Hello there.

 

One of the painting techniques which have, in my humble opinion, revolutionized wargaming in recent years is the so called “Dipping”. It is a revolution in the sense that it allowed people who have no artistic skills to produce above average results with little or no effort at all.

 

The Dipping technique consists, in a nutshell, in applying basecoat colors to a model and then immersing it in a staining liquid, typically a wood stain, and then removing the excess liquid. This would produce nice overall shading on the base colors applied and, to a smaller degree, some measure of highlighting thus making miniature painting a not so daunting prospect to people not inclined to devoting a lot of time to painting their models or to those who feel they lack the skills to producing nice tabletop miniatures to their armies.

 

Here are some examples of the results obtained with the technique (pictures gathered from the web):

 

 

 

 

And what I consider a superb use of the technique:

 

 

Originally some brands of wood stain were used in this technique, but their use was quickly replaced by gaming brands that started producing their own version of the stuff aimed at us gamers like “The Army Painter” and its “Quick Shade” line. Games-Workshop itself has its own version of the stuff in their current line of washes (which replaced their wonderful inks to my despair) which behave a lot like the staining liquids (when applied straight out of the pot in one or two layers) and have become know in the painting community as “Liquid Skill”.

 

To effectivelly dip a miniature you need to apply all your base colours to the miniature in a nice solid and uniform coating. It’s also important to do so as neatly as possible as making corrections after dipping the miniatur will be very difficult. With your base colors applied and dry you can then proceed to the dip itself. You’ll immerse the miniature completelly in the product can covering it. After that you must remove the excess, which is normally done by shaking it (there’s people who use rotary tools for that), but you can also use a paintbrush for that. After that you’ll need to leave your miniature to dry for at least 24 hours in a dust free environment. After that a simple coat of matt varnish and it should be ready for gameplay.

 

There’s a couple videos on the internet showing that process, of which I reproduce the one made by “The Army Painter” to showcase their product:

 

 

I have used Dipping with some success on my Saim-Hann Eldar but I went one step further with them. I started by applying a basecoat of a dark red, followed by a drybrush of a lighter red. This was followed by an application of Quick Shade – Medium Tone (the names have since changed but I believe medium tone would be today’s strong tone) with a brush and left to dry overnight. I preferred to apply the product using a brush instead of dipping the models into the can because I felt I had more control over the staining liquid with the brush and also to avoid wasting to much of it.

 

I found out the final result was a bit too dark for my taste so I reapplied a red highlight after the dip, mainly to prominent edges and some armor plates, which produced a clearer look than your average dipped miniature. I should add that I only applied the staining liquid to the parts painted in red and bone colors keeping all the white parts clean of it as I found the color of the stain “dirtied up” the white and I didn’t like the final look of it.

 

Here’s a couple shots of them in action showing the final paintjob:

 

 

 

 

 

One drawback of the dipping technique I experienced was the quick destruction of my paintbrushes. The product itself, be it the Polyurethane Wood Stain found in DIY stores or the Quick Shade aimed at us gamers, is quite viscous and it clogs ups the brush’s bristles. I found it very hard to clean it off the brushes after applying the staining liquid and ended up discarding quite a few of them, so if you feel inclined to give this technique a go either use cheap paintbrushes or dip your models in the can.

 

One other thing I should mention, and this is merely speculation based on my observations, is that I found the “Quick Shade” has made the miniatures brittle. I have other plastic armies and I’ve never had to perform this many repairs on any of them. It seems some parts of these guys snap too easily and I wonder if “Quick Shade” has had anything to do with it or not.

 

I also found out today there’s another product out there for those interested in quick, overall good looking results: A spray dip.

 

 

A company named “Modelmates” is selling the stuff as a “Weathering Spray” but judging from the video in which they present their product and how it behaved when applied to the miniatures I believe it acts a lot like the dipping stuff I used. One advantage is that, according to the aforementioned company, the product is water soluble allowing for some measure of correction after you apply it which is great when compared to the other dipping methods in which you have no way of correcting a mistake after the staining liquid is applied.

 

Feeling tempted to experiment with it.

 

See you guys soon!

 

+++

 

Salve Leitor.

 

Gostaria de abordar hoje uma técnica de pintura de miniaturas que a meu ver revolucionou a forma de pintar modelos para jogos de estratégia (wargames). A técnica é popularmente conhecida como “Dipping”.

 

“Revolucionária” pode parecer um termo meio forte para alguns já que os resultados obtidos com a técnica empalicedem quando comparados com as miniaturas produzidas hoje em dia pelos grandes mestres do hobby, porém, insisto em usá-lo, e agora recomendá-lo aqui no blog, já que essa técnica permite que qualquer um, até mesmo quem nunca pintou uma miniatura na vida, produza em pouquíssimo tempo um exército completamente pintado e com qualidade acima da média.

 

Alguns exemplos de miniaturas pintadas com essa técnica:

 

 

 

 

E o que considero um resultado fantástico obtido com essa técnica:

 

 

O nome vem do inglês onde o verbo “Dip” quer dizer mergulhar e é justamente no que consiste a técnica: mergulhar a miniatura numa tintura que por sua vez vai adicionar sombras e, em menor medida, luzes à miniatura. “Mágica?” pode pensar você. Não o resultado final é uma característica das propriedades do produto empregado na técnica.

 

Quando a técnica surgiu originalmente empregavam-se em sua execução os chamados “Wood Stains” que nada mais são que um verniz a base de poliuretano com corante, empregado na finalização e tintura de madeira. A técnica em si consiste em pintar a miniatura empregando tão somente as cores base, aplicadas de maneira sólida e uniforme sobre a peça, sem que se executasse qualquer sombra ou luz (highlight) sobre ela. Essa peça é então imersa nesse liquido e retirando-se o excesso após a imersão. Feito isso a miniatura deve ser guardada para secar por um período de pelo menos vinte e quatro horas em um local livre de poeira, e após a secagem basta aplicar uma camada de verniz fosco para a peça estar pronta para uso em jogo.

 

Aqui temos um video de um dos fabricantes demosntrando o uso do produto para a técnica do “Dipping” (existem diversos outros videos disponiveis na internet pra quem se interessar em estudar mais sobre a técnica):

 

 

Tem-se assim, de forma bastante rápida e sem muita dificuldade, uma forma de produzir miniaturas com boa qualidade sem, no entanto demandar do jogador extrema dedicação, estudo, ou sequer qualquer habilidade artística. De olho nisso várias empresas colocaram no mercado suas versões de produtos para “Dipping” sendo que a mais proeminente hoje em dia é a “The Army Painter” com sua linha “Quick Shade”.

 

Eu empreguei com sucesso a técnica com sucesso na pintura dos meus Eldar de Saim-Hann e sei de pelo menos outros dois casos de sucesso com a técnica no Brasil: A Deathwing do Ultramarcos e os Orks do Phantasma.

 

A Deathwing do Marcos, já pintada com essa técnica, vista aqui em ação no Spoon of Gork:

 

 

Aqui os Orks do Phantasma:

 

 

 

 

O modo que empreguei a técnica nos meus Eldar difere um pouco da proposta original. Eles foram pintados com um tom base de vermelho escuro (Scab Red) e em seguida receberam um generoso drybrush de uma tonalidade mais clara (possivelmente Red Gore) como um primeiro highlight. Sobre essa base foi aplicado com pincel o “Quick Shade – Medium Tone” (o nome mudou, mas acredito que equivalha hoje em dia ao “strong tone”) e após a aplicação os modelos foram deixados para secar por um dia. Quando secos achei que as peças haviam ficado escuras demais e acabei aplicando por cima da camada de “Quick Shade” um novo highlight de vermelho claro (Blood Red) de forma a suavizar um pouco as sombras acrescidas pelo produto. O “Quick Shade” foi aplicado também sobre as partes metálicas e de cor de osso das miniaturas, porém, não foi empregado sobre as partes brancas porque num teste achei que o produto sujava demais o branco.

 

Algumas fotos ilustrando o resultado final nos meus Eldar. Todos os modelos mostrados receberam o Quick Shade:

 

 

 

 

Acho importante tecer duas considerações sobre o uso do produto. A primeira delas é que, como já apontei, optei em aplicar o produto com pincel ao invés de mergulhar a miniatura diretamente na lata, como preconiza a técnica e ilustra o vídeo do fabricante. Eu fiz isso porque percebi que aplicando o produto com o pincel eu tinha mais controle sobre a aplicação, evitando assim que o produto acumulasse em locais indesejados, porém, essa decisão teve um alto custo em pincéis. O liquido em si é bastante viscoso e praticamente impossível de retirar dos pincéis após sua aplicação motivo pelo qual sugiro o uso de pincéis mais baratos se você resolver tentar a técnica da mesma forma empregada por mim.

 

Outra consideração e baseada em minhas observações após a aplicação do produto. Eu tenho outros armies pintados, mas esse army Eldar foi o único onde empreguei a técnica do Dipping e o produto “Quick Shade”. Algo que tenho notado é que as miniaturas desse army ficaram mais frágeis. Já tive re efetuar diversos reparos nas peças para consertar armas e pernas que se quebraram e tenho a impressão que o produto reagiu de alguma maneira com o plástico tornando-o mais quebradiço. Reitero que essa é uma observação minha de como as minis se portam após pintadas levando como critério de comparação única e tão somente  minhas outras miniaturas, mas, acho interessante levantar esse ponto para deixar todos atentos e ouvir opiniões de outros que tenham empregado o produto.

 

Por fim gostaria de apontar que encontrei hoje uma evolução da ténica através de um novo produto. Uma companhia inglesa chamada “Modelmates” está comercializando um spray vendido como “Weathering Spray” e que, segundo a descrição do mesmo, faz com que as miniaturas pareçam sujas, envelhecidas e usadas após a aplicação.

 

 

Após conferir o vídeo com a aplicação do produto tenho a impressão que o spray age como um “staining liquid” em spray, produzindo os mesmos resultados que se obtém ao empregar-se a técnica do “Dipping” da maneira tradicional. Uma vantagem desse produto em spray é que, uma vez mais segundo a empresa que o produz, ele é solúvel em água permitindo que se trabalhe o produto e efetuem-se correções após a aplicação o que não é possível com os produtos tradicionalmente empregados na técnica.

 

Fiquei com vontade de experimentar.

 

Até a próxima pessoal!

 

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s