and its owner, Sandro Viviani (more complaints can be found here and here and here and here … phew! – IN case you do not speak portuguese use the Google Translator, as that should give you an idea of the sort of company GW is negotiating with). You can’t believe GW would be so careless in choosing a business partner right? Well “Legends do Brasil” clearly states they’re doing so in their blog and on a post on “Warhammer Brasil” earlier this week. Suffice to say brazilian hobbyists, aware of “Legends do Brasil”‘s infamy are dreading such partnership.

In the end, I do believe I am the person more qualified to judge to whom I should entrust my hard earned coin and my trust. If I have been buying from Rob at Maelstrom or Neal at The Warstore for so long there’s a reason I have chosen to do so. Hence I shouldn’t be forbidden to go on doing so, or worse, see myself obliged to buy from a disreputable seller because GW can’t seem to find a business partner who understands that paying 300 dollars for a starter box is extremely unreasonable.

Guess we’ll all have to wait until Monday to see how this turns out but communities in affected countries already have their worrying hats on. This might well be the end of the hobby in Brazil. Guess we could always go play Infinity or Warmachine in the end.

Cheers!

 

Salve Leitor!

 

Guardei o melhor pro final!

 

Como dizia outro dia o 40K é mesmo o meu favorito “gaming wise” mas tenho um “soft spot” em relação às miniaturas de fantasy talvez porque tenha jogado RPGs com temática medieval por muito tempo em minha adolescência usando justamente as miniaturas de Warhammer para representar os personagens dos jogadores e os monstros por eles enfrentados.

 

Foi assim que a miniatura que pintei pra categoria Warhammer do torneio realizado no EIRPG entrou na minha coleção. Anos atrás em uma de minhas viagens adquiri a miniatura desse lorde anão, o Slayer King of Karak Kadrim Ungrim IronFist, tencionando usá-la em partidas de RPG, desde então ele passou anos em uma de minhas caixas de miniaturas até que tive a feliz idéia de prestigiar o evento com uma miniatura clássica.

 

A feliz idéia me rendeu o ouro na categoria.

 

Fiquem com as fotos:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Até a próxima.

 

 

 

Hello there.

 

The last of the models I was left to show here was the one which won the gold the Slayer King of Karak Kadrim Ungrim IronFist bought years ago on a trip to the UK and which had been ever since living on a dark miniatures box in my closet.

 

I decided to take a classic miniature to compete in the Warhammer category which turned out to be a great idea in the end don’t you think?

 

Pretty happy with the way this turned out. Left me eager to paint me a few more fantasy models sometime soon.

 

Cheers!

 

Hello there.

 

If you’ve been reading this for a while you’ve surely read my impressions on the EIRPG (international role playing game encounter) on which Games-Workshop made it’s debut in Brazil (if not please check it here).

 

As I said then I was able to take part in the painting competition held there and was happy enough to win me a couple silvers and a gold. It’s been a while since then but I’ve finally found the time to snap some pictures of the models I’ve entered in the competition. No I’ll not show them here today as I still have to upload them but keep your eyes peeled here as they’re bound to show up in a day or two (there’s a couple of pictures in which they appear on the article I’ve linked elsewhere so do make sure to check it now if you may).

 

Not to leave you faithful reader empty handed, or without an “eye candy” if you may, I leave you today with a link to a video which shows a bit of the afore mentioned event (if you wait a little bit you’ll get to see the buzz around the GW stand and a few of the locals having a go at the tournament – it’s in Portuguese mind you).

 

So that’s it for today. Do come back soon.

 

Cheers!

 

 

 

Salve Leitor!

 

Já faz um tempo que estou devendo por aqui as fotos das miniaturas com as quais participei no torneio de pintura realizado no EIRPG (encontro internacional de RPG) realizado em São Paulo em julho de 2008. EIRPG? Concurso de pintura? Se você perdeu a nossa resenha do evento não deixe de conferi-la aqui.

 

Pois bem, depois de meses aproveitei o dia de hoje para tirar algumas fotos das miniaturas, porém elas ainda não darão o ar da graça por aqui nessa atualização já que pra variar não descarreguei as fotos ainda (mas é possivel ver algumas delas nas fotos que ilustram o artigo sobre o EIRPG então confira de novo mesmo que você já tenha lido).

 

Pra remediar o furo vou deixar o link de um vídeo com imagens do evento: “Veja como foi o 16º. EIRPG em São Paulo”.

 

No mais é isso. Nos próximos dias as fotos estarão por aqui então por favor visite-nos de novo.

 

Abraço e até a próxima.

Hello there!

 

It’s been a while since I’ve last shown some loving to my English speaking readers around here on “The Painting Frog”. I’ll try to make amends today.

 

I’ve just gotten home from a 3.714 kilometers journey to attend Latin America’s biggest Roleplaying Game’s convention: The 16th EIRPG (International Role Playing Game Encounter) held in São Paulo on the 5th and 6th of July.

 

No I’m not changing the blog’s subject. I was once a roleplayer but this is still a wargaming blog. The reason I took the time to visit the 16th EIRPG is because it was there Games-Workshop made its debut to the gaming community in Brazil.

 

No, we don’t have GW stores around the country yet. GW’s games are going to be distributed in Brazil by Hobby Depot a Brazilian company whose focus so far had been the radio controlled models and whose owner, Mr. Djalma Araújo, believing in the potential of the market has decided to take up wargaming in its catalogue and thus selected the biggest company out there.

 

To handle business down here Hobby Depot has selected a personal friend of mine, Silvio Martins, whose years of expertise on the gaming and roleplaying game editorial market and knowledge of the wargaming hobby will surely prove useful in the years ahead. They couldn’t have chosen a more able person.

 

It just goes to prove it was a right choice that Silvio has delivered the most successful stand of this year’s EIRPG. Hobby Depot/GW’s booth was by far the biggest hit around. Crowded everyday round on the two days of the event people were literally elbowing each other for a chance of playing a demo game or two on one of the tables which showcase the three main games currently carried by GW: Lord of The Rings, Warhammer and Warhammer 40.000.

 

The booth:

 

 

 

 

 

The demo tables:

 

 

 

 

The painting table:

 

 

Another popular choice amongst visitors was the painting table, transformed in two tables on day two to accommodate the eager attendees which kept coming back for more, that presented everyone with a chance to paint his very own model and as an added bonus take it home as a gift.

 

At the end of the day the booth proved to be a huge success and delivered its objective which was to showcase GW’s games to an enormous public of potential hobbyists.

 

There were two international guests at the event. The first of them, Mr. Joaquim Meier from Argentina owns Warzone and is the exact counterpart in that country of Mr. Araújo and the Brazilian Hobby Depot, being in charge of representing and distributing Games Workshop’s products for gamers and retailers in the neighboring country.

 

The second of them was Mr. Ricard Fortun Martinez, a GW UK employee who is part of the retail team being in charge of Latin American markets the likes of Portugal and the aforementioned Brazil and Argentina. There was a huge hype going around when people first heard we were going to get a GW representative down here for the event. People where expecting the likes of GW’s employees who attend international events like Games Day and who would be willing to share on the future releases and showcase some models. None of that happened. Somehow Mr. Martinez seemed unwilling to divulge or discuss future releases for the hobby leaning on pre-made phrases when inquired about the future. “We don’t tell you what you want to know. We tell you what you need to know”. I understand he might not have been allowed to discuss anything down here but even the man himself, Jervis Johnson, is known to throw a bone around. Too bad he wasn’t here.

 

To make matters worse Mr. Martinez made it clear that the established fanbase in Brazil was not Games Workshop’s biggest concern, the company’s focus being bringing new hobbyists into the fold.

 

As disappointing as GW’s employee might have been it was still nice to see Mr. Martinez around. It shows GW is serious about doing business in Latin America and proves that we can expect solid support from the company, or it’s distributor down here, sometime soon. And it’s not all bad news for the established wargaming community as the Hobby Depot team made it clear that no matter what company policies dictate they do not intend to leave veterans forgotten.

 

Their support was clear during the event as they also held, concomitantly to the demonstration booth, tournaments for the Warhammer, Warhammer 40.000 and Lord of the Rings games all of which were a huge success.

 

Bear in mind Brazil is a huge country and travelling around it costs as much (or more) as it would cost for an American to attend Games Day UK or for someone to travel a round European countries. Add that to the fact that the gaming community here is scattered all over the country and you get the big picture: it’s not often we get to see each other down here. You can see how big an event like that is on the local scene.

 

Having said that I must mention it was a blast to meet old friends and make new acquaintances amongst the members of the Brazilian community (which gathers on the national forum devoted to GW’s games: Warhammerbrasil) who attended the event. That’s a big part of taking part in events and tournaments like this.

 

Not only did we have a gaming tournament but a painting competition was also held during the event, in which we had some tough entrants. I was amazed at the quality of the paintjobs displayed especially because good painting supplies are not readily available in Brazil. I entered the painting competition with a model in each of the three existing categories (Lotr, Warhammer and Warhammer 40.000 models). I didn’t have high hopes of winning, as I didn’t have much time to finish my entries so I was gladly surprised when I managed to win silver in the LoTR and Warhammer 40K categories and a gold in the Warhammer one. I was really happy when a longtime internet friend who I had met “in the flesh” for the first time there and who was in turn attending his first gaming event ever  snatched gold in the LoTR category with a marvelous Rohirrim Standard bearer.

 

The painting competition entries:

 

 

 

All in all the booth was a huge success being talked about by every single person who attended the 16th EIRPG. It showcased the true potential for the wargaming hobby in Brazil and can surely be interpreted as a sign of things to come. One can dream about having a Games Day –Brazil someday.

 

See you around soon.

 

Salve Leitor.

 

Acabo de retornar do 16º. EIRPG (Encontro Internacional de RPG) realizado pela DEVIR  onde pela primeira vez no Brasil tivemos a presença da Games-Workshop que entra agora no país comercializando sua linha de produtos através de uma distribuidora nacional.

 

O grande responsável pelo aporte da GW em “terras brasilis” é o importador e distribuidor “Hobby Depot”, cujo proprietário, Sr. Djalma Araújo, acreditou no potencial dos jogos de estratégia (wargames) no Brasil e contrariando antigas crenças encarou o desafio de distribuir as linhas Lord of The Rings, Warhammer e Warhammer 40.000 por aqui.

 

A Hobby Depot já vinha atuando no mercado de hobbies e modelismo desde 2003 e diversificando agora sua área de atuação abraça os wargames associando-se a maior gigante desse mercado. Para gerenciar a nova linha de produtos a empresa apostou no “know how”, competência e larga experiência na área editorial ligada ao entretenimento de um grande amigo, Silvio Martins, a quem incumbirá à divulgação e gerência das linhas de jogos da GW no país.

 

Depois de ter conferido em primeira mão o cometimento da empresa com o hobby acho que posso dizer que o futuro é sim bastante promissor.

 

De longe o stand montado pela Hobby Depot/Games Workshop foi o mais movimentado de todo o evento. No local instalou-se um verdadeiro tumulto durante os dois dias onde jogadores sequiosos se acotovelavam para experimentar partidas de Warhammer (“Battle for Skull Pass” capitaneadas pelo André “Zinho”), Lord of the Rings (“Mines of Moria” capitaneadas pelo Felipe “Ferrezuelo”) e Warhammer 40.000 (“Battle for Macragge” capitaneadas pelo Socrates “Peacecraft”) ou mesmo para experimentar a outra faceta do hobby pintando uma miniatura e levando-a para casa como um “mimo” oferecido pela empresa.

 

O Stand:

  

 

 

 

 

 

 Demo de Warhammer 40.000:

 

 

 

 

Demo de Warhammer:

 

 

 

 

Demo de LoTR:

 

 

 

 

Mesas de pintura:

 

 

 

 

Enquanto isso todo o time da Hobby presente ao evento dava um show no atendimento aos clientes, já demonstrando conhecimento do produto que trouxeram ao país, habilmente conduzindo as vendas enquanto os produtos, notadamente as caixas introdutórias ao jogo sendo demonstradas ali pertinho, voavam das prateleiras.

 

A única critica que podemos tecer aqui seria no sentido de que a empresa tivesse acreditado um pouco mais no potencial do evento diversificando ainda mais a linha dos produtos ali oferecidos. Produtos como codexes variados (livros de regras) tintas e pincéis disponibilizados individualmente foram ausências notadas não só pelos veteranos mas também pelos novatos interessados em adquirir tais produtos.

 

Concomitantemente as demonstrações do stand principal rolavam no anexo os torneios de Warhammer 40.000 (no sábado dia 5) e Warhammer e Lord of The Rings (no domingo dia 6) que atraíam tantos curiosos quanto o stand principal sendo que em determinado momento era impossível dissociar os dois espaços tamanho o fluxo de pessoas.

 

O Evento contou ainda com a presença de dois visitantes internacionais. O primeiro deles, Sr. Joaquin Meier/Warzone, é a contraparte Argentina do Sr. Djalma Araújo/Hobby Depot importando e distribuindo os produtos da Games-Workshop para lojistas daquele país. Lá como aqui o hobby parece estar em boas mãos e o Sr. Joaquin pareceu empolgado em mais ações futuras em conjunto com os brasileiros.

 

O Segundo convidado internacional foi o Sr. Ricard Fortun Martinez, funcionário da Games-Workshop UK e responsável pelas contas de países latino americanos, dentre eles Portugal, Brasil e Argentina.

 

A presença dos estrangeiros no evento se restringiu à circulação de ambos pelo stand de demonstração onde colaboravam na demonstração dos jogos e avaliavam o interesse das pessoas que adentravam o stand. Como pontuou um amigo foi legal ver os caras se esforçando pra falar português ao ensinar os jogos para os interessados.Além disso eles foram os responsáveis por julgar as miniaturas participantes do torneio de pintura. Infelizmente para aqueles que esperavam a presença de um representante da GW UK nos moldes daqueles que são enviados aos eventos realizados na Europa e nos Estados Unidos a presença do Sr. Ricard Martinez foi decepcionante. Embora tenha se declarado um hobbista ele se mostrou pouco propenso a discutir o hobby em si bem como novidades e futuros lançamentos com os veteranos que estavam presentes no evento. Talvez porque sua área de atuação seja justamente nos aspectos financeiro e logístico da empresa talvez por má vontade fato é que quando perguntado acerca de novidades futuras ele sacou uma resposta chavão “We don’t tell you what you want to know. We tell you what you need to know” (algo como “Nós (GW) só te dizemos o que nos interessa que você saiba”).

 

O mesmo Ricard Martinez deixou bem claro que o interesse da empresa nos novos mercados (Brasil e Argentina) é angariar novos jogadores. Segundo ele os veteranos de hobby não seriam o público alvo da empresa em um primeiro momento e não contribuem para a chegada da GW ao país. Tal posição nos causa estranheza vinda de um funcionário da Games-Workshop que organiza anualmente em todo o mundo um dos maiores eventos dedicado ao hobby e que tem por grande parcela de público os infames “veteranos”. Vai entender.

 

Ainda assim não há motivos para alarde já que o gerente de produto, Silvio Martins, bem como o próprio Sr. Djalma acenaram com a devida atenção aos veteranos brasileiros em suas ações futuras. Essa atenção é, a meu ver, a grande novidade do evento já que tanto o Sr. Djalma quanto Silvio deixaram clara a intenção de organizar e viabilizar a participação de hobbistas brasileiros não só em eventos da América Latina como também em outros países do mundo. Só empresta credibilidade o fato da empresa ter, a despeito de qualquer orientação contrária, com auxilio de colaboradores retirados da própria comunidade veterana o maior evento desse tipo já realizado pela GW na América Latina, bem como organizado e premiado um torneio direcionado aos veteranos no mesmo evento.

 

Penso que podemos creditar essa atenção ao público veterano à experiência prévia do Sr. Djalma Araújo. No aeromodelismo, como nos wargames, o cliente novo compra sim um primeiro kit para experimentar o hobby mas é o aeromodelista veterano que continua voltando para comprar novas peças e novos kits radio controlados. O mesmo acontece em relação aos jogos da Games-Workshop.

 

Falando do torneio acredito que o mesmo tenha atingido seu objetivo permitindo que todos os participantes se divertissem ao longo do evento. Foi muito legal rever os amigos do fórum brasileiro dedicado aos jogos GW (Warhammerbrasil) bem como conhecer diversas “caras novas” do cenário brasileiro.

 

Outra coisa muito legal dos torneios é que, com exceção de alguns armies de Warhammer parcialmente pintados, TODOS os exércitos apresentados no torneio estavam pintados. Fantástico.

 

  Foi recompensador ter participado do torneio de pintura realizado no evento e poder assistir o trabalho de grandes amigos como receber a atenção devida ao ser agraciado com prêmios. Merecem relevo o “debut” do Danilo “Dan” Peixoto que em sua primeira aparição “pública” levou nada menos que o ouro na categoria senhor dos anéis e o bronze na categoria warhammer 40.000 e o “Killa Kan” do Sócrates (um “scratchbuild” fantástico) que garantiu ao cara o ouro na categoria Warhammer 40.000.

 

Miniaturas inscritas no torneio de pintura:

 

 

 

 

A classificação final dos torneios realizados no evento foi a seguinte:

Warhammer.

 

Melhor General:

 

  1. João Marcelo “JM” – Wood Elves.
  2. Wodan – High Elves.
  3. Thomas “Tom” Gregory – Beasts of Chaos.

 

Campeão Geral:

 

  1. João Marcelo “JM” – Wood Elves.

 

Warhammer 40.000.

 

Melhor General:

 

  1. Daniel “SNK” – Eldar.
  2. Michel “Brastar” – Chaos Space Marines.
  3. Marcos “Mordechai” – Black Templars.

 

Campeão Geral:

 

  1. Luciano “Paintmaker” – Space Wolves.

 

Lord of The Rings:

 

Melhor General:

 

  1. Kazo – High Elves (12 pontos / 1001 Battle points)
  2. Tupinambá – Rohan (10 pontos / 648 Battle points)
  3. Guilherme – Isengard (10 pontos / 624 Battle points)
  4. Elderic – High Elves e Moria (4 pontos / 438 Battle points).

 

No torneio de pintura ficamos com a seguinte classificação:

 

Warhammer 40.000:

 

  1. Ouro – Killer Kan by Socrates “Peacecraft” Kentaro.
  2. Prata – Imperial Guard Ogryn by Estevão “Gereth”.
  3. Bronze – Dark Angels Librarian by Danilo “Dan” Peixoto.

 

Warhammer:

 

  1. Ouro – Dwarf Lord by Estevão “Gereth”.
  2. Prata – Mago High Elf by Luciano “Paintmaker”.
  3. Bronze – Mago High Elf by “Wodan”.

 

Lord of The Rings:

 

  1. Ouro – Rohirrim Standard Bearer by Danilo “Dan” Peixoto.
  2. Prata – Gollum by Estevão “Gereth”.
  3. Bronze – Rohirrim Rider by “Tupinambá”.

 

Pra não dizer que não houve novidades no evento cabe mencionar que foi demonstrada durante o torneio a nova “markerlight” da GW para a 5ª. Edição. Nada mais que uma laser pointer para ajudar a determinar a linha de visão (Line of Sight) o gadget conta com um suporte para apoiar no ombro da miniatura e projeta um alvo (crosshair) sobre o inimigo. Não é imprescindível mas com certeza é legal o suficiente pra garantir que teremos algumas circulando em eventos futuros.

 

No mais é isso. Acho que qualquer outra coisa seria repetir o que já foi dito, nos resta agora cruzar os dedos e esperar que a fantástica recepção aos produtos GW que pudemos assistir no stand do EIRPG se traduza em ainda mais jogadores e claro em ainda mais eventos do mesmo porte e brilho. E quem sabe sonhar com um Games Day – Brasil… Não custa nada não é?

 

A galera no final do evento:

 

  

 Até a próxima!

 

 

 

 

Salve Leitor!

“Baltimore de novo?” Sim Baltimore de novo. Parece que mais e mais fotos estão pipocando por toda a internet a medida que as pessoas que compareceram ao evento voltam pra suas casas e descarregam suas câmeras. Só nos cabe reportar.

Lembram-se da Collector’s Range que mencionamos aqui? Aparentemente a miniatura Tau que comporá a linha não é um Air Cast Pilot como originalmente apontado mas sim um Piloto de Armadura Tau.

Temos ainda novas fotos do Kroot Shaper mostrando mais detalhes da peça.

E por fim um Lizardmen, possivelmente um Kroxigor, porém sem indicações se ele seria da linha de colecionadores de Fantasy (mais provável) ou um lançamento futuro.

Abraços e até a próxima (que pode ser ainda hoje, ou não).

Salve Leitor!

Temos uma rápida atualização hoje com mais algumas fotos do Games Day Baltimore que aparentemente haviam escapado do nosso primeiro post sobre o evento.

Já havia comentado no post anterior que a GW mostrou em Baltimore diversos modelos que integrariam sua linha para colecionadores (Collector’s Range) destacando os modelos que comporiam essa linha para o 40K.

Como não poderia deixar de ser existe também uma linha de colecionadores devotada ao Warhammer da qual algumas miniaturas também puderam ser vistas em Baltimore. Dessas de longe a mais interessante para um jogador de Warhammer 40K são os “Ammo Runts” que podem ser facilmente empregados por qualquer Warboss do 41º. Milênio.

Além dos “Ammo Runts” foram mostrados em Baltimore um Clérigo Imperial, uma miniatura chamada “Ratcatcher” (Apanhador de Ratos) e uma peça representando a infame regra “Animosity” dos Orcs.

Outra coisa legal que foi vista pela primeira vez nesse Games Day foi uma das peças em que a Forgeworld estaria trabalhando para compor o pacote de upgrades para o kit plástico do Trukk Ork produzido pela GW. É só um motor, mas dá uma boa idéia do potencial dos upgrades.

Temos ainda uma foto mais próxima do Warboss Ork da nova caixa básica do 40K. Esculpido por ninguém menos que Seb Perbet a miniatura impressiona por ser um modelo “Snap Fit” (mais fácil de montar e com menos peças) e ainda assim possuir imensa quantidade de detalhes e personalidade.

Outra do Games Day que tem deixado jogadores e colecionadores mundo afora ensandecidos é a miniatura do Azhag The Slaughterer. “AZHAG THE SLAUGHTERER?!?” É… Na época em que foi lançado o army book Orcs & Goblins para o Warhammer surgiram rumores acerca de uma espetacular miniatura do Azhag montado em seu Wyvern. Aparentemente seriam só rumores já que tempos depois ela ainda não foi lançada certo? ERRADO!!! A miniatura foi realmente esculpida e é ESPETACULAR, porém problemas com a reprodução da base no molde teriam evitado que ela fosse lançada. Especula-se que a GW estaria trabalhando em uma nova base para finalmente lançar a mini. Espero que sim pois como vocês podem ver a miniatura é realmente espetacular.

E por fim a outra estrela do Games Day. Se existe justiça nesse mundo essa miniatura tem que ser lançada já que é o dragão mais legal que a GW já fez. Compareceu ao evento a escultora Trish Morrison em cujo display se encontrava o dragão das fotos a seguir. Para desespero de muitos (eu incluso) ela teria afirmado ter esculpido o dragão “for fun” e que ele nunca seria lançado. Outros começama a afirmar que ele seria um lançamento futuro da Collector’s Range de Warhammer. Resta esperar pra ver.

Até a próxima!

* Algumas das fotos utilizadas para ilustrar este artigo foram utilizadas sem autorização de seu proprietário. Some of the photos used to ilustrate this article were used without the consent of its owner.