Posts Tagged ‘Entrevista’

 

 

Hello there.

I bring you today the third, and final, interview with the winners of the “Da Fork of Mork III” Tournament.

If you’re a regular here you’ll probably already know this, but for the sake of any newcomers I shall repeat myself. I’m from Brazil and this country is huge. It should come as no surprise that our gaming community is spread all across our continental country hence most of us only know each other through the internet, either by chatting over at MSN or through exchanging messages at the Brazilian web forum.

Our interviewee today is one such guy. I’ve known Cristiano “Normal” for a while now, we first met over the internet but since then I’ve had the privilege of meeting him in person when he attended an earlier edition of the Fork of Mork (or was it a Spoon of Gork?) bringing alongside him his incredibly painted Orks. I was in awe of his models and not only remember bugging him about what colors he had used on his Ork’s flesh but also havea been following, with enthusiasm, his exploits in the wargaming world. Here’s some examples of his early work:

 

 

 

If we lived in The Matrix back then, I would have said Normal was one of the “potentials”. Has he become “The One” yet? I won’t know for sure but he surely has been taking large steps towards that. It came as no surprise to me when I was told he had won the 1st place prize for “Best Painted Army” and “Overal Champion” to boot.

Again I’ll let you, the reader, be the judge of how accurate his conquests were judging from the following photos taken from his army:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Incredible right? I know. I was flabbergasted as well when he first started churning out his Space Marines. Well I’ll let the man speak for himself now. Here are his answers to our questions:

 
+++

 
The Painting Frog: First of all I’d like to congratulate you not only for winning one of the “Best Painted Army” prizes awarded at the Fork of Mork III tournament but also the “Overall Champion” prize. What are your considerations about the event? Were there any negative aspects to it? What could be improved in future editions of it? What would you like to see in a 4th FoM?

Cristiano “Normal”: Thanks! The event was really nice, the place is great, broad and with easy access from the subway, the gaming tables were fantastic, which gives an extra flavor when we play on them. The choices for the missions were very good too, giving a good variety for the games since every match had a different objective; I think this is much better than just hacking and slashing. I don´t remember anything negative from the event, except maybe the low number of attendants that was fewer than I expected. I don´t know if anything could be done about this, everybody has their own agendas, maybe not all can attend a 2 days event. In a FoM IV I expect to meet new people and meeting the others that are always there.

The Painting Frog: You’ve won the first prize at the “Best Painted Army” category awarded at the 3rd FoM with a Space Marine army. Could you comments on the reasons why you chose this army and about the assembly and painting process you adopted with it?

Cristiano “Normal”: The Marines were one of my first choices when I started with the hobby, perhaps because of the starter set (Battle for Macragge), along with the Tyranids. But I fell in love with the Orks and for about 2 years I dedicated myself only to them. At the beginning of 2011 a motivational challenge was started at the Warhammer Brasil forum and I decided to assemble them, and at the same time take a break from the Orks, since assembling and painting a horde can be quite exhaustive. I began choosing a color that I like (blue) at the same it is easier than painting reds or yellows. The first thoughts were to build an Ultramarines army, but in the end of 2010 I decided to create my own chapter, and after a lot of research on the web I decided to build them directly associated with the Adeptus Mechanicus. Despite the “official” colour for them being red, I kept the blue simply because I like it, but to separate them from the Ultramarines, I chose a tone of grey for the shoulder pads, weapons and vehicles. After this, I just fitted these colours in the “fluff” that I´m still writing. It was also my opportunity for more serious “scratchbuilding” and developing my skills with freehands.

The Painting Frog: The paintjob displayed on your army is really eye catching, especially on the tabletop. The weathering techniques used on them are really incredible. What are your tips for players aiming to achieve a similar result? What is your advice for the player who’s never able to finish painting his army?

Cristiano “Normal”: One must practice, a lot, and be not ashamed on consulting other people or references, like someone else´s miniatures, tutorials or books; you can learn a lot from them, even the ones focused only on the basics. If you compare my first Rhino with my last Predator, you will notice that the weathering is different. At first it was only drybrushes, now is something much more elaborate (but still with some drybrush). You can practice on pieces of plasticard or sprues, or go straight for the model. I go for the 2nd option, I like the challenge of risking something different straight on the model; the tension and care to avoid mistakes help me refine the technique. Even so mishaps happen, but nothing a basic retouch can´t fix. The best tip I can give to someone paint an army, is that you must have patience, eventually you´ll finish hehe. And assume the task, of course. Whoever chooses to paint an Ork army will have more work than one that goes for Marines or Eldar.

The Painting Frog: In your opinion what was the differing feature from your army when compared to the others at the event that might have contributed for your position in the ‘best Painted Army” category?
Cristiano “Normal”: I believe it could be the extra attention I give to details, like highlights. I paint everything I see, and almost always I paint before assembling to make the work easier with some parts. If I did this only in a few models, the details are evident if you look closer, but having done in all of them, the overall effect is more beautiful and evident.

The Painting Frog: How do you approach building an army list for a tournament? What determines the inclusion of a given unit over another? What about painting an unit/army? When participating on a tournament such as the FoM III which rewards excellence in different aspects of the hobby, do you focus in a single one of them, in your case the painting?
Cristiano “Normal”: This is where it becomes catchy for me, since I have little experience with the game itself, but I try to fill a little of each role that can be useful in the match, like long range weapons, infantry for close combat and contest objectives, etc. But I think I have much to learn yet, I need to play more! As for painting, it is always better to paint a whole unit before the next, and have a good planning with color schemes for infantry and vehicles, to keep things more uniform. Unless the focus in the army is a large variety of colors between units. In the specific case of FoM III, my greater focus really was the painting, since I know I´m not the most experienced player (I rarely play), I did my best to get the most points I could with the painting.

The Painting Frog: What’s your opinion about the importance of painting an army in order to accrue points and compete in the “Overall Champion” category in events such as the 3rd FoM?

Cristiano “Normal”: It´s essencial! See my case, with the points from painting, I jumped from a 4th place as general to first overall! This was also an advice you (Estevao from The Painting Frog) gave me at the 2nd FoM in 2009, and if I recall you were also overall champion like this.

The Painting Frog: Finally what are your tips for other players that wish to become more proficient in painting and want to win painting prizes at tournaments? What are your future plans for your Space Marines? Any tournaments you look forward to attending?

Cristiano “Normal”: Paint you army with this goal in mind, and not only to have a whole painted army. Is like entering a contest, you seek to give your best. My next step with my Marines will be to add a few other units to make the list more competitive, at the same time expanding the army to Apocalypse with some super-heavy vehicles and titans, and also the complete 2nd company. I intend to dedicate the next year (2012) for this, and also for my Orks! But no other tournaments in sight for now, just waiting for the next FoM!

 

+++

 
And with that we wrap up our series of articles about Da Fork of Mork III. I hope not only to have instilled in you the desire to participate in organized competitive gaming but also to have contributed that you do so with information which might contribute, not only for your victories on the tournament field, but also to your overall enjoyment of the hobby

See you around soon.

 
+++

 
Salve Leitor.

Pra finalizar a sequencia de artigos sobre o “Da Fork of Mork III” trago hoje a última das entrevistas realizadas com alguns dos vencedores do torneio.

Posso começar falando que se tivesse rolado um bolão sobre os resultados do FoM III eu teria acertado pelo menos 3 deles. Assim como cantei a bola de que o Tavitin levaria o prêmio de “Melhor General” eu também apostei no Cristiano pra levar “Melhor Army Pintado” e “Campeão Geral”. Bola de cristal em casa? Não, acho que foi mesmo conhecimento de causa.

Assim como sabia que o Otávio vinha mandando muito bem jogando com os Dark Eldar (ainda mais levando em conta o desempenho do cara no Torneio Polar onde ele esbugalhou seus competidores) eu, e o restante da galera do Warhammer Brasil, pudemos acompanhar a construção do exército de Space Marines do Cristiano “Normal” ao longo de 2011 e, a menos que alguém surpreendesse aparecendo com um army nunca antes visto, era claro pra mim que esse prêmio seria dele.

Pra quem ainda não o conhece o Cristiano “Normal” já é um dos veteranos da comunidade e desde que ele apareceu com seus Orks numa edição anterior do FoM (ou seria um SoG?) venho acompanhando o fantástico trabalho do cara. As fotos que abrem este artigo mostram justamente esse trabalho anterior.

Se o cara já se esmerava na pintura dos Orks (e nas conversões já que a buzzsaw do kopta que ilustra o artigo não é nada menos que incrível) o que dizer desse army de Space Marines? Executado com maestria o army é impecável e mostra um dos “weatherings” (envelhecimento) mais fantásticos que já vi executados em um exército brasileiro. Pra não ficar soando como um fã babão do trabalho do cara deixo uma vez mais que as fotos que ilustram o artigo ilustrem meu entusiasmo.

Assim, sem mais enrolação, as respostas do Normal as nossas perguntas:

 
+++

 
The Painting Frog: Em primeiro lugar parabéns por sua colocação na categoria “Melhor Exército Pintado” no torneio Fork of Mork III. Quais são suas considerações acerca do evento? Houveram aspectos negativos? O que poderia ser melhorado em edições futuras? O que você gostaria de ver num FoM IV?

Cristiano “Normal”: Obrigado! O evento foi muito bom, o lugar é ótimo (o mesmo do FoM II), é amplo e de muito fácil acesso, e as mesas estavam fantásticas, o que dá um gostinho a mais na hora de jogar. A escolha e preparação das missões foram muito boas também, o que deu uma boa variedade nos jogos, já que cada partida tinha um objetivo diferente; eu particularmente acho isso muito melhor do que o mata-mata tradicional. Não me recordo de nada que tenha afetado negativamente o evento, exceto talvez o número de participantes, que foi menor do que eu esperava. Não sei o que poderia ser feito pra incentivar mais gente a ir jogar, cada um tem suas ocupações e talvez nem todos possam se dedicar à um evento de dois dias. No FoM IV espero ver mais gente nova e voltar a encontrar o pessoal de sempre!

The Painting Frog: Você venceu na categoria “melhor Exército Pintado” no FoM III com um exército de Space Marines. Você poderia tecer alguns comentários acerca da escolha desse exército e do processo de pintura e confecção do mesmo?

Cristiano “Normal”: Os Marines foram uma das minhas escolhas iniciais quando comecei no hobby, talvez pela facilidade da caixa básica (Battle for Macragge), juntamente com os Tyranids. Mas acabei me apaixonando pelos Orks e por uns 2 anos me dediquei só a eles, praticamente. No ínício de 2011 houve a abertura dos tópicos do Desafio Motivacional no fórum Warhammer Brasil e decidi começar a montá-los, ao mesmo tempo que tirava um descanso dos Orks, já que montar e pintar uma horda pode ser um tanto enjoativo. Comecei escolhendo uma cor que eu gosto, azul no caso, ao mesmo tempo que é mais fácil de pintar do que um vermelho ou amarelo por exemplo. A idéia original era fazer Ultramarines, mas no fim de 2010 decidi criar um Capítulo, e depois de pesquisar bastante na net, decidi fazê-los diretamente ligados ao Adeptus Mechanicus. Apesar da cor oficial do Mechanicus ser o vermelho, mantive o azul simplesmente por gosto pessoal, e pra não ficar igual demais aos Ultramarines, escolhi um tom de cinza para as ombreiras, que depois também seria usado nas armas dos marines, assim como nos veículos. Depois dei um jeito de encaixar essas cores no “Fluff” que ainda estou bolando. Foi a minha oportunidade também de começar a praticar “scratchbuilding” e desenvolver pinturas à mão livre (os “freehands”).

The Painting Frog: A pintura do exército realmente chama a atenção na mesa de jogo. Em especial as técnicas de envelhecimento (weathering) empregadas. Quais são suas dicas para quem busca um resultado semelhante? Quais são as dicas para o jogador que não consegue terminar de pintar seu army?

Cristiano “Normal”: Tem que praticar, bastante, e não ter receio de consultar outras pessoas ou referências, como fotos de outras miniaturas, tutoriais ou livros específicos; dá pra aprender bastante com eles, mesmo os que se concentram mais no básico. Quem fizer alguma comparação entre o meu primeiro Rhino e o último Predator, verá que o weathering é diferente. Inicialmente era apenas “drybrush”, agora é algo bem mais elaborado (mas ainda há etapas de “drybrush” hehe). Você pode praticar em pedaços de plasticard ou de sprue, ou ir direto para o modelo. Eu uso a segunda opção, gosto do desafio de arriscar fazer algo diferente diretamente na miniatura; a tensão e o cuidado para não errar muito, me ajudam a refinar a técnica. Mesmo assim erros acontecem e fazem parte; nada que uma repintada básica no local não resolva. A melhor dica que acho que posso dar pra quem tem dificuldade em terminar de pintar um exército é ter paciência, eventualmente você vai acabar hehe. E assumir a tarefa, claro. Quem decide pintar um exército de Orks vai ter bem mais trabalho do que quem vai de Marines ou Eldar, por exemplo.

The Painting Frog: Em sua opinião qual foi o diferencial do seu exército em relação aos demais que possa ter contribuído para sua vitória?

Cristiano “Normal”: Acredito que tenha sido a atenção extra que dei aos detalhes e ao acabamento, como os “highlights”. Eu pinto tudo o que eu enxergo, e geralmente pinto antes de montar algumas partes, pra facilitar o trabalho. Se fosse só uma miniatura ou outra os detalhes só ficam evidentes olhando mais de perto, mas fazendo em todas, dá um visual geral mais bonito e evidente.

The Painting Frog: Qual a sua forma de abordar a confecção de uma lista para torneios? O que determina a inclusão ou não de determinada unidade? E no que diz respeito à pintura de uma unidade/exército? Ao participar de um torneio como o FoM III que premia a excelência em diversos aspectos do hobby você se foca em tão somente um deles, no caso a pintura?

Cristiano “Normal”: Essa parte é a que me pega, já que tenho pouca prática com o jogo em si, mas no geral eu procuro atender um pouco de cada função que pode ser útil no jogo, como armas de longo alcance, infantaria para bater no corpo a corpo e pegar objetivos, etc. Mas ainda acho que tenho muito a aprender nesse aspecto, preciso jogar mais haha. Quanto à pintura é melhor sempre pintar a unidade toda de uma vez, e ter um planejamento prévio com esquema de cores tanto para infantaria quanto para os veículos, assim fica tudo mais uniforme. A não ser é claro que o foco do exército que está sendo pintado seja a variedade de cores entre diferentes unidades. No caso específico do FoM III, meu foco maior realmente foi a pintura, já que sabendo que não sou exatamente um jogador experiente (raramente jogo), fiz o meu melhor para conseguir o máximo de pontos que pudesse com a pintura.

The Painting Frog: Qual sua opinião acerca da importância da pintura de um army para fins de pontuação na premiação da categoria “Campeão Geral” adotada no FoM?

Cristiano “Normal”: É fundamental! Veja o meu caso mesmo, que com os pontos de pintura, pulei de quarto lugar como general para o primeiro lugar na pontuação geral! Isso inclusive foi um conselho seu (Estevão) dado no FoM II em 2009 e se bem me lembro você também foi campeão geral de uma maneira parecida.

The Painting Frog: Por fim quais são suas dicas para outros jogadores que almejam ficar em primeiro lugar na categoria de pintura do exército? Quais são os planos futuros para seus Space Marines? Algum torneio em vista?

Cristiano “Normal”: Pintar o exército com esse objetivo em mente, não apenas para ter um exército todo pintado. É como participar de um concurso, você procura dar o seu melhor. Meu próximo passo com os Marines é montar e pintar algumas unidades para tentar deixar a lista mais competitiva, mas ao mesmo tempo com a intenção de expandir o exército pra Apocalypse com alguns super-heavy vehicles e titans, assim como a 2a companhia completa. Pretendo dedicar o próximo ano para isso, também para os meus Orks! Mas sem torneios em vista por enquanto, apenas aguardando o próximo FoM!

Grande abraço!

 
+++

 
E acho que era isso. Concluímos aqui a série de artigos focada no Da Fork of Mork III, esperando não só ter feito justiça ao trabalho dos organizadores, mas principalmente ter fornecido à você Leitor e colega de hobby subsídios para decidir, ou não, participar de um torneio e, em caso positivo, informações que o ajudem a se preparar para fazê-lo.

Até a próxima e um grande abraço.

 
+++

Hello there.

Today I bring you the second installment of our series of interviews with the winners of the “Da Fork of Mork III” tournament held in São Paulo, Brazil, in November 2011.

Hailing from Minas Gerais this was the first tournament (if I’m not mistaken) attended by Marcus “Arminor”, where he took home the prize for 2nd “Best Painted Army” of the event. Having painted a lot of Black Templars for a friend recently I can appreciate how much he invested into painting this beautifully painted crusade.

I’ll let the photographs speak for themselves:

 

 

 

 

 
Here are his answers to our questions:

 

+++

 
The Painting Frog: First of all I’d like to congratulate you for winning one of the “Best Painted Army” prizes awarded at the Fork of Mork III tournament. What are your considerations about the event? Were there any negative aspects to it? What could be improved in future editions of it? What would you like to see in a 4th FoM?

Marcus “Arminor”: I’d like to start by thanking the organizers of the event because they’ve given their blood in order to make the 3rd FoM a reality. This has been my first 40K tournament outside my hometown and it surpassed my expectations with great localization, pleasant and spacious environment and with gaming tables worthy of photos like those we see on GW’s website. I also have no complaints about the organization as everything went according to plan and I had a good time. I don’t believe there were any negative aspects but I hope that we have more players with painted armies on the 4th FoM. Anyone who missed this year did so at their own loss!!!

The Painting Frog: You’ve won the 2nd place prize for the aforementioned category with a Space Marine Army, Black Templars specifically. Could you make some comments about the reasons why you chose this army and about the assembly and painting process you adopted with it?

Marcus “Arminor”: Honestly I was surprised with my placement as I never imagined a “black army” would stand out amongst the “colored” ones which are more eye-catching. I’ve chosen the Black Templars because of their codex rules and the focus in close quarter combat but I have plans for another Space Marine army (Imperial Fists). Before I started painting I tried to convert and add variety to all miniatures. It took me three months to work on the army as I have little spare time so, sometimes, I invested all my weekend to speed up the process. I also researched a lot about colors and details so I could spice up the black base color and in the end I really liked the final result.

The Painting Frog: The paintjob of your army is really eye catching, especially on the tabletop. One thing I’d like to point out is the uniformity between the different units which are part of the army and the way you painted the templar cross in many of them. What are your tips for players aiming to achieve a similar result?

Marcus “Arminor”: My advice would be to do extensive research on the internet. The Warhammer Brasil forum has helped me a lot with tips on how to use the paintbrush, which paints to buy (I use Citadel and Vallejo), how to dilute the paint, etc. About the symbols I had to paint some of them (with a lot of practice) and for the decals I had to cut them really close to the symbol in order to make them sit properly on the uneven surfaces.

The Painting Frog: In your opinion what was the differing feature from your army when compared to the others at the event that might have contributed for your position in the ‘best Painted Army” category?

Marcus “Arminor”: I tried to follow what was dictated by the 3rd FoM’s manual when it came to points. As I didn’t have enough time to detail every single miniature I tried to cover the basic points in every one of them, finishing the basic level of scoring points, and then started working on the parts which set the army apart.

The Painting Frog: How do you approach building an army list for a tournament? What determines the inclusion of a given unit over another? When participating on a tournament such as the FoM III which rewards excellence in different aspects of the hobby, do you focus in a single one of them, in your case the painting?

Marcus “Arminor”: I research lists on internet forums to base mine on, but I believe that a well balanced list for tournaments should be tested against a variety of armies to present a good notion of what to use and what to leave out. I believe my list was well balanced to achieve 3rd or even 2nd place as “Best General” but I’ve made many tactical mistakes forgetting the objectives, perhaps given being nervous and emotional for attending a tournament, but also given the gaming level of the other participants. I should add that, overall, my hobby focus lies on gaming over painting.

The Painting Frog: What’s your opinion about the importance of painting an army in order to accrue points and compete in the “Overall Champion” category in events such as the 3rd FoM?

Marcus “Arminor”: Some play, others paint, and others game, paint and invest in this hobby. The return you get in satisfaction from it is really good and thus deserving of the “Overall Champion” title.

The Painting Frog: Finally what are your tips for other players that wish to become more proficient in painting and want to win painting prizes at tournaments? What are your future plans for your Black Templar crusade? Any tournaments you look forward to attending?

Marcus “Arminor”: My advice for other players is dedication, training and liking what you do. The future of my Black Templars is uncertain as we might get a new codex next year (2012) so, for now, I’ll wrap up the painting of my army e game against my friend. As for tournaments I’d like to attend: FoM IV!

 

+++

 
And that’s all for today. Next in line is our interview with the winner of 1st place “Best Painted Army” and “Overall Champion” prizes.

See you soon.

 
+++

 
Salve Leitor.

Conforme prometido trago hoje a segunda entrevista da sequência realizada com alguns dos jogadores brasileiros premiados na 3ª edição do Fork of Mork.

Nossa entrevista de hoje é com o Marcus “Arminor”. Oriundo das Minas Gerais, mais especificamente Belo Horizonte o pólo mineiro do Warhammer 40K, esse foi o primeiro torneio em que ele participou e já levou pra casa um dos prêmios de “Melhor Army Pintado” com seus Black Templars.

Sem muita rasgação de seda deixo as fotografias do army que ilustram o artigo apresentado falarem por si mesmas:

Também sem delongas a entrevista:

 
+++

 
The Painting Frog: Em primeiro lugar parabéns por sua colocação na categoria “Melhor Exército Pintado” no torneio Fork of Mork III. Quais são suas considerações acerca do evento? Houve aspectos negativos? O que poderia ser melhorado em edições futuras? O que você gostaria de ver num FoM IV?

Marcus “Arminor”: Primeiramente parabéns aos organizadores do evento pois deram o sangue para que o FoM III  fosse realizado.Este foi meu primeiro torneio de Warhammer 40k fora de minha cidade e superou minhas expectativas, ótima localização, ambiente agradável, espaçoso com mesas dignas de fotos que se vê no site da Games-Workshop. Quanto a organização nada a reclamar, tudo foi feito conforme estava previsto, no mas foi tudo de bom. Acho que não teve aspectos negativos, mas espero que no FoM IV aumente o numero de jogadores com todos os exércitos pintados. Quem não foi esse ano perdeu!!!

The Painting Frog: Você ficou em 2º lugar na categoria “melhor Exército Pintado” no FoM em São Paulo com um exército de Space Marines. Black Templars especificamente.  Você poderia tecer alguns comentários acerca da escolha desse exército e do processo de pintura e confecção do mesmo?

Marcus “Arminor”: Bom, sinceramente fiquei surpreso com minha colocação, pois nunca imaginei que um exército “preto” poderia se destacar entrou os “coloridos” que chamam mais atenção. Escolhi os Black Templars pelo Codex devido ao combate corpo a corpo, mas tenho planos para outro exercito de Space Marines (Imperial Fist). Antes de pintar tentei  converter e variar todas as miniaturas. Foram três meses de trabalho devido ao meu tempo curto e às vezes investia todo meu final de semana para acelerar o processo.  Pesquisei muito sobre cores e detalhes para destacar o “base color” de preto e no final gostei do resultado.

The Painting Frog: A pintura do exército realmente chama a atenção na mesa de jogo. Em especial a uniformidade entre as diferentes unidades que compõe o exército e a execução do símbolo templário em diversas delas. Quais são suas dicas para quem busca um resultado semelhante?

Marcus “Arminor”: Minha dica é pesquisar muito na internet. O fórum Warhammer Brasil me ajudou bastante sobre dicas de como usar o pincel, qual tinta comprar (eu uso as da citadel e vallejo), como diluir a tinta, etc. Dos símbolos alguns tive que pintar (com muita pratica) e os decal tive que cortar bem rente ao símbolo para adequar bem à superfície que não era plaina.

The Painting Frog: Em sua opinião qual foi o diferencial do seu exército em relação aos demais que possa ter contribuído para sua colocação?

Marcus “Arminor”: Tentei seguir o que dizia no manual do FoM III com relação aos pontos. Como não tinha muito tempo para detalhar cada miniatura resolvi investir geral em todas aplicando menos detalhes para concluir o básico na pontuação e depois passei para as partes que destacavam o army.

The Painting Frog: Qual a sua forma de abordar a confecção de uma lista para torneios? O que determina a inclusão ou não de determinada unidade? Ao participar de um torneio como o FoM III que premia a excelência em diversos aspectos do hobby você se foca em tão somente um deles, no caso a pintura?

Marcus “Arminor”: Pesquiso listas em fóruns para basear a minha, mas, acho que uma lista bem equilibrada para torneios deve ser testada contra vários exércitos para ter uma noção de que usar ou descartar. Acho que minha lista estava equilibrada talvez para conseguir um 3º ou 2º lugar, mas errei muito na estratégia esquecendo o foco do objetivo talvez pelo nervosismo e emoção de estar no torneio e também pelo nível de jogo dos participantes, mas em geral meu foco é mais no jogo do que na pintura.

The Painting Frog: Qual sua opinião acerca da importância da pintura de um army para fins de pontuação na premiação da categoria “Campeão Geral” adotada no FoM?

Marcus “Arminor”: Alguns jogam, outros pintam, outros jogam, pintam e investem nesse hobby. O retorno da satisfação que você tem é muito bom por isso merece o titulo de campeão geral.

The Painting Frog: Por fim quais são suas dicas para outros jogadores que almejam ficar em primeiro lugar na categoria de pintura do exército? Quais são os planos futuros para seus Black templars? Algum torneio em vista?

Marcus “Arminor”: Minha dica para outros jogadores é dedicação, treinamento e principalmente gostar do que faz. O futuro é incerto, talvez no próximo ano tenhamos o novo códex de Black Templar então no momento vou finalizar a pintura e jogar com os amigos. Torneio em vista…. FoM IV !

 
+++

 
E é isso por hoje. Em breve a última entrevista da seqüência com os ganhadores do FoM.

Até logo.

 
+++

 

 

Hello there.

Today’s post doen’t have an english version as I felt it would be of limited interest to my english readers out there. As I mentioned on an earlier post we’ve had the 3rd edition of the Fork of Mork tournament last december. In order to share some insights about what it takes to put such an event together I’ve put together a few questions for two of the organizers and now I share their responses with the local wargaming community.

There’s a lot more content coming soon so bear with me.

If you’d like to see a version of this interview in english drop me a line in the comments and if there’s enough interest I’ll come up with a translated version of it as well. In the meantime you could check the 4th episode of the RELOAD vlog which focuses on the Fork of Mork.

See you soon.

 

+++

 

Salve Leitor.

Devo admitir que acabei ficando bem curioso para saber mais sobre o desenrolar do Fork of Mork III (já que não consegui comparecer pessoalmente dessa vez assim como não pude participar ativamente de sua organização) e pra satisfazer essa curiosidade elaborei algumas perguntas sobre o encontro com intuito de entrevistar a dois dos organizadores dessa edição: O veterano Silvio Martins e o “Youngblood” André Streem.

Acho que a minha curiosidade deve ser compartilhada por outros tantos wargamers brasileiros que, como eu, ambicionam um dia realizar um encontro na localidade onde moram (mais sobre isso em breve) ou que gostariam de participar de um torneio como o Fork of Mork, mas, não fazem idéia de por onde, ou como, começar a se preparar para fazê-lo.

Sem mais delongas segue a entrevista com as respostas dos dois organizadores:

 

+++

 

The Painting frog: Em primeiro lugar gostaria de parabenizá-lo, e aos demais membros da organização, pela realização do 3º Fork of Mork. O consenso entre os participantes e na comunidade é de que o torneio realizado em novembro passado foi uma vez mais um retumbante sucesso. Quais são suas considerações sobre o evento?

SILVIO: O FoM começou como um evento fechado, apenas para convidados, parece um passado distante, mas foi pouco mais de 3 anos, de lá para cá ele foi se transformando e hoje é um evento consolidado dentro da comunidade de jogadores brasileiros. O FoM deste ano foi o menor em número de participantes devido a uma programação e datas que inviabilizaram a presença de outros jogadores, mas mantivemos a qualidade oferecida, coisa que não abro mão nos eventos que organizo. Tive também a felicidade de ter como co-organizadores um grupo muito comprometido com o hobby e que na verdade foi a verdadeira força motriz por trás desta edição do FoM.

A idéia, que eu acredito estarmos no caminho certo, é de criar um evento para wargamers, independente de sistemas jogados e que eles tenham um fim de semana dedicado e comprometido com o hobby. Os primeiros passos estão sendo dados e buscamos sempre melhorar a cada ano.

Hoje temos inúmeros dias de jogos, encontro de clubes e todos estes com grande ou pequena periodicidade, a idéia é que o FoM seja um encontro de todos estes grupos para celebrarmos nosso hobby, encontrarmos e jogarmos com gente diferente e trazer sempre sangue novo para o grupo.

ANDRÉ: Apesar de não termos atingido o volume de participantes esperado, estamos bem satisfeitos com o FoM III. Recebemos uma nova leva de jogadores e foi o primeiro torneio de muitos dos participantes. O FoM vem cada vez mais se consolidando como um evento diferente, seguindo os propósitos pelo qual foi idealizado: promover a diversão e ser um grande encontro de amigos. Fiquei muito satisfeito de ver belos exércitos pintados, e mais satisfeito ainda de ver todo mundo se divertindo nas partidas. Só nos dá mais empolgação pra continuar batalhando pra fazer eventos assim para a comunidade.

The Painting frog: A despeito do sucesso do torneio são notórios os percalços enfrentados por qualquer um que queira realizar um evento semelhante. Quais foram as dificuldades encontradas por vocês da equipe de organização para realização do torneio? O que deve ter em mente o organizador de eventos e torneios e quais as dicas para quem se dispuser a organizar algo parecido?

SILVIO: A primeira e maior dificuldade é com a mentalidade do jogador brasileiro, e depois é a busca por um local que agrade e que seja dentro do orçamento. A dificuldade em explicar a um leigo o que é este “jogo” é tão difícil quanto explicar a idéia por trás do FoM, que é de agregar e trazer mais próximos grupos diferentes.

É preciso ser político e ter a verdadeira vontade de reunir o pessoal, conversar de igual para igual com outros organizadores de clubes e associações etc.

Um evento não deve ter em foco ou como meta o lucro financeiro. O que deve ser medido e alcançado é pessoas, novas, antigas, não importa. Se eu monto um evento onde consigo trazer gente nova ou da antiga para jogar eu já me sinto feliz e com o sentimento de dever cumprido.

O fator financeiro também é uma questão importante e também os arranjos e acordos para o evento acontecer. Ter em mente que se gasta e há a possibilidade de prejuízo deve ser sempre lembrada. E organizar, passo a passo, todas as etapas pré e pós evento.

ANDRÉ: Primeiramente, o espaço. Principalmente numa cidade como São Paulo, em que distância e localização são fatores que podem determinar o sucesso ou fracasso total de um evento. Com o espaço do Mie Kaikan temos uma boa localização, de fácil acesso, próximo ao metrô. Depois, regramento. Encontrar missões justas e criar os cenários de forma que não prejudiquem ninguém é sempre um desafio. E por fim, a preparação das mesas, que leva muito tempo quando não se tem um banco de peças de cenário grande. É sempre bom planejar, delimitar prazos, e nunca tentar fazer tudo sozinho. Trabalho em equipe e divisão de tarefas é essencial para o sucesso do evento. Marcar painting days pra agilizar e produzir em linha é sempre uma boa ajuda. E principalmente, um organizador tem que saber que NUNCA vai conseguir agradar a todos. Reclamações sempre surgirão, seja de alguma peça de cenário, algum detalhe da missão, data… não dá pra satisfazer a todos. Tente sempre buscar o que a maioria quer, mas não se limite somente a isso.

The Painting frog: Muitos comentários de participantes e da comunidade têm elogiado as mesas e cenários apresentados no evento. Você poderia destacar algo sobre o processo de criação das mesmas? Os cenários foram confeccionados de forma a criarem conjuntos temáticos? Quais são suas dicas para alguém que queira confeccionar sua própria mesa para jogar wargames?

SILVIO: Um dos pontos fortes do FoM é sua equipe. Apesar de não ser a mesma todo ano, temos um grupo que gosta do hobby e abraçou a idéia de confraternizar e competir com amigos. No FoM discutimos idéias, ajudamos um ao outro e no final temos o resultado a olhos vistos. Neste ano foi uma coisa interessante. Tivemos uma mesa com temática Eldar desenvolvida por um dos organizadores e que teve ajuda de outros membros da equipe, eu mesmo montei alguns cenários usando kits da GW e que só vi finalizado e muito bem pintado no dia do evento.

A atividade não se limita aos dias do evento, temos emails discutindo isso desde o inicio do ano, e já estamos discutindo o próximo de 2012!

ANDRÉ: Mesas temáticas são sempre um must a qualquer torneio. Analisamos bastante as mesas de torneios gringos e vimos que a maioria não tinha um tema comum, muitas vezes era um catadão de cenários quaisquer. Definimos temas e dividimos entre os envolvidos. É sempre bacana ter mesas que saltam aos olhos, portanto, se for da vontade da equipe, vale gastar tempo e dinheiro preparando as mesas.

The Painting frog: Comparando os exércitos apresentados no FoM III com aqueles apresentados em outras edições do evento tivemos um notável crescimento no número de exércitos pintados. Salvo engano todos os exércitos participantes estavam pintados. A que você credita essa evolução? Houve bonificação em pontos de campeonato para a participação com exércitos pintados? Qual o seu entendimento acerca da obrigatoriedade da pintura do exército em alguns torneios no exterior? Em sua opinião podemos esperar algo nesse sentido por aqui?

SILVIO: Esta evolução se deu naturalmente, é fácil de entender como isso ocorre. Num evento você quer trazer suas cores, sua bandeira e mostrar o melhor de si. Nada traduz melhor isso do que um army pintado. No inicio era uma obrigação, mas depois que deixei isso de lado nas regras do evento começaram a aparecer armies pintados, convertidos etc.

O evento também não se prende a apenas jogos, temos sempre uma mesa destinada a pintura ,conversões e bate papo onde sempre passamos o que aprendemos a novatos, trocamos experiências etc.

Sobre bonificar armies pintados não mudamos praticamente nada em relação ao conjunto de regras que usamos, existe uma bonificação para entrega de listas, armies pintados, etc. como em qualquer campeonato da GW, por exemplo, mas com algumas regras da casa.

Espero nas próximas edições incentivar de algum modo ainda mais os armies pintados, minis convertidas e uso livre de minis de empresa X ou Y desde que componham um belo exército. Mas não vou obrigar alguém a pintar seu army, quero que o jogador sinta esta necessidade e que ouça o “chamado da tinta” rs*

O ponto mais importante do FoM é o envolvimento dos jogadores e a integração entre eles, obrigar qualquer coisa acaba sendo uma coisa negativa.

Nada mais estimulante do que ver as fotos dos armies pintados e querer sentar na bancada e pintar o seu!

ANDRÉ: A comunidade vem crescendo e com isso cada vez mais gente interessada em seguir o hobby, e não apenas o jogo. Fora isso, iniciativas online como o Desafio Motivacional e concursos de pintura são um ótimo incentivo pra galera deixar a preguiça e arranjar uns minutos pra pintar suas peças. Sou totalmente a favor da exigência de exércitos pintados em torneios, e temos planos de implementar tais medidas no FOM. Afinal de contas, não somos só jogadores, somos hobbystas. Os que não gostam de pintar, pagam para alguem pintar. Mas é uma forma de incentivar a pintura e de agradar aqueles que se esforçam em pintar suas peças, pois enfrentarão outras peças pintadas, e não somente a cor tediosa do plástico ou metal.

The Painting frog: Os exércitos premiados como “Melhor Exército Pintado” nesta edição realmente chamam a atenção pela qualidade na execução da pintura. Quais são os critérios adotados na avaliação desse quesito? Quais são as dicas da organização para os jogadores que desejem competir, e vencer, nessa categoria?

SILVIO: Usamos os critérios desenvolvidos e que são usados pela GW em seu guia de torneios e eventos. Temos ainda um grupo pequeno de artistas/jogadores e ainda considero muito pequena a participação ativa dos jogadores. As dicas são simples, pinte com o coração, lembre-se dos itens levados em conta pelos juízes (isso pode ser informado e conseguido na internet se, problemas) e pratique, nada melhor do que pintar sempre para um dia chegar a um nível artístico digno do que vemos lá fora.

ANDRÉ: Os critérios estão disponíveis no manual do FoM III. Vão desde pintura básica a técnicas avançadas, bases, conversões, e elementos extras, como display bases, marcadores de wreck, etc. Planejar bem a pintura, fugir do básico e se empenhar em aplicar técnicas novas são alguns ingredientes para ter pontuação boa. Investir em conversões e bases bem feitas são o essencial para se destacar. E praticar, sempre praticar muito, refina sua pintura e te dá chances de concorrer ao pódio. Temos muitos pintores bons no Brasil e é certamente um desafio grande a ser encarado.

The Painting frog: No que diz respeito ao prêmio de “Melhor General” quão acirrada foi a competição nesse ano? O campeão do torneio venceu com um exército de Dark Eldar. Na sua opinião é necessário investir sempre no mais recente exército lançado para sagrar-se um campeão? Quais as dicas para os jogadores que ambicionam disputar esse prêmio?

SILVIO: Não acredito que o último exército lançado vá receber o prêmio de Melhor General. O que o pessoal ainda não tem muita prática é de participar de um evento onde o exército que ele luta não vai ter a mesma performance que tem no seu grupo de jogo. E qualquer “surpresa” pode acontecer.

Por exemplo, se eu tenho um exército que jogo com amigos e enfrento apenas exércitos de combate a longa distância eu vou, com o tempo, montando uma lista para jogar contra este tipo de exército e estratégia. Num evento onde buscamos trazer gente de diferentes locais, com estilos distintos de se jogar, sempre vamos ter uma boa surpresa ou uma ruim…

A dica é montar um exército balanceado em que você saiba como ele joga, e aí adaptar suas jogadas de acordo com o inimigo a ser enfrentado.

ANDRÉ: Tradicionalmente a GW tem essa tendência de sempre fazer codex novos melhores do que os antigos, o que dá um certo distanciamento das regras de um exército para o outro. Certamente usar listas extremamente competitivas de exércitos mais novos é um caminho para sagrar-se vencedor, mas praticar, entender bem todas as regras e dominar suas fraquezas é essencial. Qualquer general campeão deve saber dobrar o inimigo perante qualquer situação, e principalmente, mudar sua estratégia rapidamente perante qualquer adversidade encontrada. Explodiram seu Land Raider? Bola pra frente, não se desespere. Mataram seu HQ? Acontece. De um jeito de compensar tal perda.

The Painting frog: O FoM tem por tradição premiar, além do “Melhor General” e “Melhor Exército Pintado”, o “Campeão Geral” e o jogador mais cordial (Fairplayer). Dessa maneira o FoM cobre todos os aspectos do hobby certo? Você poderia tecer alguns comentários sobre esses prêmios? Alguma dica para futuros jogadores se destacarem nesses aspectos?

SILVIO: Acho que o FoM ainda não cobre 100% dos aspectos do hobby, nossa meta é ampliar os jogos (trazer mesas de diferentes companias, como Warmachine, Flames of War, etc.) e ampliar o escopo do hobby. Mas isso são passos para um futuro próximo, hoje acredito sim que estamos conseguindo valorizar os principais aspectos do nosso hobby, de acordo com a realidade brasileira.

Os prêmios são um incentivo. Pensamos em premiar com produto, minis, etc. mas decidimos que um troféu tem um valor mais emocional que uma caixa com minis e então investimos nisso (o troféu) e deixamos os produtos para sorteios e uma festa entre os participantes. Este ano além dos troféus sorteamos alguns mimos para os que participaram (adesivos, garrafas e chaveiros vindos da sede da GW de Nottingham)

O que espero e a dica que posso deixar aos jogadores é que eles se tornem ativos e participantes dos eventos, é com eles que isso tende a crescer.

Lembrar que o FoM é um momento de reunião e de convívio, onde competimos de um modo saudável é essencial. Acredito que premiamos sempre os melhores hobbystas e o que é um bom hobbysta? Aquele que joga, pinta monta, participa e entende que o jogo serve como um catalisador de pessoas com algo em comum que é a paixão por estes universos fantásticos.

ANDRÉ: Os melhores generais são premiados para incentivar os que gostam de jogar, sejam power players ou não. Muitas pessoas se dão bem em campeonatos com listas fluffwise. Melhores exércitos pintados é um incentivo para os hobbystas demonstrarem suas habilidades e se motivarem a terminar um exército. Campeão Geral é um prêmio para destacar aquele jogador que se saiu muito bem nas duas facetas do jogo, pintando bem e tendo bom desempenho no pano verde. E por fim, o fairplayer é escolhido pelos jogadores para eleger aquele que jogou mais limpo e mais cordialmente. Dominar bem as regras, evitar bater de frente em discussões, acolher decisões dos juízes, evitar lances duvidosos, agir sempre com boa fé, manter coerência em sua pintura, investir tempo na pintura, evitar listas anti-fluff e competitividade exagerada são boas dicas para se sair bem em todas as categorias.

The Painting frog: Existem planos para um 4º Fork of Mork? Se sim, que novidades podemos esperar para o próximo evento?

SILVIO: Sim, os planos existem e já estão em andamento, e sem frescuras aqui de dizer ou não o que vai ser. (rs).

Planejamos um evento para o meio do ano, ainda sem data definida, e com a ampliação das mesas e do que é oferecido nos 2 dias de jogatina. Temos planos para ter mais torneios e mesas de demonstração e uma área maior para pintura e troca de bits.

Além disso, estamos já com uma parceria que ira fazer o evento mais interessante, (mas esta informação eu ainda devo manter nos bastidores).

ANDRÉ: O FoM IV está em discussão. Por enquanto não vamos revelar nada, mas a galera pode se animar que o FoM IV vai ser bombástico. Muitas novidades serão implementadas que ficaram de fora do FoM III e certamente iremos tentar atrair mais jogadores.

 

+++
E é isso pessoal. Espero que vocês também tenhama chado interessante saber um pouco mais do que vai na cabeça de dois dos organizadores do FoM e com isso entenda melhor como é pensado um torneio feito por  esses caras. Publico em breve mais algumas entrevistas por aqui que acho que vão ajudar muito quem está se programando pra participar de um torneio em 2012.

Abraço e até breve.

+++

Hello there.

One of the things a lot of us wargamers, and miniature enthusiasts, get to face a lot are the misconceptions and prejudice of others towards our hobby. How many of you have carefully explained the hobby to relatives, friends and acquaintances, just in order to hear a disappointing “So you play with toys right?”. I know I have heard something along those lines and apparently other hobbyists out there as well.

So I tend to find really nice when the mainstream media takes interest in any of my hobbies and decides to showcase any of them to their audience. A while ago a very good friend of mine, Silvio from the Roleplay blog, had told me that he had been contacted by a TV show to talk a little about our common hobby: Wargaming.

My first thought was: “Wow! Wargaming on TV! That’s new!”

I was mildly surprised when I found out he was actually going to be interviewed about the wargaming hobby and not only showcased as a freak hobbyist, as I’ve seen too many times already when it comes to Role Playing Games and Videogames.

It turned out that on the actual show, which aired on a cable TV channel in Brazil, they had an informal chat which presented wargaming on a broad spectrum giving the public at large an average idea of our hobby. It was a pretty good show and I believe it achieved its purpose of showcasing the hobby in a positive light.

That’s why I decided to translate  add subtitles to the original video in order to share it with you here. Not only you get to watch a nice show about our common hobby but also see some nice painted miniatures and scenery. You might even be able to spot one of the models I painted and shared here on the blog sometime ago.

Salve Leitor.

Dia desses o Silvio, do blog Roleplay, anunciou que nosso hobby seria tema de um programa de TV. Ele já havia comentado comigo ter sido procurado para fazer um programa para televisão sobre o hobby que compartilhamos, e é tema deste blog: Os Wargames.

Fiquei entusiasmado por ele e com a potencial exposição do hobby, que sempre acaba angariando alguns novos adeptos o que é interessante para fomentar o crescimento da comunidade como um todo. Mas ao mesmo tempo veio o receio. Receio de que uma vez mais um de meus hobbies fosse retratado de maneira negativa na mídia, coisa que já aconteceu com o RPG, com jogos de vídeo game e com as revistas em quadrinho. A imprensa tem, de modo geral, o mal hábito de retratar esses hobbies em uma luz negativa, ou ainda, como interesses de pessoas esquisitas. Nada podia estar mais longe da verdade.

Felizmente não foi o caso dessa vez. O Silvio foi entrevistado por ninguém menos que Gastão Moreira, ou só Gastão como ele é mais conhecido do público, para o programa “Lado H” que faz parte da grade de alguns canais de TV a cabo no Brasil. Ao longo de um segmento os dois bateram um papo informal sobre os jogos de estratégia, mais conhecidos como wargames, explanando de uma maneira descomplicada sobre suas origens e particularidades.

Uma excelente matéria que fez jus à proposta de apresentar o jogo no espaço de um segmento. Parabéns ao Silvio pelo brilhantismo da entrevista e pela forma como representou a  comunidade extensivos também ao programa “Lado H” e sua produção.

O vídeo já havia sido postado na internet, mas optei por traduzir e legendá-lo para atingir uma audiência maior aqui no blog. Vale gastar uns minutinhos do seu tempo para assistir (ou rever se você já o tinha visto) e quem sabe indicá-lo para os amigos no intuito de explicar um pouco mais sobre esse seu “hobby esquisito”. Prestando atenção você encontra até uma miniatura pintada por mim e que já apareceu aqui no blog.

Grande abraço.