Hello there.

If you’re a regular reader here at the “The Painting Frog” blog you might have noticed I’m talking a lot about tournaments specially the “Da Fork of Mork III. I understand that by doing so I’m running the risk of sounding tedious with a recurring topic, but I do so consciously as I believe there’s a lot to be gleaned from such an event, especially if you’re entertaining the idea of taking part in one sometime soon.

I happen to have a very particular approach to my wargames as I see each game I play as an unfolding narrative, a story being written as the game is played turn by turn. Playing like that, no matter the outcome of the game, I still have a good time in the end. Tournaments, by their own nature, have a completely different focus as the main objective there is competing against other players and winning. In fact I believe “Winning” should be the right mindset for anyone considering a participation in a tournament. What’s the point in doing so if you’re not going to try your best? And you’re only going to try your best if you have victory as a goal. In the end, winning or losing on a tournament depends on a lot of other factors but trying your best beforehand is a huge part of being successful.

Having said that, I’d like to demystify the process of building an army list and painting the models of a competitive army as I believe anyone can do so if one tries hard enough and studies a little while doing so. To do so I’ve emailed the winners of the “Best General”, “Overall Champion” and “Best Painted Army” (1st and 2nd places) awarded at “Da Fork of Mork III” and I now share their answers with you on this post and on the 2 follow up articles on the subject.

Our first interviewee is the winner of the “Best General” prize, Otávio “Tavitin”. Otávio is a recent addition to the Brazilian wargaming community (and a member of the “Tropas Polares” Club in Curitiba) who has been having a lot of success in his participations in tournaments (If I’m not mistaken this was his second victory since he started taking part in organized competitive gaming – And so far he has only taken part in two!) with his dreaded Dark Eldar. His focus lies undeniably on the tactical aspect of the game and I believe his results do show his dedication to this aspect of the game.

Without further ado the interview:

+++

The Painting Frog: First I’d like to congratulate you for winning the “Best General” prize at the Fork of Mork III tournament. What are your considerations about the event? Were there any negative aspects to it? What could be improved in future editions? What would you like to see in a 4th FoM?

Otávio “Tavitin”: Thank you. The tournament was very interesting, I’ve met new people and different players from what I’m used to. I also found the gaming tables wonderful and, if I could, I’d play on the tables presented at the 3rd FoM every Saturday! The negative aspect of the event, which reflects my personal preference, was having the artistic part of the hobby and competitivity together in a single event. I am a competitive gamer and that drives me towards the strategic aspect of the hobby in opposition to painting and converting miniatures. I am, and will always be, leaning towards having tournaments which focus on strategy and competitivity and others which focus on the artistic part of the hobby. I love converting models (or help people to do them), and would definitely take part on an artistic tournament with a miniature (or a squad of them) purely converted. In order to be improved I believe the Fork of Mork needs more participants.

The Painting Frog: You’ve won the 3rd FoM tournament in Sao Paulo after winning the “Torneio Polar” in Curitiba earlier this year. In both occasions you have used the Dark Eldar army. Do you believe that in order to win at 40K tournaments a player must use the most recently published codex? Or do you find possible to win at tournaments no matter the army being used?

Otávio “Tavitin”: In order to win at tournaments your Codex won’t matter (much). What matters is how strong your will to win is. I trained a lot with the people from my club, Tropas Polares, to whom I’m deeply thankful (and also to whom I dedicate this victory in Sao Paulo as they have not only introduced me to the hobby but also accepted me as a brother). Any new releases will take players off-balance all over the world thus creating the illusion that a recently released Codex is stronger than all those that came before it. Take the Imperial Guard as an example, still one of the strongest codexes out there (in my opinion) after 3 or 4 codexes were released after it!

 

The Painting Frog: How do you approach building an army list for a tournament? What determines the inclusion of a given unit over another? Are your lists tested prior to the tournament?

Otávio “Tavitin”: First I look at the points cap for the tournament and if it’s lower than 1500 points count me out of it. I also look at the missions taking notice if any of them subverts the rules in the Big Red Book (the rulebook), taking in consideration these changes and treating them as limits, for example the mission in FoM III where the army’s general was worth double victory points, my general only cost 50 points (a Haemonculus with no upgrades). I’ll then make a list with what I was able to create thinking about the missions.

After having an initial army I’ll take the list to the gaming tables against a variety of armies (always using the tournament’s missions and the time limit): Daemons of Chaos, Space Wolves, Grey Knights and Orks are my most frequent adversaries, and I make mental notes about the performance of each unit and the list itself, which can lead to drastic changes on it or even the abortion of the original idea (bringing me back to Army Builder to try again).

Is it fun to attend an event to fraternize, meet new people and recognize the work of the organizers? Definately! But for the player who wants to win there’s study and preparation to be done. Always trying to give your best and mainly being humble with all your adversaries while training as it’s them who will point out to you the mistakes you make and the weak links in your units.

 

The Painting Frog: In your opinion what was the difference from your army, in comparison with the ones from other players, that might have contributed for your victory?

Otávio “Tavitin”: Shooting, shooting and more shooting. A lot of shooting, too much shooting and then some. My army didn’t have any point sinks (over spending points in any given unit) and enough vehicles to increase what I call “AV Pressure”. Let’s look at it in parts:

SHOOTING – After a long time I realized the shooting mechanic is more reliable than the assault one in the 5th edition of 40K. That led me to bet all my chips and build my list focusing on the shooting phase with a little help from the movement phase and a brief moment on the assault phase (I believe I only made 3 or 4 assaults in the entire tournament).
POINT SINKS – The more you spend on a single unit or vehicle the less targets you’ll be able to threat during the course of the game and you’ll depend on luck a lot more than is desirable
AV PRESSURE – The more vehicles you put on the table, the more pressure you’ll put onto your adversary because as you start to destroy his anti-tank weaponry he’ll have to ignore a percentage of your weapons mounted on armor.

 

The Painting Frog: The list you have used at the 3rd FoM sports a number of duplicated units (Unit SPAM). What’s the reason behind using duplicated units in such a way? What do you think about the penalties applied to lists such as yours in tournaments (namely in Europe) with the adoption of army composition points?

Otávio “Tavitin”: Because it’s easier to come up with army lists that way. Honestly, when I came up with my lists I try to find purpose for each unit. I could easily modify the list I used at the FoM with completely different units that would be used in the very same way or very similar ones. The important thing in the end is not the spam of identical units but having units in the list which have the same “mission” and the same “capabilities” (because that’s how you’ll create duality in your army). For obvious reasons having identical units fulfills both criteria but it’s perfectly possible to meet those criteria (army composition points) with different units, perhaps not as well as you would with identical units but it’s definitely possible.

The Painting Frog: What’s your opinion about the importance of painting an army in order to accrue points and compete in the “Overall Champion” category in events such as the 3rd FoM?

Otávio “Tavitin”: I’m a general not an artist.

 

The Painting Frog: Finally what are your tips for other players that wish to become 40k tournament champions? What are your future plans for your Kabal of Dark Eldar? Any tournaments you look forward to attending?

Otávio “Tavitin”: My advice:
– Balance your Anti-tank firepower in vehicles and infantry.
– Balance your Anti-infantry firepower in vehicles and infantry.
– Don’t have any Point Sinks!!!!! (Try to create an army with units costing, at most, 150 points each, not counting their dedicated transport).
– Use reserves only if you can manipulate the dice result somehow
– Shooting is the way to win games and championships, everything else you do are mere tools which help your main phase: Shooting Phase.
– Never play with a defeatist spirit.

The future of my Dark Eldar now lies in winning more and more tournaments. I want to be number 1 and I’m not ashamed to admit that. I’m thinking about exchanging some shots with the “Gauchos” (people from the state of Rio Grande do Sul in Brazil) in January 2012 and if all goes according to plan I’ll be in the CGW’s Summer Tournament. And I won’t be alone as, as usual, my “aguardente” (sugar cane liquor) will be alongside me!

“The emperor inebriates!”

 

 
+++

 

I guess that’s all for now folks. Do come back for the second in this series of articles in which we interview the 2nd place in the “Best Painted Army” category.

See you soon.

 
+++

 
Salve Leitor.

Se você anda acompanhando o blog deve ter percebido que ando escrevendo uma série de matérias dedicadas a torneios, em especial ao Da Fork of Mork III.

Sei que corro o risco de cansar vocês com a super-exploração do assunto, mas corro esse risco voluntariamente no intuito de esmiuçar ao máximo as particularidades de um torneio e de nossa participação como jogadores neles justamente no intuito de fornecer a você Leitor que anda considerando participar de um torneio subsídios para fazê-lo com sucesso.

Devo admitir que tenho uma forma muito particular de encarar minhas partidas de jogos de estratégia já que vejo cada uma delas como uma narrativa em movimento, uma estória sendo escrita a cada turno. Com isso acabo extraindo grande satisfação de cada partida, não importando se ao final sai como vencedor ou perdedor. Torneios, pela sua própria natureza, têm um foco diferente já que o objetivo principal ali é competir, seja na pintura, seja no comando de seu exército, e assim o foco ali é ganhar. Assim cada participante deve, em minha humilde opinião, engajar-se e expender esforços no sentido de obter somente um resultado: A vitória. Ganhar ou perder em um torneio depende de vários fatores, mas acredito que cada jogador deve aportar ali com a certeza de ter produzido seu melhor, seja na concepção e execução artística do exército ou na escolha de unidades que compõe uma lista devastadora.

Dessa maneira eu gostaria de tentar desmistificar um pouco os processos por trás da construção e pintura de um army competitivo. Para tanto realizei uma pequena entrevista com os vencedores dos prêmios de “Melhor General”, “Campeão Geral” e “Melhor Army Pintado” (1º e 2º lugares) e divido com você leitor as respostas no post de hoje e nos dois posts seguintes com a continuação deste artigo.

Nosso primeiro entrevistado é o ganhador do prêmio de “Melhor General”, Otávio “Tavitin”. O Otávio é um jogador recente, membro do clube Tropas Polares de Curitiba, e tem obtido grande sucesso capitaneando um exército de Dark Eldar em torneios. Seu foco no hobby inegavelmente reside no aspecto tático dos wargames e penso que seus recentes resultados mostram seu acúmen nessa faceta do jogo.

Segue a entrevista:

 
+++

 
The Painting Frog: Em primeiro lugar parabéns por sua colocação como “Melhor General” no torneio Fork of Mork III. Quais são suas considerações acerca do evento? Houve aspectos negativos? O que poderia ser melhorado em edições futuras? O que você gostaria de ver num FoM IV?

Otávio “Tavitin”: Agradeço os parabéns. O torneio foi muito interessante, conheci pessoas novas e jogadores diferentes do que estou acostumado. As mesas eu achei maravilhosas! Por mim eu jogava nas mesas montadas no FOM-III todo sábado! O aspecto negativo, que na verdade é mais preferência pessoal, é a comunhão de Hobyismo com Competitividade. Eu sou um jogador Competitivo, o que acaba me levando mais pro aspecto estratégico do hobby do que pro aspecto de pintura e acabamento dos modelos e conversões. Eu sou e sempre serei a favor de campeonatos puramente competitivos e campeonatos puramente artísticos. Eu adoro fazer conversões (ou ajudar a fazer conversões), e com certeza participaria de um torneio artístico com um modelo (ou um esquadrão de modelos) puramente convertidos. Para ser melhorado, o Fork of Mork precisará de mais participantes.

The Painting Frog: Você venceu o FoM em São Paulo após ter vencido o Torneio Polar em Curitiba realizado anteriormente neste ano. Em ambas as ocasiões você usou o exército dos Dark Eldar. Você acredita que para vencer em torneios de Warhammer 40.000 é necessário usar os mais recentes exércitos lançados? Ou você acredita ser possível vencer não importando qual exército se utilize?

Otávio “Tavitin”: Para ganhar um evento não interessa (muito) o seu Codex, interessa a sua vontade de vencer. Eu treinei muito com o pessoal do meu Clube, a quem agradeço profundamente, minha vitória em SP é dedicada ao Pessoal do Tropas Polares que não só me introduziram no hobby como também me aceitaram como um irmão. Qualquer coisa nova acaba baqueando os jogadores no mundo inteiro, e criando a ilusão que um Codex recém lançado é mais forte que todos os anteriores. Veja o Imperial Guard, por exemplo, de longe o Codex mais forte (na minha opinião) e teve pelo menos 3 ou 4 Codexes que foram lançados depois do mesmo!

The Painting Frog: Qual a sua forma de abordar a confecção de uma lista para torneios? O que determina a inclusão ou não de determinada unidade? Suas listas são testadas antes do torneio em si?

Otávio “Tavitin”: Primeiro eu vejo a pontuação, menos que 1500 pontos estou fora. Vejo as missões propostas e se alguma delas possui alguma mecânica que contraria o Big Red Book (livro de regras), levo em consideração essas alterações diretas no manual e as trato como limites, por exemplo, a missão do General que valia o dobro de Victory Points do FOM-III, o meu general custava apenas 50 pontos (um Haemonculus sem nenhum upgrade). Depois eu faço uma lista com aquilo que eu conseguir criar pensando nas missões propostas.
Depois de ter um Army inicial, levo a lista para mesas de jogos contra exércitos variados (sempre usando as missões do próprio torneio e o tempo limite): Daemons of Chaos, Space Wolves, Grey Knights, Orks são meus oponentes mais freqüentes, e faço anotações mentais no desempenho de cada unidade e no resultado final da lista, que pode levar a drásticas mudanças ou até mesmo aborto completo da idéia inicial (fazendo-me voltar ao Army Builder piratiado e tentar outra vez!).
É legal participar de um evento para confraternizar, conhecer pessoas novas e prestigiar a organização do mesmo? Com certeza! Mas para o jogador que quer ganhar, há todo um estudo e preparação. Sempre tentando dar o melhor de si e PRINCIPALMENTE ser humilde com qualquer oponente nesta fase de treino, pois é seu oponente que vai apontar as principais falhas das suas jogadas e das suas unidades.

The Painting Frog: Em sua opinião qual foi o diferencial do seu exército em relação aos demais que possa ter contribuído para sua vitória?

Otávio “Tavitin”: Tiro, tiro e mais tiro. Muito tiro, tiro demais e mais um pouco de tiro. Meu exército não possuia nenhuma Point Sink (gasto excessivo de pontos em determinada unidade) e Veículos suficientes para aumentar o que eu chamo de “AV Pressure”. Vamos por partes:
Tiros – Depois de muito tempo eu reparei que a mecânica de Tiro é mais confiável que a mecânica de Assalto na quinta edição do 40k. Isso fez com que eu apostasse minhas fichas e construisse minha lista inteiramente em volta da Shooting Phase, com auxilio da Movement Phase e um breve momento na Assault Phase (acho que eu realizei uns 3 ou 4 assaltos no campeonato inteiro)
Point Sinks – Quanto mais você gasta em uma única unidade ou veiculo, menos alvos você consegue ameaçar no decorrer do jogo e fica mais dependente da sorte do que o desejado.
Av Pressure – Quanto mais veículos você colocar na mesa, mais sob-pressão seu oponente vai ficar, pois assim que você começar a destruir as armas Anti-Tank dele, ele terá que ignorar uma porcentagem das suas armas montadas em Armadura.

The Painting Frog: A lista apresentada no FoM possui diversas unidades duplicadas (Unit SPAM). Qual o motivo de empregar unidades repetidas dessa maneira? O que você pensa acerca da penalização de listas como essa em alguns torneios (principalmente na Europa) com a adoção dos pontos de composição de lista (unit composition points)?

Otávio “Tavitin”: Porque é mais fácil montar exércitos desta maneira. Sinceramente quando eu monto minhas listas eu procuro propósito pra cada unidade. Eu poderia facilmente modificar a lista usada no FOM-III com unidades completamente diferentes, mas que iriam ser usadas de forma idêntica ou parecida, o importante no final da lista não é Spam de unidades iguais, mas sim ter unidades que possuam a mesma ‘missão’ e mesma ‘capabilidade'(porque assim você cria Dualidade no seu exército), é claro que unidades IDENTICAS conseguem atender ambos critérios, mas é perfeitamente possível atender estes critérios com unidades diferentes, talvez não tão bem quanto unidades iguais, mas é possível.

The Painting Frog: Qual sua opinião acerca da importância da pintura de um army para fins de pontuação na premiação da categoria “Campeão Geral” adotada no FoM?

Otávio “Tavitin”: Eu sou um General e não um artista.

The Painting Frog: Por fim quais são suas dicas para outros jogadores que almejam sagrar-se campeões em torneios de 40K? Quais são os planos futuros para seus Dark Eldar? Algum torneio em vista?

Otávio “Tavitin”: Minhas dicas:
– Equilibre seu Anti-tank em veiculos e infantaria
– Equilibre seu Anti-infantry em veiculos e infantaria
– Não tenha Point Sinks!!!!! (tente criar um exército com unidades de no máximo 150 pontos cada, sem contar o veiculo dedicado)
– Use reservas somente se possuir manipulação no dado
– Tiro é a forma de ganhar jogos e campeonatos, todo o resto que você faz são apenas ferramentas que auxiliam a sua fase principal: Shooting Phase
– Nunca jogue com o espirito derrotado.

O futuro dos meus Dark Eldar agora estão em ganhar mais e mais campeonatos, quero ser o numero 1 e não me envergonho de dizer isso. Estou pensando em ir trocar tiro com os Gaúchos em janeiro de 2012, se tudo ocorrer conforme o planejado estarei no Torneio de Verão do CGW. E não estarei sozinho, como sempre minha aguardente vai me acompanhar!

“O Emperador Embriaga”
+++
E acho que é isso por hoje pessoal. Em breve a entrevista com o 2º colocado na categoria “Melhor Army Pintado”.

Até logo.
+++

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s