Posts Tagged ‘pintura de miniaturas’

 

Hello there.

 

This is the Portuguese version of the article published in English here where we talk about our Infinity unboxing video. Do check it out if you missed it.

 

Over and out.

 

+++

 

Salve Leitor.

 

Puxa, parece que faz um século que tento publicar esse post aqui no blog. Eu já havia postado alguns artigos por aqui com vídeos, mas me ative a republicar conteúdo de terceiros que entendi serem pertinentes ao tema do blog (como no caso dos episódios do Vlog ReLOAD) ou no máximo fiz pequenas edições e adicionei legendas em alguns vídeos para aumentar a exposição dos mesmos adequando-os à audiência aqui do blog (caso dos demais vídeos disponíveis em nosso canal).

 

Fato é que eu vinha pensando em uma maneira de criar conteúdo inédito para o blog usando essa “nova” ferramenta que é o vídeo e fico muito feliz em publicar hoje o primeiro vídeo com conteúdo original do blog “The Painting Frog”.

 

Como parte da experiência de explorar um novo sistema de wargame e registrar todo o processo aqui no blog, eu decidi gravar um vídeo compartilhando com vocês a experiência de abrir minhas primeiras caixas com miniaturas para o Infinity,um “unboxing”, bastante comum hoje em dia, mas acredito que o primeiro em português (uma caixa de inicio de Yu Jing e outra de Ordens Militares para PanOceania).

 

O vídeo foi gravado em português, mas conta com legendas em inglês de forma a torná-lo acessível para uma parcela significativa de visitantes aqui do blog. Acho importante frisar que não sou um profissional no universo das miniaturas, e com isso quero dizer que não tenho uma empresa que lide com isso e que não ganho um único centavo com esse hobby. Sou um hobbyista mediano como você e outros tantos frequentadores deste blog compartilhando com você Leitor minhas ideias e impressões (que são tão somente isso, minhas ideias e impressões e de maneira nenhuma são imutáveis ou corretas… sou bem propenso a mudar de ideia. Uma metamorfose ambulante).

 

Sem mais blá,blá,blá o vídeo:

 

 

E aqui estão as fotos com as figuras já devidamente montadas (as fotos são clicáveis para visualizar versões maiores):

 

Botão “on/off” do Cutter (Não esqueça de pressionar “on” senão ele não funciona direito).

 

Conteúdo da caixa de Yu Jing montado.

 

Conteúdo da caixa de Ordens Militares de PanOceania montado.

 

Cutter, TAG de PanOceania, montado.

 

Foto comparativa de tamanho – 01.

 

Foto comparativa de tamanho – 02.

 

Foto comparativa de tamanho – 03.

 

Acho que por hoje é isso. Não hesite em comentar aqui no blog deixando suas impressões sobre as miniaturas e sobre essa nova forma de apresentar conteúdo aqui no blog. Na verdade gostaria muito de ouvir as opiniões de vocês leitores sobre a apresentação de conteúdo nesse novo formato. Criticas e sugestões são mais que bem vindas e, se você gostou do vídeo, não deixe de dar um “Like” no Youtube e assinar nosso canal.

 

Abraço e até a próxima.

 

+++

“If you could make God bleed, people would cease to believe in him, there will be blood in the water, the sharks will come” – Ivan Vanko in Iron Man II.

 

Hello there!

 

It’s been a little over four months since we first broke out the word about Games Workshop’s embargo on sales to countries outside the European Union. The world has kept on spinning and despite all the raging, formal complaints, promises and veiled threats GW’s embargo still stands.

 

And how did it affect my hobby? Well I’ve been a wargamer for the biggest part of my adult life and, I must admit, a hardcore GW fan. No matter what the company threw my way, from price rises to expunging my existing armies from existence (or at least their rules), I kept coming back for more. Let’s face it, you don’t get to be king of the hill without delivering, and man, has GW delivered over the years. As new models rolled out there was no shortage of “Wow’s” from me (have you guys seen the latest batch of Ogre models? Wow!) but, since the embargo, I was forced to broaden my horizons and I firmly believe I’m not the only one.

 

After an embargo on sales of their products to dozens of countries, another price rise, a lame recast of its own models in resin (poorly done IMHO), and recent news of a lawsuit in which may finally bring down the IP castle GW has barricaded itself behind over the years it seems a lot of people are feeling neglected, if not downright angered, by a company who earned a really good share of our disposable income.

 

Well I’m happy to report it turns out there’s a lot of companies out there willing to treat their customers fairly and with respect and which are indeed delivering really good wargaming systems in which the game play is not only a lot better than the ones produced by GW but who also have very nice miniature lines and background stories to support their gaming systems.

 

That brings me to the reason for this post. As I said my horizons have been vastly broadened as I found out there are quite a few new wargaming systems around the block and the thought occurred to me: “Why not have a good time trying out new games and sharing my impressions about them with my readers?”. I’ve done so in the past and I feel the time is right to start doing so again. So expect a lot to come over the next few months as I try and review as many gaming systems and gaming products as I can lay my hands on.

 

+++

 

Opa! Salve Leitor.

 

Já faz alguns meses desde que publicamos nosso primeiro artigo sobre o embargo levado a efeito pela Games Workshop, proibindo empresas baseadas na Europa de venderem para países fora da União Européia, o que afetou significativamente a comunidade brasileira devotada aos jogos da empresa.

 

E qual foi o efeito do embargo no Brasil? Bom eu observo que o principal efeito na comunidade de modo geral foi no sentido de diminuir a popularidade dos jogos GW de modo geral, já que não se vêem mais jogadores apresentando e colecionando novos exércitos, ou mesmo comprando novos modelos para os exércitos que já possuem, com a mesma freqüência que ocorria a um ou dois anos atrás. Uma outra conseqüência do embargo é que mais jogadores tem diversificado suas escolhas. Um exemplo claro é o súbito crescimento em popularidade do jogo Flames of War por aqui.

 

E eu? Como esse embargo afetou a mim, você pode querer saber. Bom, antes de qualquer coisa acho pertinente, importante até, deixar claro que pela maior parte da minha vida adulta eu tenho jogado jogos de estratégia militar, ou simplesmente Wargames, e sempre dediquei uma grande, senão a totalidade, dos meus gastos e esforços aos jogos e modelos produzidos pela GW, em especial o Warhammer 40.000.

 

Sou um fã confesso do background e dos modelos produzidos pela empresa e vim acompanhando ao longo dos anos, com cada vez maios fascínio, o avanço da empresa a passos largos nesses aspectos do hobby. Nunca foi segredo para mim que há um bom tempo a Games Workshop não era lá a empresa mais devotada à satisfação de seus consumidores, talvez pela segurança proporcionada pela grande qualidade de seus produtos, talvez por interessar-se tão somente nos lucros e dividendos ao fim de cada ano. Fato é que a GW distanciou-se cada vez mais de seu público ao longo dos anos, mas nunca falhou em entregar modelos incríveis. E por muito tempo isso me bastou.

 

A despeito dos freqüentes aumentos de preço, de ter tido problemas comprado diretamente da empresa e de não concordar com diversas das políticas e decisões implementadas pela empresa eu continuei sendo um consumidor fiel, mas isso mudou desde o embargo. Não, eu não deixei de gostar do background, dos jogos, ou modelos da GW, muito pelo contrário, porém, ficou muito difícil comprar os produtos dela, e já que o meu suado dinheiro não parece fazer falta pra a GW o embargo me obrigou a expandir meus horizontes e procurar outras opções para satisfazer as necessidades do meu hobby.

 

E qual não foi minha surpresa ao descobrir toda uma pletora de jogos de estratégia, também com uma ambientação sci-fi, produzidos por companhias empenhadas não só em produzir um produto de qualidade, mas também na satisfação do seu cliente.

 

O que nos trás ao motivo do post de hoje. Tomei a decisão de experimentar novos jogos. Desde as resenhas do Hordes e Warmachine eu abordei poucas vezes outros jogos por aqui, o que pretendo remediar a partir de agora, compartilhando com os leitores aqui do “The Painting Frog” minhas impressões sobre esses jogos a medida que pinto, monto, jogo todos eles.

 

Então é isso! Em breve diversas novidades por aqui.

 

Salve Leitor!

 

Um dos aspectos desse fantástico hobby de colecionar e encenar batalhas com miniaturas é o chamado “Scratch -Building”. A palavra em inglês significa construir sozinho um modelo ou miniatura (do inglês Scratch: rascunho). Felizmente nosso país é bem servido nessa área onde temos alguns expoentes radicados aqui (como o Sócrates, Alex, Danilo Peixoto e mais recentemente o Arthur Bobagny) e alguns expatriados (o sumido Márcio hoje radicado nos USA) que abrilhantam e diversificam o hobby com suas criações.

 

O “Scratch” (vamos simplificar daqui por diante) tem duas vertentes, a primeira delas é replicar os kits existentes com outros materiais de forma a baratear o custo na aquisição das miniaturas, a outra é dar vazão a criatividade construindo modelos que não existem ou que tão somente foram descritos no universo ficcional do jogo.

 

Outro cara que manda MUITO bem no scratch é o Antônio Jorge. Eu conheci o cara, salvo engano, em idos de 2005 quando ele apareceu em um dos torneios realizados no Rio de Janeiro (os saudosos TV/TI) para dar uma sapeada e ver mais de perto como eram as partidas dos jogos de estratégia da GW. Pouco tempo depois ele surgia no Warhammer Brasil trazendo a tiracolo os seus Orks. Não satisfeito com as miniaturas GW o cara aparecia com veículos que ele mesmo tinha construído e foi nessa época que nasceu o Lenny.

 

Pra quem não sabe do que se trata o “Lenny” é um Squiggoth, uma criatura empregada pelos orks em combate não só como besta de combate corpo a corpo mas também como plataforma móvel para armas pesadas dada a força descomunal desses bichos. O AJ deu forma ao seu Squiggoth assim:

 

 

 

 

 

 

 

 

Legal não é? Vendo as fotos anda me surpreendo com a inventividade desse cara. O problema é que desde 2005/2006 quando o Lenny foi concluído ele permaneceu como nas fotos acima, intocado e juntando poeira na estantinha do AJ, e foi assim que eu reencontrei o Lenny nos campos da batalha do “Spoon of Gork” em julho passado em São Paulo.

 

Fiquei surpreso quando o AJ foi chegando do meu lado com o Lenny nas mãos e pediu para que eu o pintasse. Como sou fã declarado do trabalho do cara não me fiz de rogado pra pintar outro de seus trabalhos (como já mostrado aqui no blog) e aceitei de bom grado a incumbência.

 

Antes de começar a pintura dei uma sondada no AJ que me deu liberdade pra pintar como eu quisesse. Cabe lembrar que o Lenny começou sua existência como um “stand-in” de um tanque da “Grot Revolushun” do AJ, mas ele acabou abandonando essa idéia e migrando pra um army Bad Moon. As insígnias da “Revolushun” acabaram ficando no Lenny, mas para mostrar a nova afiliação do bicho eu pintei um símbolo Bad Moon na lateral.

 

É isso… sem mais delongas o novo Lenny!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Abraços e até a próxima.

 

 

 

Hey there.

 

Today’s update is, once more, about a model painted for a good friend.

 

You might remember this Ork Guntrukk I posted here a while ago. Constructed by one of the Brazilian masters of scratch-building, who I have the privilege of calling a friend, AJ and painted by yours truly that tank was one of my first attempts at weathering a vehicle to show A LOT of use and abuse in the battlefield and I still like the final result quite a lot (AJ on the other hand seems to not care enough about it since the tank is still with a common friend of ours… perhaps Weeny Legz has deemed the paintjob inferior). Well one of his first attempts at scratchbuilding was a Squiggoth dubbed Lenny.

 

You can see in the pictures which illustrate the article the way it started back in 2005/2006 when it was built. I’m sad to report it remained like that till I faced it on the battlefields of the “Spoon of Gork” event in São Paulo earlier this year. Like other scratcbuilding masters, like Krooza from “The Waaagh” forum, AJ seemed to distracted building other stuff to paint what he had already done. I have to say I was surprised when he approached me with Lenny on his hands and asked me if I’d paint it for him. Of course I was more than happy to say yes and once more dig my hands into painting one of his masterwork models.

 

Again I’m quite please with the overall result. There’s things I’d like to do better like the rust and the scratched paintwork but it’s been a learning process to me and I just hope to improve enough so I can paint what I consider his MASTER-MASTERPIECE!!! More on that soon!

 

That’s it for today guys! See you again soon.

Salve leitor!

Faz um tempo não é? Hehehehe …. manter um blog sempre parece uma idéia de simples execução mas eu posso garantir que não é, principalmente no que diz respeito a manter um ritmo de atualizações que mantenham o interesse do leitor.

Falar bobagem pra ter um post diário é um subterfúgio que desde o inicio decidi não usar, assim, se não tenho nada de bom pra falar acabo ficando quieto, mas isso não quer dizer necessariamente que eu não esteja produzindo, na verdade é BEM o contrário.

Nos últimos meses restabeleci contato com um cara que sempre considerei um amigo (coisas de empatia), mas com quem acabei perdendo contato por um tempo pelas vicissitudes do mundo moderno… No fim das contas temos conversado muito, principalmente sobre pintura de miniaturas e todo esse papo tem me inspirado a encarar os pincéis com mais seriedade e com o objetivo principal de melhorar minha produção não só no que diz respeito ao ritmo mas também na qualidade.

Some-se ai o “Spoon of Gork” que rolou em São Paulo no último final de semana (dias 18 e 19 de julho) e meu esforço concentrado para terminar um projeto que vinha morando na minha gaveta a quase um ano e o blog acabou ficando meio esquecido… De novo.

A idéia hoje é dar mesmo uma satisfação e avisar que estou preparando atualizações não só aqui para o “The Painting Frog” mas também para um novo projeto que vai, ao menos em meus planos, movimentar o cenário do hobby no Brasil.

Grande abraço.

Hey there.

It’s been a while right? Well keeping a blog up and running with frequent upgrades seem to be a more complicated task than it seems at first. The idea seems simple enough, to have a spot on the web where you can write your ideas and share them with the world at large.
Turns out real life and pretty much everything else tends to get in the way and then the blog suffers. I’m not a pro blogger in the sense that I don’t make a living out of the blog in any way. It started as a way of showcasing my miniatures and sharing the pictures of whatever I paint with friends who live far from where I live so, right from the start I decided not to post random stuff just to keep the blog running as I feel that if we have nothing interesting to say we should say nothing at all.

So for the last couple of weeks I didn’t really have anything worth mentioning to put here but that doesn’t mean I have been idle. Far from it. Over the last couple of months I got back in touch with someone I’ve always considered a friend, and who’s growing into one very good friend, but with whom I had lost contact for a while. We’ve been talking a lot and tend to talk a lot about miniature painting which has in turn spurred me into painting even more. I’m aiming at improving not only my miniature turnout but also the overall quality of my paintjobs.

Am I succeeding? I’ll let the pictures for the next couple of updates talk for themselves. I only dropped by to let you guys (if there’s any of you still out there) know there might be the odd couple of updates on the days to come.
Stay tuned.